Inundações e terremotos devastam províncias chinesas e Jiangxi se prepara para ‘tempos de guerra’

Enquanto isso, ao longo de milhares de quilômetros do rio Yangtze, os níveis de água excederam níveis alarmantes

Por Nicole Hao

O regime chinês levantou seu alerta de resposta às enchentes em 12 de julho, depois de anunciar que 27 províncias foram atingidas por fortes tempestades que continuam causando estragos.

Enquanto isso, ao longo de milhares de quilômetros do rio Yangtze, os níveis de água excederam níveis alarmantes.

Em 12 de julho, as pessoas na cidade de Wuhan – onde o vírus do PCC eclodiu – usavam sacos de areia para aumentar e fortalecer as margens do rio, enquanto algumas áreas do rio Yangtze alcançavam 28,76 metros, mais 4,57 metros acima do nível do solo da cidade.

As autoridades estimaram que o nível do rio poderia subir para mais de 29 metros até 14 de julho, ou seja, cerca de 5 metros acima do nível do solo.

Várias cidades na província vizinha de Jiangxi foram quase submersas pelas inundações.

Enquanto isso, a cidade de Tangshan, no norte da China, sofreu um terremoto de magnitude 5,1 às 6:38 da manhã de 12 de julho. Os tremores danificaram edifícios feitos de material de baixa qualidade. Naquele dia, os condados de Luchun na província de Yunnan, os condados de Zoige na província de Sichuan e os condados de Wushan na cidade de Chongqing também sofreram terremotos de magnitude 4.4, 4.0 e 3.0, respectivamente.

As autoridades anunciaram que milhões foram deslocados de suas casas, com pelo menos 141 pessoas mortas ou desaparecidas. Mas, dado o histórico do regime chinês de ocultar informações, os especialistas temem que os números reais sejam muito maiores.

Jiangxi enfrenta quebra de diques

A província de Jiangxi, no sul da China, emitiu o maior alerta de inundação em 11 de julho, depois que as rupturas no muro de contenção causaram inundações em vários municípios.

Em 12 de julho, o CCTV estatal informou que das 2.545 milhas (2.545 quilômetros) de margens de rios ou lagos em Jiangxi, 1.400 milhas (2.242 quilômetros) atingiram seus níveis de alerta.

Rios locais em Jiangxi, como os rios Rao, Xin, Xiu e Chang, também foram inundados desde 6 de julho.

Particularmente em Poyang, o maior lago de água doce da China, os níveis aumentaram a uma taxa sem precedentes.

“O nível da água no lago Poyang aumentou mais de 53 centímetros todos os dias nos últimos três dias”, de acordo com o relatório citando Xu Weiming, o principal especialista em controle de inundações da província. “Agora está mais de dois metros acima do nível do alarme”.

Em 11 de julho, o chefe do Partido Comunista Chinês da província, Liu Qi, anunciou que a província havia entrado em preparativos “em tempo de guerra”. Liu pediu à província que se preparasse para “fortes inundações” e “uma grande catástrofe”.

Em 12 de julho, as autoridades locais dos municípios de Mianchuan e Jiangxinzhou da cidade de Jiujiang ordenaram aos residentes: “Idosos, crianças e residentes doentes devem deixar suas casas hoje … Os outros se preparem para sair a qualquer momento”.

Em 10 de julho, as autoridades do município de Jiangzhou, também localizado em Jiujiang, apelaram às mídias sociais aos trabalhadores migrantes entre 18 e 60 anos para ajudar nos esforços de desastre, citando uma séria falta de mãos para fortalecer barragens.

A devastação tem sido esmagadora para as empresas locais.

“3.000 toneladas de chá tornaram-se lixo depois de serem submersas na água da enchente da noite para o dia”, disse Zheng, proprietário de uma fábrica de chá no condado de She, província de Anhui, no leste do país em um vídeo de mídia social postado em 10 de julho.

Zheng disse à imprensa estatal do Beijing News que estava preocupado por não conseguir compensar os mais de mil produtores de chá que lhe forneceram as folhas de chá.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

EUA exigem transparênca do regime chinês diante da COVID-19

 
Matérias Relacionadas