Janot pede prisão de Renan, Cunha, Jucá e Sarney

Está sob avaliação do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), a solicitação de prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP) e do senador Romero Jucá (PMDB-RR), feita pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, com fundamento nas gravações do ex-senador e ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado. No caso de Sarney, o procurador-geral solicitou prisão domiciliar, com tornozeleira eletrônica.

Janot avalia que, nos diálogos em que falam mal da Operação Lava Jato, os políticos estavam “tramando” a obstrução da Justiça. A informação é atribuída a ministros do STF e foi divulgada nesta terça-feira (7) pelo jornal O Globo.

Zavascki está analisando a solicitação há aproximadamente dez dias. Desde seu recebimento, o ministro deu início a uma série de consultas não oficiais sobre o assunto junto aos outros participantes da Corte e o tema terminou vazando.

Leia também:
Comissão do impeachment aprova cronograma de trabalho
Futuro de Cunha será decidido amanhã no Conselho de Ética
Juízes do Paraná processam jornal que revelou salários acima do teto

Janot também solicitou o afastamento de Renan Calheiros da presidência do Senado, justificando-se de forma semelhante como fez contra Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que terminaria por afastá-lo da presidência da Câmara e do mandato de deputado federal.

A PGR julgou os “indícios de conspiração” como mais sérios do que os que que acarretaram na prisão do senador, à época, Delcídio do Amaral (ex-PT/MS), em novembro de 2015, porque os três senadores pretendiam acabar com toda a Operação Lava Jato.

Para a pessoa que tem acesso às investigações, é certo que, se a tramoia não fosse descoberta e comprovada pelas gravações de Sérgio Machado, os investigados teriam mudado as leis segundo sua conveniência. Os procuradores consideram até que Sarney, inclusive sem mandato, “controla bancadas” na Câmara e no Senado.

 
Matérias Relacionadas