Jornalista opositor Ruhollah Zam é executado pelo Irã

Por Agência EFE

O ativista e jornalista iraniano Ruhollah Zam, diretor do site “Amadnews”, foi enforcado no sábado(12) após ter sido condenado à morte por incitar os protestos contra o regime que ocorreram no final de 2017 no Irã, informou o Gabinete da Procuradoria-Geral e Revolucionária de Teerã.

“Zam foi condenado à morte com 13 acusações, incluindo corrupção na terra, e sua sentença foi confirmada pela Suprema Corte e, após um processo judicial hoje, 12 de dezembro de 2020, sua sentença de morte foi executada e ele foi enforcado”, disse o comunicado.

O nome “corrupção na terra” é considerado uma das mais graves acusações no Irã, como homicídio, terrorismo ou pegar armas contra o Estado, e que a jurisprudência islâmica costuma punir com enforcamento.

Ruhollah Zam, que viveu vários anos exilado na França, foi preso em 2019 no Irã pelo serviço de inteligência do Corpo de Guardiões da Revolução Iraniana, depois de cair “em uma armadilha” daquele grupo de elite que conseguiu levá-lo para o Irã, segundo publicado na época por este corpo militar.

Segundo as autoridades, Zam aproveitou sua condição de filho do clérigo Muhammad Ali Zam para abordar descendentes de altos funcionários do país e obter informações sigilosas sobre o regime teocrático.

Durante os protestos que eclodiram em dezembro de 2017 no Irã contra a fome e que levaram a críticas ao sistema, o canal do Telegram “Amadnews”, de Zam, publicou inúmeras informações e imagens.

Esse canal foi bloqueado pelo Irã, que acusou o ativista e jornalista de incitar à violência e ser “uma ferramenta nas mãos de serviços de espionagem estrangeiros” que se opõem ao Irã.

Esses protestos, nos quais mais de 20 pessoas morreram e milhares foram presas, foram seguidos por outros em novembro de 2019 contra o aumento do preço da gasolina e o sistema teocrático iraniano, que eram ainda mais mortíferos.

Zam já estava preso no Irã pela sua participação nas manifestações do Movimento Verde em 2009 contra a reeleição do presidente ultraconservador Mahmoud Ahmadinejad.

Após sua libertação, exilou-se na França, onde estava residindo até sua prisão no ano passado.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas