Jordan Peterson expõe agenda pós-modernista

"Mesmo intelectuais franceses como Jean-Paul Sartre tiveram de admitir que a experiência comunista—seja sob o marxismo, stalinismo, maoísmo ou qualquer outra variante—foi "um fracasso catastrófico absoluto"

Por Joshua Philipp

Os princípios comunistas no pós-modernismo foram disseminados sob o pretexto de políticas de identidade.

O comunismo não foi popularizado no Ocidente sob a bandeira direta do comunismo. Em vez disso, veio em grande parte sob a bandeira do pós-modernismo e visava transformar os valores e crenças de nossas sociedades por meio de sua ideia marxista de que o conhecimento e a verdade são construções sociais.

Sob ele, uma nova onda de ceticismo e desconfiança foi aplicada à filosofia, cultura, história e todas as crenças e instituições nas bases da sociedade ocidental.

A filosofia pós-moderna “entrou em voga” na década de 1970, de acordo com Jordan Peterson, psicólogo clínico canadense e professor de psicologia da Universidade de Toronto, “depois que o marxismo clássico, especialmente do tipo econômico, foi tão completamente desacreditado que ninguém exceto um réprobo absoluto poderia apoiá-lo publicamente”.

Peterson disse que não é possível compreender nossa sociedade atual sem considerar o papel que o pós-modernismo desempenha dentro dela, “porque o pós-modernismo, de muitas maneiras—especialmente como é desempenhado politicamente—é a nova pele que o velho marxismo agora habita”.

“Até os intelectuais franceses tiveram que admitir que o comunismo era um mau negócio no final dos anos 1960”, disse ele. A partir daí, os comunistas jogaram um “jogo de prestidigitação, em certo sentido”, e reformularam sua ideologia “sob um disfarce pós-moderno”.

“É daí que veio a política de identidade”, disse ele. E a partir daí, “se espalhou como um incêndio” da França para os Estados Unidos, através do departamento de inglês da Universidade de Yale, “e depois para todos os lugares”. O marxismo pregava que a paisagem natural e econômica é uma batalha entre o chamado proletariado e a burguesia. Afirmou que os sistemas econômicos escravizariam as pessoas e as manteriam sob controle, disse Peterson.

Na prática, porém, o comunismo repetidamente mostrou que piorava as coisas. Foi implantado em muitas partes do mundo ao longo do século 20 “com resultados absolutamente assassinos”, disse Peterson. “Foi a doutrina econômica e política mais destrutiva que eu acho que já foi inventada pela humanidade”, superando até mesmo o terror visto sob Adolf Hitler, com seu sistema de assassinato que mataria mais de 100 milhões de pessoas em menos de um século.

Peterson disse que “toda a amplitude dessa catástrofe” do comunismo é algo que os alunos raramente aprendem na escola. “Os alunos que ensino geralmente não sabem absolutamente nada sobre o que aconteceu na União Soviética sob Stalin e Lenin entre 1919 e 1959. Eles não têm ideia de que milhões, dezenas de milhões de pessoas foram mortas e muito mais torturadas e brutalizadas por aquele particular regime—para não falar de Mao”.

No final da década de 1960, disse ele, mesmo intelectuais franceses como Jean-Paul Sartre tiveram de admitir que a experiência comunista—seja sob o marxismo, stalinismo, maoísmo ou qualquer outra variante—foi “um fracasso catastrófico absoluto”.

Em vez de acabar com a ideologia, no entanto, eles apenas lhe deram uma nova cara e um novo nome. “Eles eram todos marxistas. Mas eles não podiam mais ser marxistas, porque você não podia ser um marxista e alegar que era um ser humano no final dos anos 1960”, disse Peterson.

Os pós-modernistas se basearam na ideologia marxista, disse Peterson. “Eles começaram a jogar um truque de prestidigitação, e em vez de colocar o proletariado, a classe trabalhadora, contra a burguesia, eles começaram a jogar o oprimido contra o opressor. Isso abriu o caminho para identificar qualquer número de grupos como oprimidos e opressores e para continuar a mesma narrativa com um nome diferente”.

“Não se tratava mais especificamente de economia”, disse ele. “Era uma questão de poder. E tudo para os pós-modernistas é sobre poder. E é por isso que eles são tão perigosos, porque se você está envolvido em uma discussão com alguém que acredita em nada além de poder, tudo o que eles estão motivados a fazer é acumular todo o poder para eles, porque o que mais existe?” ele disse. “Não há lógica, não há investigação, não há negociação, não há diálogo, não há discussão, não há encontro de mentes e consenso. Existe poder”.

“E assim, desde os anos 1970, sob o pretexto do pós-modernismo, vimos a rápida expansão da política de identidade nas universidades”, disse ele. “Chegou a dominar todas as ciências humanas—que estão mortas, pelo que posso dizer—e uma grande proporção das ciências sociais”.

E assim, desde os anos 1970, sob o disfarce do pós-modernismo, vimos a rápida expansão da política de identidade nas universidades.
— Jordan Peterson, Professor de Psicologia da Universidade de Toronto

“Temos financiado publicamente pensadores de esquerda pós-modernos extremamente radicais que estão decididos a demolir a subestrutura fundamental da civilização ocidental. E isso não é uma ilusão paranóica. Esse é o seu objetivo auto-admitido”, disse ele, observando que sua filosofia é fortemente baseada nas ideias do filósofo francês Jacques Derrida, “que, eu acho, formulou de forma mais incisiva a filosofia antiocidental que está sendo perseguida tão assiduamente pela esquerda radical”.

“As pessoas que defendem essa doutrina—essa doutrina radical, pós-moderna e comunitária que torna a identidade racial ou sexual ou de gênero ou algum tipo de identidade de grupo primordial—têm controle sobre a maioria das estruturas burocráticas de baixo a médio nível, e muitos governos também”, disse ele. “Mas mesmo nos Estados Unidos, onde você sabe que muitas das instituições governamentais voltaram para o lado republicano, os tipos pós-modernistas se infiltraram em organizações burocráticas de nível médio a superior”.

“Não acho que seus perigos possam ser sobrestimados”, disse Peterson. “E também não acho que o grau em que já está infiltrado em nossa cultura possa ser sobrestimado”.

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento. Leia toda a série aqui.

As opiniões expressas neste artigo são pontos de vistas do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Siga Joshua no Twitter: @JoshJPhilipp

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas