Japão e Coreia do Sul concordam em melhorar os laços bilaterais

“Não temos tempo a perder para melhorar as relações Japão-Coreia do Sul”

Por Aldgra Fredly 

O presidente eleito da Coreia do Sul, Yoon Suk-yeol, e o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, concordaram em reviver as relações há muito tensas dos países, que foram atormentadas por disputas sobre questões de guerra.

A delegação sul-coreana visitante se encontrou com Kishida para conversas em 26 de abril e lhe entregou uma carta manuscrita de Yoon expressando sua esperança de melhorar as relações entre as duas nações.

“Dado que a ordem internacional baseada em regras está ameaçada, a cooperação estratégica entre Japão e Coreia do Sul, bem como Japão, Estados Unidos e Coreia do Sul é necessária mais do que nunca”, disse ele. “Não temos tempo a perder para melhorar as relações Japão-Coreia do Sul”.

Chung Jin-suk, chefe da delegação sul-coreana, disse na reunião com Kishida que eles compartilham uma visão comum de avançar nas relações prospectivas e buscar “interesses compartilhados”, reportou a agência de notícias sul-coreana Yonhap.

O candidato presidencial sul-coreano Yoon Suk-yeol, do principal partido de oposição People Power Party (PPP), se prepara para um debate presidencial televisionado no estúdio KBS em Seul, em 2 de março de 2022. Ele venceu a eleição de 9 de março (Jung Yeon-Je/Getty Images)
O candidato presidencial sul-coreano Yoon Suk-yeol, do principal partido de oposição People Power Party (PPP), se prepara para um debate presidencial televisionado no estúdio KBS em Seul, em 2 de março de 2022. Ele venceu a eleição de 9 de março (Jung Yeon-Je/Getty Images)

Yoon, que assumirá o cargo em 10 de maio, declarou sua intenção de melhorar as relações com o Japão em meio a ameaças nucleares da Coreia do Norte.

Sua delegação também discutiu com Kishida a questão da escravidão sexual e trabalho forçado no Japão durante a guerra, que tem sido fonte de atrito entre os dois países.

Yoon já havia falado sobre a necessidade dos líderes dos dois países melhorarem a comunicação, mas o legado da colonização japonesa da Península Coreana em 1910-1945 e a ocupação em tempo de guerra ainda poderiam frustrar seus esforços.

A última questão a inflamar a velha animosidade foi uma decisão judicial sul-coreana de que as empresas japonesas devem compensar os sul-coreanos que foram vítimas de trabalho forçado durante a ocupação japonesa da península coreana.

Em 2018, a Suprema Corte da Coreia do Sul ordenou que a Mitsubishi Heavy compensasse as vítimas de trabalho forçado, mas a empresa se recusou a cumprir, pois o Japão argumentou que a questão já havia sido resolvida sob um tratado de 1965. A questão despertou raiva em ambos os lados e ameaçou prejudicar o comércio entre os dois países e minar a cooperação de segurança.

A delegação de sete membros chegou ao Japão em 24 de abril para uma visita de cinco dias em meio a especulações de que Kishida poderia participar da cerimônia de posse de Yoon.

A última vez que um primeiro-ministro japonês participou de uma posse presidencial sul-coreana foi em 2008. 

A Reuters contribuiu para esta reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas