Jornalista chinês é detido pela polícia no epicentro do Coronavírus de Wuhan

Fang Bin, um residente de Wuhan, tem sido alvo de autoridades locais desde que começou a compartilhar imagens de vídeo nas mídias sociais chinesas

Por Cathy He e Frang Fang

Um jornalista chinês que registrou cenas desesperadas da cidade de Wuhan, atingida pelo vírus, foi detido pela polícia, segundo seus amigos.

Fang Bin, um residente de Wuhan, tem sido alvo de autoridades locais desde que começou a compartilhar imagens de vídeo nas mídias sociais chinesas, revelando os hospitais da cidade que estão trancados desde o início de janeiro. Um vídeo que ele gravou, mostrando oito cadáveres dentro de uma van funerária que estava estacionada perto de um hospital, recentemente se tornou viral.

Ele foi levado de sua casa pela polícia local por volta das 15h, horário local, em 10 de fevereiro, de acordo com seus amigos, depois que o pessoal do corpo de bombeiros local abriu a porta. A polícia também levou várias caixas de sua casa.

A artista local Hua Yong também confirmou a detenção de Fang em 10 de fevereiro. Enquanto ele falava em seu canal no YouTube, Hua disse que a ordem para prender Fang veio do departamento de segurança pública.

O Epoch Times tentou ligar para Fang várias vezes, mas ninguém atendeu o telefone.

Quando o Epoch Times contatou várias delegacias locais em Wuhan, eles responderam que não tinham conhecimento de Fang ou de sua situação.

Um de seus amigos disse ao Epoch Times que suspeitava que a conexão à Internet da casa e do celular de Fang havia sido interrompida antes de sua detenção, porque Fang não havia postado um novo vídeo na manhã de 10 de fevereiro. Fang geralmente envia um vídeo todas as manhãs dizendo que ele está são e salvo.

Não é a primeira vez que ele é detido.

Em 1º de fevereiro, por volta das 19h, horário local, meia dúzia de homens mascarados, alegando serem médicos de plantão, invadiram a casa de Fang para “medir a temperatura”. Eles levaram dois computadores e seu celular. Fang acabou em uma delegacia de polícia local.

Ele acabou sendo libertado em 2 de fevereiro e recuperou o celular.

Fang disse em um vídeo posterior que a polícia o acusou de receber dinheiro de “forças estrangeiras” e ameaçou colocá-lo em quarentena por “criar medo” em seus vídeos.

Ele acredita que o surto em Wuhan é, pelo menos em parte, um “desastre causado pelo homem”.

A mídia estatal chinesa alertou as pessoas para não “espalharem informações falsas” sobre o coronavírus, pois elas podem estar violando o artigo 291 da Lei Penal da China.

De acordo com o site oficial do governo da China, uma seção do artigo 291 afirma que qualquer pessoa encontrada fabricando e divulgando informações falsas sobre a epidemia, desastre ou atividade policial pode ser condenada a três a sete anos de prisão.

No entanto, as autoridades chinesas usaram a lei para silenciar as pessoas que publicam informações valiosas sobre o vírus, principalmente o caso recente envolvendo o médico Li Wenliang.

Li, um oftalmologista, foi um dos oito médicos que divulgaram pela primeira vez informações sobre um surto de “pneumonia desconhecida” nas mídias sociais chinesas em 30 de dezembro do ano passado. Um dia depois, a Comissão de Saúde de Wuhan confirmou o surto.

Em 3 de janeiro, Li foi convocado a comparecer em uma delegacia de polícia local, onde foi repreendido por “boatos”. Ele também foi forçado a assinar um comunicado dizendo que não cometerá mais “atos ilícitos”.

Li morreu do coronavírus em Wuhan na manhã de 7 de fevereiro, depois de ter sido diagnosticado com o vírus cinco dias antes. Ele contraiu o vírus após tratar, sem saber, uma pessoa infectada.

Também em 7 de fevereiro, o diretor regional da Anistia Internacional, Nicholas Bequelin, disse que a morte de Li destaca “falhas nos direitos humanos” na China.

“O caso de Li Wenliang é um trágico lembrete de como a preocupação das autoridades chinesas em manter a “estabilidade” às leva a suprimir informações vitais sobre questões de interesse público”, disse Bequelin em comunicado.

“A China deve aprender a lição do caso de Li e adotar uma abordagem respeitadora dos direitos no combate à epidemia. Ninguém deve enfrentar assédio ou sanções por se manifestar sobre os perigos públicos apenas porque isso poderá envergonhar o governo.”

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET

 
Matérias Relacionadas