Itália registra quase 500 mortes em 24 horas pelo vírus do PCC

99% das pessoas que morreram de COVID-19 tinham problemas médicos anteriores

Por Jack Phillips

As autoridades de saúde italianas disseram que quase 500 pessoas morreram do novo coronavírus em 24 horas, enquanto o país luta para conter o surto.

O chefe da Proteção Civil do país, Angelo Borrelli, disse que 475 pessoas morreram pelo vírus do PCC em um único dia, elevando o número de mortos para 2.978 na quinta-feira. O número de mortes de 24 horas no dia anterior era de 345, segundo a ANSA.

O Epoch Times refere-se ao vírus COVID-19 como o vírus do PCC, porque o encobrimento e a má administração do Partido Comunista Chinês permitiram que o vírus se espalhasse por toda a China e criasse uma pandemia global.

“Há 1.084 mais curados hoje, um número realmente importante, que eleva [o número] para 4025, 37% a mais que ontem”, disse Borrelli durante uma entrevista coletiva na quarta-feira citada pela ANSA.

Cerca de 2.629 profissionais de saúde, ou 8,3% do total, foram infectados pelo vírus do PCC, disseram as autoridades à ANSA. Até agora, mais de 35.713 casos foram registrados em toda a Itália, disseram autoridades.

A Itália está praticamente paralisada há cerca de duas semanas, enquanto as autoridades tentam conter a propagação da doença, que surgiu pela primeira vez em Wuhan, na China, no final do ano passado, antes de se espalhar para mais de 150 países no mundo. A Itália é atualmente o país mais afetado da Europa e o mais atingido fora da China.

“É necessário limitar as viagens o máximo possível”, disse Borrelli, acrescentando que “o comportamento correto deve ser adotado”.

Um homem recebe assistência em frente ao hospital Cremona, em Cremona, norte da Itália, em 4 de março de 2020 (Miguel Medina / AFP via Getty Images)

“Os cidadãos devem saber que não se trata de mudar seu estilo de vida apenas por uma ou duas semanas”, disse o chefe do centro nacional italiano de epidemiologia, Stefania Salmaso, ao Sky News.

A autoridade nacional de saúde italiana disse em um estudo divulgado quarta-feira que cerca de 99% das pessoas que morreram de COVID-19 tinham problemas médicos anteriores, informou a Bloomberg News.

A idade média das pessoas que morreram é de cerca de 79,5 anos e cerca de 17 pessoas com menos de 50 anos morreram da doença. Todas as vítimas com menos de 40 anos tiveram sérios problemas médicos preexistentes, segundo o relatório.

Em outras partes da Europa, as autoridades francesas registraram um aumento nos casos para 7.730, juntamente com 175 mortes, informou a BBC. A Espanha registrou 13.000 casos e 598 mortes.

Enquanto isso, a Alemanha tem 8.198 casos e 14 mortes, enquanto o Reino Unido registrou quase 2.000 casos e pelo menos 60 mortes.

Nesta semana, a União Europeia anunciou que os viajantes de fora da união seriam afastados dos pontos de passagem de fronteira e dos aeroportos por 30 dias.

 
Matérias Relacionadas