Uma introdução à dança clássica chinesa – Parte 1

Uma introdução à dança clássica chinesa – Parte 1

Cindy Liu, a vencedora da categoria adulta feminina, interpreta ”Melodia Celestial” durante a anual Competição Global de Dança Tradicional Chinesa promovida pela NTDTV (Dai Bing / Epoch Times)

2014/05/23

Uma forma de arte há 5 mil anos em desenvolvimento

Perdida no Oriente, a essência de uma antiga cultura renasce no Ocidente. Esta é a primeira parte de uma série de nove artigos que explora a cultura tradicional chinesa a fim de revelar um entendimento mais profundo da genialidade de uma companhia de dança clássica chinesa localizada em Nova York, o Shen Yun Performing Arts.

A dança clássica chinesa é uma das mais complexas, expressivas e exigentes formas de arte no mundo, e a companhia Shen Yun, sediada em Nova York, tem a missão de reviver essa cultura inspirada no divino.

Por milhares de anos na China, a dança foi passada através de performances na corte imperial. Para o povo chinês, desde eras remotas, uma convicção permanece, que sua cultura tradicional é um presente divino. Assim, a dança clássica chinesa é parte desse legado.

“Mesmo em tempos antiquíssimos, nós vemos a dança”, disse a Sra. Yi Cao, ex-juíza da Competição Internacional de Dança Clássica Chinesa da New Tang Dynasty Television (NTDTV), num vídeo introdutório sobre a dança clássica chinesa no site do Shen Yun Performing Arts.

“Quando as pessoas estão felizes, os movimentos de mãos e pés se tornam dança”.

A dança clássica chinesa é uma forma de arte pura, única e complexa, com 5 mil anos de desenvolvimento. Cada uma das muitas dinastias da China trouxe consigo seus estilos distintos de dança. À medida que as dinastias mudavam, as joias de cada uma se incorporavam ao núcleo da dança clássica chinesa.

“É um tipo de fundação cultural que tem sido passada, o próprio tesouro do povo chinês transmitido ao longo das gerações até os dias de hoje”, disse a Sra. H. Sue Guo, vice-presidente da Universidade Fei Tian, o primeiro colégio nos Estados Unidos que oferece treinamento em dança clássica chinesa, num vídeo sobre dança clássica chinesa.

Por 5 mil anos, muitas tradições na China estiveram intrinsecamente ligadas, como as artes marciais, a dança folclórica e as acrobacias. Com o passar do tempo, elas se tornaram parte de uma única forma de arte. Muitas linhagens da cultura tradicional chinesa foram incorporadas na dança clássica chinesa. Como resultado, assim como o balé, a dança clássica chinesa é a única das escolas completas de dança com suas próprias teorias, técnicas, e formas de expressão.

O núcleo da dança clássica chinesa é composto de três componentes principais: habilidades técnicas, forma e compostura.

Habilidades técnicas

A parte técnica da dança clássica chinesa apresenta uma série de saltos, pulos, torções, splits, giros e cambalhotas. Embora muitas dessas habilidades sejam vistas em outras formas de arte, como a ginástica e a acrobacia, na verdade, elas se originaram da dança clássica chinesa.

“Na cultura tradicional chinesa, o marcial e o civil estavam conectados. Nas artes marciais, existem técnicas de ataque e movimentos que vieram dos campos de batalha”, disse o Sr. Gu Yun, um dos dançarinos principais e coreógrafo do Shen Yun, no vídeo.

“Eles eram utilizados para se defender de ataques e coisas do tipo. Essas eram as formas mais tradicionais de se utilizar a força.”

Após essas técnicas de artes marciais serem passadas adiante, elas foram incorporadas às performances artísticas das cortes imperiais e a dança clássica chinesa.

Forma: Como o método leva ao movimento

Na dança clássica chinesa, forma se refere principalmente aos movimentos e ao caminho ou traçado mesmo dos movimentos. O conceito de círculo e movimento circular é um elemento central da forma e específico da dança clássica chinesa. O balé, em contraste, enfatiza o conceito de linha, ou da linearidade.

“Nós enfatizamos o que chamamos de ‘circularidade’. Na filosofia oriental, existe um ditado, ‘a beleza é redonda’. O caminho ou traçado dos movimentos deve ser circular”, disse Yungchia Chen, um dos dançarinos principais e coreógrafo do Shen Yun, no vídeo.

A dança clássica chinesa enfatiza a integração de todo o corpo. Os dançarinos são ensinados a atentarem a todos os detalhes, a forma como as mãos se mechem para cima e para baixo, como o corpo, a cabeça e os olhos se movem, como se utilizar a respiração, o que são os pontos naturais de descanso e relaxamento, tudo isso na composição de um único movimento.

A forma na dança clássica chinesa não é apenas movimento, mas também um método. Os movimentos em si mesmos integram alguns elementos fundamentais: torção, inclinação, a circularidade e a flexão. A complexidade interna da dança clássica chinesa revela-se em camadas, ainda sim, sua execução se mostra simples, agradável e graciosa.

A graciosidade simples da dança clássica chinesa é cheia de expressão e significado. Essa qualidade única é criada pela ênfase numa característica única chamada “yun” físico, ou compostura.

Compostura: Como o espírito conduz a forma

A melhor forma de descrever a compostura na dança clássica chinesa é como um tipo de espírito interior. Um dançarino acrescenta profundidade à expressão emocional de cada movimento enfatizando a respiração, a intenção, sua aura pessoal, e outros elementos intangíveis. A combinação desses elementos pode dar ao mesmo movimento diferentes significados e energia dependendo do personagem.

“Por exemplo, Mulan é uma personagem muito distinta”, disse Michelle Ren, uma das dançarinas principais do Shen Yun e coreógrafa, no vídeo.

“No campo de batalha ela é um general feminino, então, seus movimentos refletem o poder e a dignidade de um general feminino. Mas o mesmo movimento, quando ela está cuidando de seu pai idoso em casa, é o de uma jovem humilde.”

Todos os personagens retratados nas épicas histórias da China possuem profundidade e representam valores universais. Assim, a fim de retratar esses personagens, um dançarino deve possuir um entendimento profundo desses valores representados e ser capaz de incorporá-los completamente. Um dançarino que carece de piedade filial, coragem, respeito, e outros traços de personalidade retos é incapaz de interpretar o papel de famosos personagens da história chinesa.

“Você precisa deles [valores tradicionais] se quer ter um bom desempenho na dança chinesa”, explica Chelsea Cai, um dos dançarinos principais do Shen Yun, num perfil artístico no site da companhia.

“Não é apenas uma coisa superficial; você realmente precisa de algo no interior e um profundo entendimento para ser capaz de apresentar algo belo no exterior.”

Quase todas as performances de dança na China Continental carecem dessa característica central, a compostura refinada, essencial à verdadeira arte.

“Após a Revolução Cultural, na superfície, parecia que ainda havia a dança clássica chinesa, mas seu espírito interior da cultura tradicional foi substituído pela exaltação ao comunismo”, disse Yungchia Chen.

Para mais informações, visite: ShenYunPerformingArts.org

O Epoch Times se orgulha em patrocinar o Shen Yun Performing Arts