Japão enforca chinês que se torna o primeiro estrangeiro executado em dez anos

Por Isabel Van Brugen

Na quinta-feira, o Japão executou um chinês condenado pelo assassinato e roubo de uma família de quatro pessoas em 2003, marcando a primeira vez que um estrangeiro é executado no país em dez anos.

Wei Wei, um cidadão chinês de 40 anos de idade, estava em um centro de detenção em Fukuoka na quinta-feira, depois de estar no corredor da morte por mais de 16 anos, disse a ministra da Justiça Masako Mori.

Enquanto ele morava no país com um visto de estudante, como estudante de línguas, Wei Wei foi condenado ao lado de dois outros cúmplices chineses de assassinar o dono da loja de roupas japonesa Shinjiro Matsumoto, sua esposa e dois filhos em Fukuoka.

Depois de matar a família, Wei e seus dois cúmplices então empilharam e algemaram os corpos e os jogaram na baía de Hakata, disse Mori em entrevista coletiva.

Ele se declarou culpado de todas as quatro acusações de assassinato, mas sustentou que não era uma figura central no caso, informou a SBS News.

O Japão manteve a pena de morte, apesar das crescentes críticas internacionais, e atualmente tem mais de 100 prisioneiros no corredor da morte.  Este número inclui 84 ​​buscando novos julgamentos, de acordo com o ministério da justiça.

Mori disse que assinou a execução de Wei “após cuidadosa consideração”, à luz do movimento internacional contra a execução.  Ela explicou que, como país cumpridor da lei, o Japão realiza suas execuções com base no sistema de justiça criminal do país.

A ministra da Justiça do Japão, Masako Mori (acima) fala durante uma conferência de imprensa no ministério em Tóquio em 26 de dezembro de 2019 (Kazuhiro Nogi / AFP / Getty Images)

“É um caso extremamente cruel e brutal, no qual os membros da família que viviam felizes, incluindo as crianças de oito e 11 anos, foram assassinadas por razões verdadeiramente egoístas”, disse ela a repórteres.

Os dois cúmplices de Wei foram julgados na China, onde um foi condenado à morte e o outro recebeu prisão perpétua, segundo a agência japonesa Kyodo News.

Um parente da família assassinada de Fukuoka disse à NHK que “o único sentimento que resta é a tristeza”.

“Conseguimos finalmente pensar nos momentos felizes de quando os quatro estavam vivos depois de muitos anos desde o incidente, mas a execução de hoje trouxe apenas lembranças dolorosas”, disse ele à emissora.

A Anistia Internacional disse que o enforcamento mostrava “a chocante falta de respeito pelo direito à vida no Japão”.

 “O país mostrou que está muito atrás da maioria de seus pares”, disse Arnold Fang, pesquisador do leste asiático do grupo, em comunicado.  Ele observou que mais de 100 outros países aboliram a pena de morte.

O Japão e os Estados Unidos são os únicos dois países do Grupo dos Sete países avançados que mantêm pena de morte.  Uma pesquisa do governo japonês mostrou que a grande maioria do público apoia execuções.

As execuções são realizadas em alto sigilo no Japão, onde os prisioneiros não são informados de seu destino até a manhã em que são enforcados.  Desde 2007, o Japão começou a divulgar os nomes dos executados e alguns detalhes de seus crimes, mas as divulgações ainda são limitadas.

Desde que o primeiro-ministro Shinzo Abe retornou ao poder em 2012, seu governo executou 39 pessoas.  No ano passado, o Japão enforcou 15 pessoas, incluindo o guru do culto Aum Shinrikyo e 12 ex-seguidores condenados em um envenenamento mortal de metrô em Tóquio.

 Alguns legisladores, incluindo membros do partido que se opõem às execuções, lançaram recentemente um grupo para promover a discussão pública sobre a pena de morte.

 

 A Associated Press contribuiu para esta reportagem.

 
Matérias Relacionadas