Jornalista serve partido até ser levado a se matar

Um jornalista fiel ao partido se transforma na escória da sociedade da noite para o dia durante a Revolução Cultural

Por Eva Fu

Fan Changjiang, jornalista do respeitável jornal Ta Kung Pao da China republicana, era um comunista leal e tinha orgulho disso. Certa vez, ele se gabou de que “em jornais e livros publicados legalmente sob o governo nacionalista, fui a primeira pessoa a chamar [os comunistas] de Exército Vermelho … e não de bandidos, e a anunciar que o Exército Vermelho estava marchando para o norte para lutar contra os japoneses, não fugindo como covardes”.

Isso foi nas décadas de 1920 e 1930, quando o Partido Comunista Chinês (PCC) que tomaria o poder em 1949 ainda era um grupo incipiente de rebeldes sendo reprimido pelas autoridades nacionalistas chinesas que governavam a China na época. Fan estava se referindo à Longa Marcha, uma retirada maciça do PCC de seu território em guerra no sul da China.

Hoje, Fan Changjiang é um nome desconhecido para a maioria dos chineses. Sua ascensão como um escritor de esquerda proeminente nos círculos jornalísticos da China republicana permitiu-lhe uma interação próxima com os principais líderes do PCC, incluindo o presidente Mao Tsé-Tung. Sua queda em desgraça refletiu a de inúmeros outros intelectuais chineses e primeiros revolucionários que dedicaram suas vidas ao comunismo, apenas para serem devorados na posterior violência política do PCC.

Em seu trabalho para Ta Kung Pao, Fan acumulou fama em suas reportagens sobre as áreas de base comunista na província de Shaanxi, no noroeste da China, para onde o PCC fugiu e se enraizou após a Longa Marcha.

Fan descreveu a Longa Marcha como uma jornada heróica ao norte, onde o PCC supostamente pretendia lutar contra a invasão japonesa.

Ao longo da década de 1930, Chiang Kai-shek havia dado tempo e fortalecido o exército chinês para um eventual confronto com o Japão. Em 1931, os militares japoneses anexaram o território rico em recursos do Nordeste da China e estabeleceram um estado-colônia chamado Manchukuo.

O PCC se posicionou em desacordo com a estratégia de Chiang, ao invés de favorecer uma “frente única” para ajudar a evitar sua destruição nas mãos do exército nacionalista. Propagandistas comunistas como Fan inventaram slogans como “Os chineses não deveriam matar chineses” para gerar apoio em massa.

Fan foi particularmente útil para o Partido Comunista, uma vez que o Ta Kung Pao era um jornal aclamado nacionalmente, conhecido por sua reportagem objetiva e independência. No que o braço direito de Mao, Zhou Enlai, chamou de frente de propaganda, Fan e outros repórteres de esquerda elogiaram o PCC e seu movimento, enquanto atacavam o governo nacionalista.

Fan afirmou que era livre para “escrever praticamente tudo o que desejasse”.

“Tudo o que eu escrevia, Ta Kung Pao publicaria de acordo com meu manuscrito original”, Fan lembrou antes de sua morte por suicídio na Revolução Cultural.

Em 69 despachos de notícias de viagens, Fan registrou vividamente a situação das pessoas que viviam no noroeste e criticou as políticas do líder nacionalista Chiang Kai-shek. Muitos ficaram impressionados por ele ser capaz de prever as estratégias militares do Partido Comunista antes mesmo de iniciarem sua retirada pelo sudoeste da China. Fan elogiou o Exército Vermelho como um bando de revolucionários como Robin Hood.

“Liu [Zhidan] simpatizou com o sofrimento dos camponeses locais”, escreveu Fan sobre um oficial militar comunista. “…nutrido na ideologia comunista, ele foi capaz de transformar estrategicamente e sistematicamente as atividades dos bandidos em um movimento social”.

Exceto por ter pedido a ele para diminuir o tom do seu comentário em uma ocasião, o editor nunca alterou uma palavra durante os três anos em que ele promoveu a ideologia comunista e as ações do PCC.

Servindo o Partido

Journalist Fan Changjiang (R) meeting with CCP leader Mao Zedong.
Encontro do jornalista Fan Changjiang (D) com o líder do PCC Mao Tsé-Tung na década de 1930

O jornalismo de Fan durante este tempo—que mais tarde foi compilado no livro “The Northwestern Corner of China” e reimpresso sete vezes—foi fundamental para reverter a percepção tradicionalmente negativa dos comunistas em território controlado pelos nacionalistas.

As contribuições de Fan para o Partido Comunista não se limitaram a isso. Em 1936, depois que o PCC fez uma aliança com os nacionalistas em uma ostensiva Frente Unida, Fan novamente foi ao quartel-general comunista em Yan’an e entrevistou Mao Tsé-Tung.

Fan formou uma relação tão próxima com Mao que o líder comunista o chamou de “irmão” em uma carta elogiando o trabalho de propaganda de Fan.

Em 1938, Fan fundou a Associação de Jovens Jornalistas Chineses, reunindo jornalistas pró-comunistas. No ano seguinte, ele se juntou ao PCC e deixou oficialmente Ta Kung Pao após uma briga com o editor-chefe sobre sua ideologia e posições comunistas.

A saída do Ta Kung Pao marcou o fim do jornalismo original e atencioso de Fan. O Diário Xinhua que ele ajudou a estabelecer nas áreas de base controladas pelo PCC foi um porta-voz instruído a seguir a linha do Partido.

Ao longo dos anos e décadas, Fan teve um tratamento favorável. Ele chefiou o Diário da Libertação e depois o Diário do Povo, e até foi promovido ao Conselho de Estado. Como foi o caso de muitos outros funcionários, tudo isso mudou muito rapidamente durante a Revolução Cultural.

Junto com milhões de professores, intelectuais, funcionários e outros que pertenciam às chamadas Cinco Categorias Negras, Fan foi perseguido e criticado como um “contra-revolucionário”. Fan, que uma vez ajudou a transformar os corações e mentes da China contra os inimigos do comunismo, foi enviado a um campo de trabalho para “reeducação” em 1969. Antes considerado um dos “irmãos” de Mao, ele agora era o mais humilde dos mais baixos.

Ele foi vigiado continuamente, cuspido e espancado em “sessões de luta” política e encarregado do trabalho mais difícil e sujo. Os guardas o espancaram por ser muito lento. Freqüentemente, o idoso e doente Fan era forçado a carregar vários baldes de adubo pesando mais de 100 libras para ajudar a fertilizar as plantações. Depois de três anos de labuta, ele finalmente se cansou. Uma semana após seu 61º aniversário, Fan pulou em um poço. Seu corpo foi embrulhado às pressas em folhas de plástico e enterrado em uma sarjeta.

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento. Assista toda a série clicando aqui.

As opiniões expressas neste artigo são pontos de vista do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 

 

 
Matérias Relacionadas