Japão investe em aviões militares dos EUA para enfrentar China

China tem implantado mais navios e aeronaves para patrulhar as águas próximas ao Japão

Por Reuters

TÓQUIO – O Japão aumentará os gastos com caças furtivos avançados, mísseis de longo alcance e outros equipamentos militares nos próximos cinco anos. A intenção é apoiar as forças dos Estados Unidos que enfrentam o poderio militar da China na região do Pacífico Ocidental, conforme especificado em dois novos documentos de defesa do governo japonês.

Os planos são a indicação mais clara até agora da ambição do Japão de se tornar uma potência militar na região para ajudar os Estados Unidos diante do crescimento militar constante da China e de uma Rússia ressurgente, que pressionam seu aliado.

“Os Estados Unidos continuam sendo a nação mais poderosa do mundo, mas as rivalidades nacionais estão surgindo e reconhecemos a importância da competição estratégica com a China e a Rússia, que desafiam a ordem regional”, disse um esboço do programa de defesa de 10 anos aprovado pelo governo do primeiro-ministro, Shinzo Abe, em 18 de dezembro.

Os Estados Unidos, seguidos pela China, Coreia do Norte e Rússia, são os países que mais influenciaram o recente pensamento militar do Japão, disse o jornal.

A China, segunda maior economia do mundo, está implantando mais navios e aeronaves para patrulhar as águas próximas ao Japão, enquanto a Coreia do Norte ainda não cumpriu a promessa de desmantelar seus programas nucleares e de mísseis.

Mais combatentes furtivos

O Japão planeja comprar 45 caças stealth F-35 da Lockheed Martin Corp, no valor de US$ 4 bilhões, além dos 42 jatos já encomendados, de acordo com um plano separado de cinco anos aprovado na terça-feira.

Os novos aviões incluirão 18 variantes do F-35 de decolagem curta e aterrissagem vertical (STOVL) B, que os planejadores querem implantar nas ilhas japonesas ao longo da borda do Mar da China Oriental.

As ilhas fazem parte de uma cadeia que se estende de Taiwan até as Filipinas, e demarcam o limite do domínio militar chinês a leste do disputado Mar do Sul da China.

“A decisão do Japão de adquirir mais F-35 é um testemunho da capacidade de transformação da aeronave e do crescente papel do pais na promoção da estabilidade regional e no fortalecimento da aliança de segurança Estados Unidos-Japão”, disse a Lockheed Martin em um comunicado.

Os dois grandes navios da Marinha japonesa, o Izumo e o Kaga, serão modificados para as operações do F-35B, disse o jornal.

Os navios da classe Izumo com 248 metros de comprimento são tão grandes quanto qualquer um dos porta-aviões do Japão na Segunda Guerra Mundial. Eles precisarão de decks reforçados para suportar a explosão de calor dos motores F-35 e podem ser equipados com rampas para facilitar as decolagens curtas, disseram dois funcionários do Ministério da Defesa à Reuters.

De Tim Kelly

 
Matérias Relacionadas