Influência dos rivais geopolíticos dos EUA na América Latina apresenta riscos

Em uma reunião de imprensa em agosto a caminho do Brasil, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, enfatizou que esses tipos de relações econômicas podem colocar em risco a soberania de uma nação

Por Christina Armes, Especial para o Epoch Times

Análise de Notícias

Enquanto na Argentina para a cúpula do G-20 no início de dezembro, o líder chinês Xi Jinping assinou mais de 30 novos acordos comerciais com o presidente argentino Mauricio Macri, um sinal de que a China continua aumentando sua presença na América Latina.

Os rivais geopolíticos da América, China e Rússia – e agora o Irã – aumentaram os esforços nos últimos anos para ganhar influência na América Latina.

A Rússia de Vladimir Putin tem restabelecido firmemente o papel que já teve na região durante o período da união soviética através de parcerias militares e energéticas. As conversações da Rússia com Cuba para um empréstimo de US$ 50 milhões ao país comunista para compra de armas e bilhões em acordos de energia assinados com a Bolívia, Venezuela e Argentina são apenas alguns exemplos.

O Irã também ampliou seus laços com várias nações da região assinando vários acordos bilaterais apenas nos últimos meses.

No entanto, apesar da ameaça que essas duas forças geopolíticas representam para o interesse dos Estados Unidos, a China é a principal concorrente dos Estados Unidos na região, de acordo com Joseph Humire, presidente do Centro de Pesquisa para uma Sociedade Livre e Segura.

O presidente iraniano, Hassan Rouhani, cumprimenta seu colega venezuelano Nicolas Maduro e a primeira-dama da Venezuela, Cilia Flores, durante a Cúpula do Fórum de Países Exportadores de Gás (GECF) em Teerã em 23 de novembro de 2015 (Atta Kenare / AFP / Getty Images)

“Eles estabeleceram uma pegada econômica para nos desafiar em muitas áreas”, disse Humire. Em sua avaliação, muitos acadêmicos consideraram as incursões da China na América Latina significam que o gigante asiático está apenas agindo como qualquer outro concorrente econômico para os Estados Unidos e que a competição não é adversária. Mas a realidade é que a competição vai além dos negócios.

“Eles estão nos desafiando em áreas que são ameaças diretas consideráveis às nossas capacidades militares e alianças na região, incluindo espaço e ciberespaço”, disse Humire.

Um dos métodos que Pequim utiliza para manter o controle sobre os países em desenvolvimento é torná-los dependentes das práticas de empréstimo enganosamente generosas da China. Por exemplo, a Venezuela recebeu US$ 62 bilhões em ajuda ao longo da última década, com outros US$ 5 bilhões adicionados em setembro passado.

À medida que a indústria petrolífera da Venezuela continua sem dinheiro, o país deve ceder sua soberania à China, aumentando o acesso aos recursos naturais e à infra-estrutura crítica da Venezuela, além de depender ainda mais do dinheiro chinês. Esse foi o caso no Sri Lanka, onde o governo teve que entregar o controle de seu principal porto no sul depois de não ter pago US$ 6 bilhões em empréstimos concedidos como parte da iniciativa Um Cinturão, Uma Rota da China – a iniciativa de investimento maciço de Pequim em países em todas as partes o mundo.

Em uma reunião de imprensa em agosto a caminho do Brasil, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, enfatizou que esses tipos de relações econômicas podem colocar em risco a soberania de uma nação. “Há mais de uma maneira de perder a soberania neste mundo; não é apenas por baionetas. Também pode ser por países que chegam com presentes de grego e grandes empréstimos”, disse Mattis.

Além disso, esses presentes e empréstimos trazem consequências no caminho. Em uma avaliação do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais sobre a Venezuela, os pesquisadores Moises Rendon e Sarah Baumunk afirmam que esses “benefícios de curto prazo muitas vezes levam à dependência de longo prazo” da China.

Por exemplo, a China atualmente tem acordos de espaço exterior com Venezuela, Brasil e Argentina, que cobrem a colaboração em lançamentos de satélites de telecomunicações e uma estação espacial de propriedade chinesa.

Embora inocente à primeira vista, a China permanece intencionalmente não-transparente em relação às suas atividades relacionadas ao espaço. Além disso, a história da China de exportar tecnologia de uso duplo, que pode ser usada para fins civis e militares, implica que a tecnologia poderia potencialmente ser usada para fins sinistros.

O chanceler russo, Sergei Lavrov (R), recebe sua colega equatoriana, Maria Fernanda Espinosa, durante sua reunião em Moscou, em 16 de maio de 2018 (Yuri Kadobnov / AFP / Getty Images)

A China também se impôs no ciberespaço latino-americano em busca de uma “Rota da Seda digital”. Essa iniciativa seria um investimento em infraestrutura digital envolvendo inteligência artificial chinesa, computação quântica e perícia em nuvem, conforme relatado pela Axios.

Com a China investindo no setor de tecnologia na América Latina, toda a região serve como uma área na qual a China pode continuar a perseguir seu domínio no ciberespaço.

A Ameaça Coletiva

Enquanto a China é o maior concorrente a desafiar os Estados Unidos na América Latina, o Irã e a Rússia ainda representam sérias ameaças à segurança dos Estados Unidos.

Humire disse que esses três países têm um interesse comum na América Latina, medido pelo padrão de três quartos.

Segundo Humire, o padrão de três quartos é uma maneira de medir o envolvimento estrangeiro na América Latina. A China, a Rússia e o Irã operam em três quartos dos mesmos países: os créditos e empréstimos da China, as vendas de armas da Rússia e as relações bilaterais do Irã se sobrepõem em três quartos dos mesmos países.

“Por que esses três países estão colocando todas as suas fichas na mesma cesta? É um movimento estratégico.

Juntos, China, Rússia e Irã compartilham uma hostilidade anti-Estados Unidos canalizada através de medidas econômicas, militares e diplomáticas, bem como por meio de uma coesiva campanha de propaganda anti-Estados Unidos.

Na declaração de postura do Comando Sul dos Estados Unidos em 2018, o almirante Kurt Tidd enfatizou a ameaça que esses três países representam para os Estados Unidos na América Latina: “A cada avanço, ampliam o espaço competitivo para interferir em nossas relações de segurança e anulam nossa interoperabilidade com a região, prejudicando nossos esforços para reforçar as normas internacionais e mantendo nossos interesses em risco ”.

Reação nos Estados Unidos

A administração Trump empregou vários métodos para combater ameaças representadas por poderes geopolíticos na América Latina.

Em agosto, o Departamento de Tesouro dos Estados Unidos iniciou um programa chamado America Crece, ou America Grows. Essa parceria estimula o investimento dos Estados Unidos em energia e infraestrutura em toda a América Latina.

Além disso, os Estados Unidos estão utilizando sua influência econômica para sancionar países como a Venezuela, Cuba e, mais recentemente, a Nicarágua.

Além disso, os Estados Unidos buscam reconstruir sua confiança com as nações latino-americanas. Tidd disse que esta é a principal estratégia para continuar sendo o parceiro mais importante na região. “Todos os dias, analisamos quais são as coisas que podemos fazer para criar confiança onde talvez ela não exista, para sermos capazes de sustentar a confiança e, finalmente, podermos ter certeza de que não fazemos nada que comprometa essa confiança” ele disse.

 
Matérias Relacionadas