Inseticidas tornam baratas quase invencíveis, revela estudo

"Baratas que desenvolvem resistência a múltiplas classes de inseticidas de uma só vez tornam quase impossível controlar essas pragas apenas com produtos químicos"

Por Anastasia Gubin, Epoch Times

Um estudo realizado pela Universidade de Purdue, liderado pelo professor e entomologista Michael Scharf, testou a eficácia dos inseticidas em áreas urbanas e confirmou que eles tornam os insetos quase invencíveis. Utilizá-los é um desperdício de dinheiro se os outros métodos tradicionais não são aplicados.

É suficiente que no local onde uma praga vai ser tratada, existam algumas baratas resistentes para torná-las todas resistentes nas próximas gerações, e não apenas para o tipo de inseticida que está sendo usado.

O professor descartou o uso de inseticidas como única opção e recomendou “combinar tratamentos químicos com armadilhas, saneamento melhorado e aspiradores que possam eliminar baratas”.

“Alguns desses métodos são mais caros do que o uso de inseticidas, mas se esses inseticidas não controlam ou eliminam uma população, eles simplesmente jogam fora o dinheiro”, disse Sharf, segundo o relatório da Universidade Purdue em 25 de junho.

(WANG ZHAO / AFP / Getty Images)
(WANG ZHAO / AFP / Getty Images)

“Combinar vários métodos é a maneira mais eficaz de eliminar baratas”, disse o entomologista.

O problema das baratas é observado principalmente em áreas urbanas e em moradias de baixa renda ou subsidiadas pelo governo federal, onde os recursos para combater efetivamente as pragas não são tão abundantes e não são utilizados de forma eficaz.

Considerando que cada classe de inseticida trabalha de maneira diferente para matar baratas e que os exterminadores costumam usar uma mistura de diferentes inseticidas ou alterá-los em cada tratamento, Scharf e seus co-autores do estudo propuseram testar esses métodos em edifícios de várias unidades em Indiana e Illinois por seis meses.

(ANNE-CHRISTINE POUJOULAT/AFP/Getty Images)
(ANNE-CHRISTINE POUJOULAT/AFP/Getty Images)

Eles fizeram três testes diferentes. O primeiro foi usar três inseticidas de diferentes tipos, rotacionados para uso a cada mês durante três meses e depois repetidos. No segundo teste eles usaram uma mistura de dois inseticidas de diferentes tipos por seis meses. No terceiro, eles escolheram um inseticida ao qual as baratas tiveram uma resistência inicial de baixo nível e usaram isto o tempo todo.

Em cada caso, eles examinaram as baratas locais e escolheram inseticidas aos quais tinham menos resistência, esperando “os melhores resultados possíveis”, disse Scharf.

“Se você tiver oportunidade de testar as baratas primeiro e escolher um inseticida de baixa resistência, as chances aumentam”, mas apenas isso, disse Scharf. “Mas, mesmo assim, tivemos problemas para controlar populações”, à medida que se tornam invencíveis nas gerações seguintes.

“Ao alternar três inseticidas, os pesquisadores conseguiram manter as populações de baratas por um período de seis meses, mas não conseguiram reduzi-las. A mistura de dois inseticidas não funcionou e as populações de baratas aumentaram”, diz o relatório dos autores.

Em um dos experimentos com inseticidas, Scharf e seus colegas descobriram um grupo de baratas que eram pouco resistentes a uma das substâncias químicas e a aplicaram “eliminando completamente a população de baratas”.

No entanto, em outro prédio onde havia cerca de 10% de resistência inicial, o produto químico foi aplicado e em seis meses as populações cresceram.

Scharf e sua equipe disseram que a resistência cruzada provavelmente desempenhou um papel significativo. “Uma certa porcentagem de baratas seria resistente a um tipo particular de pesticida. Aqueles que sobreviveram a um tratamento e seus descendentes seriam essencialmente imunes àquele inseticida dali em diante. Mas eles também ganharam resistência a outros tipos de inseticidas, mesmo se não tivessem sido expostos a eles e não tivessem nenhuma resistência anterior”.

“Vimos que a resistência foi multiplicada por quatro ou seis em uma única geração”, disse Scharf. “Não tínhamos ideia de que algo assim pudesse acontecer tão rápido”.

“As fêmeas da barata têm um ciclo reprodutivo de três meses durante os quais podem ter até 50 descendentes. Se mesmo uma pequena porcentagem de baratas é resistente a um inseticida, e essas baratas ganham resistência cruzada, uma população abatida por um único tratamento pode explodir novamente em questão de meses”.

Baratas são uma séria ameaça à saúde humana. Eles carregam dezenas de tipos de bactérias, como a Etcherichia coli (E. coli) e a salmonela, que podem deixar as pessoas doentes, especialmente as crianças.

Além disso, saliva, fezes e partes do corpo que as baratas deixam para trás podem não só desencadear alergias e asma, mas também podem causar muitas outras condições em algumas crianças.

O professor Sharf descarta o uso de apenas inseticidas para erradicar essas pragas. É perder dinheiro com um pior efeito em longo prazo. Deve-se procurar os ninhos e eliminá-los.

“Baratas que desenvolvem resistência a múltiplas classes de inseticidas de uma só vez tornam quase impossível controlar essas pragas apenas com produtos químicos.”

 
Matérias Relacionadas