Irã viola termos de acordo nuclear

Irã afirma que seu programa nuclear é apenas para fins pacíficos, incluindo geração de energia mas Israel diz que o programa apresenta uma ameaça existencial

Por Ivan Pentchoukov

O Irã violou os termos de um acordo nuclear multinacional ao exceder um limite em seus estoques de urânio, disse o ministro das Relações Exteriores do regime islâmico, Mohammad Javad Zarif, em 1º de julho, segundo a agência de notícias INSA.

Zarif disse que o estoque de hexafluoreto de urânio do Irã, agora excede 300 quilos. A violação desafia os avisos dos signatários do acordo, que pediram ao Teerã que se atenha ao pacto de 2015, apesar da saída dos Estados Unidos. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Abbas Mousavi, disse que a violação é “reversível”.

Inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) estavam no local tentando verificar as alegações do Irã, disse a agência. A acumulação suficiente de urânio de baixo enriquecimento é um passo intermediário para a construção de uma bomba nuclear.

A AIEA verificou na semana passada que o Irã tinha cerca de 200 quilos de urânio pouco enriquecido, um pouco abaixo do limite de 202,8 quilos do acordo. Os 300 quilos de hexafluoreto de urânio que o Irã alega ter estocado agora equivalem a exatamente 202,8 quilos de urânio pouco enriquecido.

O presidente Donald Trump retirou-se do acordo nuclear com o Irã no ano passado e voltou a impor duras sanções ao regime iraniano. O presidente considerou o acordo falho, em parte porque os termos permitiram que o Irã estivesse em posição de retornar rapidamente ao desenvolvimento de uma arma nuclear, uma preocupação que se materializou com o anúncio do Teerã em 1º de julho.

Autoridades do Teerã tentaram usar a ameaça de violar os termos do acordo em uma tentativa de forçar os signatários europeus a contornar as sanções de Washington. Depois das conversações em Viena na semana passada, as autoridades iranianas disseram que não conseguiram convencer os europeus a fornecer muito em termos de assistência comercial.

Mousavi ameaçou-os em 1 de julho.

“O tempo está se esgotando para que eles salvem o acordo”, disse ele à televisão estatal.

Sob o acordo nuclear, o cronograma para a capacidade do Irã de criar uma arma nuclear foi adiado para cerca de um ano. Em troca, grandes potências levantaram a maioria das restrições comerciais ao regime. China, França, Alemanha, União Europeia, Rússia e Reino Unido são os co-signatários restantes do acordo após a saída dos Estados Unidos.

O Irã afirma que seu programa nuclear é apenas para fins pacíficos, incluindo geração de energia. Israel diz que o programa apresenta uma ameaça existencial. O Irã não reconhece Israel como nação e fez repetidas ameaças ao aliado dos Estados Unidos.

“Imagine o que acontecerá se o material armazenado pelos iranianos tornar-se fissionável, em grau de enriquecimento militar, e depois uma bomba real”, disse Joseph Cohen, chefe da agência de inteligência Mossad, à conferência de segurança Herzliya, pouco antes de o Irã anunciar que violou o acordo nuclear.

“O Oriente Médio, e depois o mundo inteiro, será um lugar diferente. Portanto, o mundo não deve permitir que isso aconteça”, acrescentou Cohen.

Um legislador iraniano ameaçou destruir Israel no caso de um ataque americano ao Irã.

“Se os Estados Unidos nos atacarem, Israel terá apenas meia hora de vida”, disse Mojtaba Zolnour, presidente da Comissão de Segurança Nacional e Política Externa do parlamento iraniano, em 1º de julho.

Washington aumentou as sanções ao Irã em maio, estendendo as restrições comerciais ao petróleo iraniano para todas as nações. O Irã respondeu com ameaças para interromper as remessas de petróleo no Estreito de Ormuz. Seis petroleiros já foram atacados na região; O Irã negou envolvimento. Os Estados Unidos dizem que o regime é responsável por pelo menos dois dos ataques.

As tensões aumentaram a partir daí com os Estados Unidos enviando forças adicionais para o Oriente Médio. Os Estados Unidos chegaram poucos minutos depois de lançar um ataque ao Irã depois que o regime derrubou um avião dos Estados Unidos no espaço aéreo internacional.

Trump pediu negociações com o Irã “sem condições prévias”, mas o Teerã descartou as negociações até que os Estados Unidos voltem ao pacto nuclear e abandone suas sanções.

A Reuters contribuiu para este relatório.

 
Matérias Relacionadas