Jornalista denuncia desapropriação de sua casa na Nicarágua e vai para o exílio

Por Agência EFE

A jornalista nicaraguense Patricia Orozco denunciou na terça-feira que foi despejada de sua casa e expropriada, e que foi forçada a deixar a Nicarágua “devido à repressão, assédio, ameaças e descrédito do jornalismo independente pelo regime ditatorial de Daniel Ortega e Rosario Murillo”.

Orozco, diretora do portal digital Agenda Propia, é um dos mais de 30 jornalistas citados pelo Ministério Público no processo contra a Fundação Violeta Barrios de Chamorro pelos supostos crimes de gestão abusiva e falsidade ideológica, ambos em competição real com lavagem de dinheiro, propriedade e ativos.

“Quero denunciar que fui desapropriada da casa que me foi concedida pelo Estado e onde moro com minha família há 36 anos. Assim, contrariando o artigo 44 da Constituição, que garante o direito à propriedade sobre bens móveis e imóveis ”, disse Orozco, que dirigiu o programa de rádio Onda Local por mais de 20 anos, em nota pública.

Por enquanto, as autoridades nicaraguenses não se referiram a esta denúncia.

Despejo entre meia-noite e madrugada

O comunicador explicou que a Administração da Fazenda a convocou três vezes exigindo sua presença na sede ou nas delegações departamentais.

“Sob o argumento de que a propriedade pertence ao Estado, eles colocam de lado a Lei e preferem usá-la para me assediar e perseguir por minhas ideias e meu trabalho jornalístico”, continuou el.a

Assegurou que “sob a presença da polícia obrigaram a minha família a desocupar a casa tarde da noite e de madrugada e a assinar um documento de“ entrega voluntária ”sob pressão, pelo qual denunciou“ os métodos fraudulentos e a violação da norma que utiliza a função pública desta entidade ”.

Ela argumentou que, como ela, “muitas famílias estão sendo vítimas de situações semelhantes em relação a suas propriedades, devido a suas opiniões” contrárias ao governo do sandinista Daniel Ortega.

“Eles vivem perseguições, pressões e ameaças, mas o medo de represálias os impede de fazer denúncias públicas e de dar a conhecer os fatos que violam seus direitos”, acrescentou.

Chamada para a comunidade internacional

Disse ainda que as autoridades “continuam a encurralar” a sua família e que a sua mãe, de 87 anos, com Alzheimer, e o seu pai, de 92 anos, diabético, “foram obrigados a receber uma segunda intimação que recebi do Procuradoria Geral da República ”.

“Na rua onde (seus pais) moram, eles estacionaram uma patrulha policial. Eu responsabilizo o regime de Ortega-Murillo pelo que pode acontecer com eles ”, observou.

Orozco, que se definia como “feminista, jornalista e defensora dos direitos humanos”, relatou que foi “forçada a deixar a Nicarágua”, a ir para o exílio, “devido à repressão, assédio, ameaças e descrédito do jornalismo independente por parte do regime ditatorial de Daniel Ortega e Rosario Murillo, que nos levaram a crer que é um crime informar e ser informado, ao contrário do que está estabelecido na Constituição Política da Nicarágua ”.

Ela exortou a comunidade internacional a “agir em favor dos nicaraguenses e de seus direitos humanos” e reafirmou seu compromisso de “continuar lutando por justiça e igualdade” e que “nunca me deixarei intimidar”.

A 31 de maio, Orozco explicou que entre 2016 e 2019, como beneficiária dos projetos da Fundação Violeta Barrios de Chamorro, o programa Onda Local que então dirigia recebeu apoios para o reforço da qualidade jornalística, formação e aperfeiçoamento tecnológico, “todos ao abrigo os padrões de cooperação internacional ”.

Neste caso, o Ministério Público convocou trinta jornalistas e também o escritor, romancista e ex-vice-presidente da Nicarágua Sergio Ramírez Mercado para depor como testemunhas.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas