A “jogada” da China é muito maior do que apenas a Coreia do Norte

Estará a China usando a Coreia do Norte como uma armadilha para sufocar o apoio dos EUA a Taiwan?

Por James Gorrie

Desde que as últimas negociações de desnuclearização entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte entraram em colapso em fevereiro, Kim Jong-un ameaçou reiniciar seu programa nuclear. A ameaça é direcionada para os Estados Unidos? Os norte-coreanos estão jogando duro com os Estados Unidos?

Ou é possível que sua ameaça nuclear seja dirigida contra a China? Isso não é provável, certo? Kim vai ameaçar a China com… o que? Ataque nuclear? Cooperação com os Estados Unidos? Provavelmente não. Seu objetivo mais provável é receber ajuda adicional da China.

Mesmo assim, a questão tem mais arestas do que alguns imaginam. Considere, por exemplo, a possibilidade de que a Coreia do Norte realmente queira fazer um acordo com os Estados Unidos, mas a China não quer que isso aconteça. Se um acordo com os Estados Unidos for alcançado, tanto Kim quanto o presidente chinês, Xi Jinping, sabem que qualquer acordo teria um alcance e uma duração muito limitados.

Por que seria assim?

Uma Coreia capitalista já é suficiente

Em primeiro lugar, a última coisa que a China quer são duas Coreias capitalistas. Ela entrou na Guerra da Coreia em 1950 precisamente para evitar que isso acontecesse. Hoje, a última coisa que o Partido Comunista Chinês (PCC) precisa é outro exemplo de por que o comunismo não é necessário para o desenvolvimento e o crescimento econômico da China. Os dois exemplos da Coreia do Sul e Taiwan já são demais.

No entanto, a China também é — presumivelmente — contra os testes nucleares da Coreia do Norte. É verdade? Talvez, mas talvez apenas até certo ponto. Mais sobre isso em um momento.

Mas, ao mesmo tempo, a China é o parceiro comercial mais importante da Coreia do Norte. Alguém poderia pensar que a China seria capaz de estabelecer um acordo muito básico com a Coreia do Norte, por exemplo, que Kim parasse com seus testes nucleares “ou então……”.

A China tem o controle real

E não se engane: a influência da China sobre a Coreia do Norte é absolutamente autêntica e funcional. Ela fornece à nação pária subnutrida a maior parte de sua comida e combustível. Sem a assistência constante da China, a Coreia do Norte morreria de fome e frio… no escuro.

Com um relacionamento tão fundamentalmente tendencioso, pode-se supor que a China estaria em uma posição de negociação dominante para persuadir — ou forçar — o ditador norte-coreano a interromper seu programa nuclear. Mas isso não aconteceu.

Por que não?

Esse simples fato leva a outra pergunta: “A Coreia do Norte está realmente encarregada de sua política nuclear?” Kim está realmente tomando as decisões nas negociações nucleares com os Estados Unidos, mesmo quando se trata de testar bombas e lançar mísseis?

Ou será que a China está mais envolvida no programa nuclear da Coreia do Norte e em sua política em relação aos Estados Unidos do que geralmente se entende?

A “estabilidade” é realmente o objetivo da China?

Especialistas sobre assuntos da China ainda consideram que a estabilidade na Península Coreana é o principal interesse da China em relação à Coreia do Norte. Acredita-se que a China teme que o colapso do regime norte-coreano possa levar centenas de milhares de refugiados norte-coreanos a invadir a fronteira com a China.

Isso pode ser verdade: os norte-coreanos desesperados e famintos poderiam tentar chegar à China em ondas se Kim perdesse sua posição de liderança. Mas, na realidade, centenas de milhares de refugiados famintos seriam um problema tão difícil para a China lidar?

Não é muito provável. Um simples olhar sobre a eficácia com que o PCC trata as milhares de pessoas “problemáticas” dentro de suas fronteiras nos dirá com que rapidez poderá despachar os enfraquecidos norte-coreanos em escala industrial. Eles estão muito bem preparados e têm muita experiência com esses desafios.

Afinal, os chineses levam a segurança interna muito a sério. De fato, o orçamento interno é maior que o orçamento militar no exterior. Em 2017, a China gastou aproximadamente 161 bilhões de dólares no Exército Popular de Libertação e 196 bilhões de dólares nas forças de segurança interna. Já sabemos como é quando se trata de um governo ilegítimo como o PCC: você tem pessoas para reprimir, torturar e encarcerar, como acontece com os milhões de uigures, praticantes do Falun Dafa e cristãos, para citar apenas alguns. O que são alguns norte-coreanos?

Não, o argumento do medo da invasão de refugiados não explica por que a China permitiria que os norte-coreanos continuassem seu programa nuclear.

Quem se beneficia com as armas nucleares norte-coreanas?

Mas quando nos perguntamos: “Quem se beneficia da capacidade nuclear da Coreia do Norte e quem perde?” A resposta se torna mais evidente. Não é segredo que os chineses não são fanáticos pelas políticas comerciais protecionistas do presidente Donald Trump em relação à China. Elas prejudicam a economia chinesa muito mais do que querem que o mundo saiba.

Os chineses também estão insatisfeitos com o melhor relacionamento de Trump com Taiwan. Pequim tenta fazer com que a chamada “província renegada” obedeça o mais rápido possível. Na verdade, é um aspecto fundamental dos planos expansionistas da China em toda a região da Ásia-Pacífico e além também. A intensificação das relações militares e diplomáticas dos Estados Unidos com Taiwan ameaça esses planos.

Portanto, do ponto de vista da China, quanto mais a situação dos Estados Unidos na Ásia pode complicá-la, mais provável é que Trump, o Congresso e os eleitores americanos estarão dispostos a gastar seus recursos, suas vidas e seu prestígio americano defendendo Taiwan quando esse dia chegar, como certamente fará. As negociações nucleares da Coreia do Norte são uma ferramenta poderosa para a China — não para os norte-coreanos — para impedir, manipular e dificultar a política mais agressiva de Trump em relação à China e sua crescente influência na região.

A Coreia do Norte é uma armadilha?

Existe uma lógica estranha que faz sentido em tudo isso. Assemelha-se àquelas armadilhas de dedo chinesas, onde uma pessoa coloca um dedo em uma extremidade e outra pessoa faz o mesmo do outro lado. Quando eles tentam remover os dedos, a armadilha fica repentinamente muito apertada para os dois.

A estratégia chinesa pode simplesmente ser que a Coreia do Norte tenha um efeito similar na política dos Estados Unidos. Paralisar a determinação e o compromisso dos Estados Unidos com a região na Península Coreana deixariam os Estados Unidos sem recursos em todas as frentes, enquanto a China aumentaria seus avanços militares e diplomáticos contra Taiwan, cerca de 1.900 km ao sul.

Enquanto o fracasso dos Estados Unidos na Coreia do Norte se desenvolve — o que a China garantirá que aconteça — a determinação dos Estados Unidos diante do fracasso na Coreia do Norte poderia ser o primeiro de muitos dominós a cair na Ásia.

James Gorrie é escritor radicado no Texas. Ele é autor de “A Crise da China”

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não representa necessariamente a opinião do Epoch Times

 
Matérias Relacionadas