Joe Rogan em um mundo livre

Neil Young acusa Joe Rogan de espalhar 'desinformação perigosa' sobre vacinas e a COVID

Por Patrick Keeney 

Comentário

A democracia é uma coisa confusa, pois depende do debate e do diálogo. Isso significa que as pessoas de quem não gostamos, ou que expressam pontos de vista impopulares, ou que articulam ideias que consideramos odiosas ou subscrevem ideias que consideramos perigosas, expressam suas opiniões irritantes e equivocadas. Como disse George Orwell: “Se a liberdade significa alguma coisa, significa a capacidade de dizer às pessoas o que elas não querem ouvir”.

De maneira prática, aqueles de nós que são devotos das normas democráticas precisam ouvir respeitosamente nossos adversários políticos, bem como aqueles que promulgam ideias que não são do nosso gosto. O diálogo é a alma da democracia. Assim como um músico exige a capacidade de improvisar em diferentes tonalidades, as democracias também exigem opiniões diversas e discussões livres e abertas. Em suma, precisamos ouvir interlocutores que dizem coisas que não queremos ouvir.

A liberdade de expressão é o nec plus ultra da democracia. A liberdade de nos expressarmos livre e abertamente nos protege do pensamento de grupo, do irracionalismo de vários tipos e dos ditames autoritários que emanam de todo o espectro político. Investigar e criticar todas as ideias e ortodoxias – especialmente a ortodoxia do dia – é um aspecto crucial da vida democrática.

Isso nos leva à polêmica entre Neil Young e Spotify, que hospeda o podcaster, Joe Rogan. Young está insatisfeito com dois convidados que Rogan entrevistou em seu podcast, acusando Rogan de usar seu programa para espalhar “desinformação perigosa” sobre vacinas e o vírus que causa a COVID. Young deu um ultimato ao Spotify: “Eles podem ter Rogan ou Young. Não os dois”. Spotify ficou com Rogan.

“Desinformação” é um conceito curiosamente instável. Parece que a desinformação consiste principalmente em ideias que os que estão no poder acham inconvenientes ou problemáticas. Por exemplo, alguns meses atrás, quem dissesse que “máscaras de pano não funcionam” era acusado de espalhar desinformação. Hoje, sabemos que as máscaras de pano são inúteis. Há um ano, qualquer um que opinasse que a COVID-19 provavelmente se originou de um vazamento de laboratório na China foi rapidamente condenado como teórico da conspiração sinofóbico espalhando desinformação. Agora, a preponderância das evidências aponta para a COVID como originária de um laboratório de Wuhan.

Quando os políticos e seus representantes na mídia tagarelam sobre desinformação, é uma boa regra perguntar o que eles estão tentando esconder.

Os convidados que Young acusa de espalhar desinformação perigosa são dois médicos bem credenciados e altamente talentosos. O Dr. Peter McCullough é um cardiologista e o médico com mais publicações em seu campo. O Dr. Robert Malone possui nove patentes sobre a invenção da tecnologia da vacina de mRNA. Por qualquer padrão, esses dois médicos são especialistas.

Ambos os homens possuem dúvidas quanto à segurança das vacinas contra Covid.

Joe Rogan não afirma se esses dois médicos estão certos ou errados. Ele alega não ter o conhecimento especializado para isso. Mas nem Neil Young. E, claro, ter experiência não é garantia de acertar. Como afirma Steven Weinberg: “Um especialista é alguém que evita os pequenos erros enquanto avança para a grande falácia”.

No entanto, Young de alguma forma acredita que cabe a ele determinar as informações apropriadas para uma discussão crítica sobre o bem-estar social. Ele parece pensar que o Spotify não deveria sediar um programa que debate a segurança das vacinas e está fazendo o possível para encerrá-lo.

Algumas questões surgem. Por que Young acha que deve ser o guardião do que os outros podem ouvir? Ele realmente acredita que as pessoas que ouvem visões alternativas no programa de Joe Rogan são incapazes de avaliar as evidências? E por que Young – mais uma vez, um homem sem conhecimento científico – rotula as opiniões dos médicos de “desinformação”? Os Drs. MacCullough e Malone podem estar errados, mas não são malucos. Como em qualquer disputa científica, a forma de apurar a veracidade ou falsidade de seus pontos de vista é por meio de um debate aberto, algo que Young desdenha.

Rogan, por outro lado, é simplesmente um “cara que senta e conversa”.  Como ele diz: “Eu entendo coisas de maneira errada? Absolutamente. Mas eu tento corrigi-las porque estou interessado em dizer a verdade. Estou interessado em descobrir qual é a verdade. Estou interessado em conversar com pessoas que possuem opiniões diferentes.” Como ele diz, ele não está interessado em falar com pessoas com “apenas uma perspectiva”. E como qualquer verdadeiro conversador, Rogan muda de ideia à luz de melhores argumentos ou evidências.

Rogan é guiado pela curiosidade genuína ao invés de lealdade partidária ou conformidade ideológica. Ele pede a seus convidados apenas o que todos nós buscamos em nossos interlocutores: que falem com sinceridade. O resultado é uma conversa entre alguém com algo interessante a dizer e um entrevistador compreensivo, de mente aberta e não ideológico.

Não há controle editorial além das normas intelectuais e morais que devem reger qualquer conversa real. Como a ciência aberta, as conversas preparam o terreno para futuras conversas teoricamente intermináveis. A sentença de morte do diálogo é a afirmação dogmática, a ortodoxia sufocante que declara que o assunto está resolvido e a conversa está encerrada. O diálogo é inimigo da certeza e do fanatismo, razão pela qual não há conversa genuína em regimes totalitários, apenas sofismas sem fim para sustentar “a verdade” ou “a ciência” ou “o querido líder”. Tais regimes são especialistas em sufocar a “desinformação”.

Há algo profundamente atrativo na personalidade do Sr. Rogan, o que, sem dúvida, explica a popularidade do programa. Ele é um liberal antiquado que mostra uma mente aberta, sensibilidade e disposição para ouvir. Sua personalidade no ar exala honestidade, respeito pelos outros, imparcialidade, consideração, atenção e outras virtudes silenciosas centrais na arte da conversa. Claro, em qualquer diálogo sobre assuntos sérios, haverá divergências. Mas nessas ocasiões, Rogan é equânime. Ele usa os desentendimentos como uma oportunidade para aprofundar os pontos de vista do entrevistado, e não como uma ocasião para ridicularizar, envergonhar ou desacreditar.

Joe Rogan é um liberal antiquado, ou seja, alguém que acredita em noções tão pitorescas como liberdade de pensamento e expressão. Sua abertura para se envolver com pessoas com opiniões diferentes aponta o caminho a seguir para uma sociedade liberal. Como Rogan, precisamos tolerar visões antitéticas às nossas. Ao mesmo tempo, as divergências devem ser vistas como oportunidades para aprofundar nossas percepções e entendimentos, em vez de ocasiões para agitar os dedos, repreender ou vangloriar-se triunfante.

Agora, se Neil Young apenas recebesse o memorando.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas