Irmão de bombeiro que morreu no 11 de setembro viaja mais de 804 quilômetros para homenagear sacrifício dos primeiros socorristas

Por Michael Wing

O bombeiro de Nova Iorque Stephen Siller estava a caminho de jogar golfe com seus três irmãos quando recebeu a ligação naquele dia fatídico, 11 de setembro de 2001.

Ele dirigiu seu caminhão até o túnel da Bateria do Brooklyn, carregou 27 quilos de equipamento de combate a incêndios e partiu a pé, cobrindo os cinco quilômetros subterrâneos, para encontrar sua companhia no que ficou conhecido como Ground Zero.

“Ele saiu pelo outro lado, subiu a West Street … e entrou no que pensamos ser a Torre Sul, porque todo o corpo de bombeiros estava lá”, disse o irmão mais velho de Stephen, Frank Siller, ao Epoch. Times.

“E então ele nunca voltou para casa.”

“Enquanto ajudava a salvar a vida de outras pessoas, ele desistiu da sua própria.”

(Cortesía de la Fundación Tunnel to Towers)

Quando a família de Stephen soube do que ele havia feito, eles decidiram prestar homenagem em sua memória e a de inúmeros outros socorristas que sacrificaram suas vidas e criaram o Tunnel to Towers, uma fundação que constrói casas para as famílias dos resgatadores que perderam seus entes queridos que se sacrificaram no cumprimento do dever.

Nesse esforço, em 1º de agosto de 2021, Frank decidiu caminhar mais de 804 quilômetros para homenagear seu irmão e aqueles que morreram em 11 de setembro. Ele deixou o Pentágono, onde depositou uma coroa de flores, e atualmente está indo para Shanksville, para chegar ao seu destino final, o Marco Zero, no 20º aniversário do 11 de setembro.

(Cortesía de la Fundación Tunnel to Towers)

“Espero lançar uma grande luz sobre o que aconteceu há 20 anos, que perdemos 2.977 americanos, muitos dos quais foram os primeiros a responder”, disse ele, enquanto caminhava.

No entanto, sua preparação começou meses antes; até agora, ele tem viajado uma média de 20 a 25 km por dia em sua jornada de 40 dias para Manhattan, Nova Iorque. Até agora ele cumpriu o programa proposto.

Frank diz que planeja chegar a Shanksville – onde o vôo 93 caiu naquele dia fatídico – neste sábado, 21 de agosto.

(Cortesía de la Fundación Tunnel to Towers)

Tunnel to Towers espera reunir um milhão de apoios, disse Siller. Aqueles que desejam contribuir com US $ 11 por mês ajudarão 200 militares gravemente feridos ou famílias de socorristas que perderam um ente querido a obter casas sem hipoteca e outros meios de sobrevivência.

Frank e sua fundação visam recompensar aqueles que, como seu irmão, dedicam suas vidas a ajudar os outros.

“Stephen morreu como viveu: pelos outros”, lembra Frank.

Stephen sempre quis ajudar, acrescentou o irmão. Sua personalidade era a de muitos salva-vidas, sempre querendo estar lá para ajudar alguém.

(Cortesía de la Fundación Tunnel to Towers)

“Claro, ele fez isso em grande parte dando sua vida”, acrescentou Frank. “Mas não ficamos surpresos como família por ele ter feito isso, e não ficamos surpresos por ele ter encontrado uma maneira de chegar lá, e não ficamos surpresos que ele acabou passando por aquele túnel.”

“Ele nos inspirou, mas não nos surpreendeu, todas essas coisas que fez, era simplesmente o tipo de pessoa que ele era.”

 

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

 
Matérias Relacionadas