Japão não deixará projeto de petróleo e gás com a Rússia, diz primeiro-ministro

“É um projeto extremamente importante em termos de segurança energética, pois contribuiu para o fornecimento estável e de longo prazo de gás natural liquefeito barato”

Por Aldgra Fredly 

O Japão não sairá do projeto de gás natural liquefeito (GNL) Sakhalin-2 na Rússia apesar da retirada de outras empresas devido à invasão russa da Ucrânia, segundo o que o primeiro-ministro, Fumio Kishida, disse na quinta-feira.

“É um projeto extremamente importante em termos de segurança energética, pois contribuiu para o fornecimento estável e de longo prazo de gás natural liquefeito barato”, disse Kishida em uma reunião parlamentar, de acordo com informações da Kyodo News.

Kishida acrescentou que o Japão aumentará os esforços para reduzir a dependência da energia russa em coordenação com o plano dos países do Grupo dos Sete (G7).

A Rússia é o quinto maior fornecedor de GNL do Japão, respondendo por cerca de 8% do consumo do país. O projeto de petróleo e gás Sakhalin-2 no Extremo Oriente russo foi uma das principais fontes de suprimento de GNL do Japão, com capacidade anual de 9,6 milhões de toneladas.

As japonesas Mitsui e Mitsubishi detêm cada uma 12,5 e 10,5 por cento de participação no projeto Sakhalin-2, enquanto a estatal russa Gazprom PJSC detém 50 por cento. A Shell, que detém uma participação de 27,5%, saiu do projeto em resposta à invasão da Ucrânia pela Rússia.

A ExxonMobil, com sede nos EUA, também desistiu do projeto de petróleo e gás Sakhalin-1 na Rússia, seguindo os passos das empresas ocidentais BP e Equinor.

O presidente russo, Vladimir Putin, assinou um decreto na quinta-feira que exigia que empresas estrangeiras de “países hostis”, como Japão e Estados Unidos, pagassem em rublos pelo gás russo a partir de 1º de abril em retaliação às sanções ocidentais impostas por sua guerra à Ucrânia.

Putin disse que os compradores precisam abrir contas em rublos em bancos russos para transferir pagamentos e que os contratos serão rescindidos se não fizerem os pagamentos. As nações do G7 alegaram que isso seria uma “clara violação dos acordos existentes”.

O ministro do Comércio do Japão, Koichi Hagiuda, disse na sexta-feira que o governo monitorará a situação de perto, embora acredite que o decreto não afetará imediatamente o Japão, informou o Nikkei Asia.

O Japão aumentou as sanções contra indivíduos e organizações russas devido à guerra na Ucrânia. O país também restringiu as exportações de certos bens para a Rússia e baniu os bancos russos da rede interbancária global SWIFT.

O ministro das Relações Exteriores, Hayashi Yoshimasa, disse em uma reunião do G7, em 23 de março, que o Japão está “revisando possíveis medidas” para implementar a revogação da nação mais favorecida da Rússia, o que resultará em impostos mais altos sobre produtos russos.

Enquanto isso, a Rússia colocou o Japão em sua lista de “nações hostis” e suspendeu seu tratado de paz com o Japão em retaliação às sanções de Tóquio contra a invasão da Ucrânia, uma decisão que o Japão condenou veementemente.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas