Israel lança novos ataques aéreos em Gaza, respondendo a balões incendiários

Por Agência EFE

Israel lançou novos ataques aéreos na Faixa de Gaza na manhã de quarta-feira, confirmaram fontes de segurança do grupo terrorista islâmico palestino Hamas, que governa o enclave.

A ofensiva aérea responde ao lançamento de dezenas de balões incendiários na terça-feira por simpatizantes do Hamas na fronteira com Israel em protesto contra a celebração do “Desfile de Bandeiras”, uma marcha nacionalista israelense por Jerusalém.

As mesmas fontes disseram que drones de reconhecimento não tripulados do Exército israelense sobrevoaram o enclave costeiro por volta da meia-noite e, em seguida, várias explosões foram ouvidas no sul e no centro da Faixa de Gaza .

Os ataques com mísseis, confirmados pelo Hamas e testemunhas oculares, tiveram como alvo instalações militares pertencentes às Brigadas al-Qassam, o braço armado desse movimento islâmico, sem registro de vítimas no momento.

“Durante o último dia, balões incendiários foram lançados da Faixa de Gaza para o território israelense. Em resposta, há pouco tempo, os caças das Forças de Defesa de Israel atacaram complexos militares da organização terrorista Hamas, que eram usados ​​como instalações e pontos de encontro para operações terroristas ”, informou o Exército israelense pouco depois em um comunicado.

O Exército israelense responsabilizou o Hamas por todos os eventos ocorridos no enclave e garantiu que está preparado para “qualquer cenário, incluindo a retomada das hostilidades em face da continuação das atividades terroristas na Faixa”.

De acordo com as autoridades israelenses, o lançamento de balões incendiários na terça-feira provocou mais de 25 incêndios no sul de Israel, sem causar feridos ou causar grandes danos.

As organizações da Resistência Palestina responderam assim à celebração daquela marcha na tarde de terça-feira pelas ruas de Jerusalém Oriental, que para os nacionalistas comemora a reunificação da cidade em 1967 sob a soberania israelense, enquanto para os palestinos marca o início da ocupação no Leste Jerusalém, onde circulou parte do desfile.

A “Marcha das Bandeiras” costuma ser celebrada a cada 10 de maio, Dia de Jerusalém, mas este ano teve que ser suspensa quando os alarmes antiaéreos soaram em Jerusalém Oriental naquele dia porque o Hamas lançou foguetes contra Israel, que se desencadearam após semanas em que a tensão estava esquentando a última escalada militar, a pior desde 2014.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas