Inflação de alimentos pela guerra na Ucrânia é uma ‘grande preocupação’ para o mundo: governador do Banco da Inglaterra

"Isso terá um impacto na demanda doméstica e diminuirá a atividade, e temo que, aparentemente, aumentará o desemprego"

Por Alexander Zhang 

A possibilidade de novos aumentos nos preços dos alimentos é de “grande preocupação” para o Reino Unido e o mundo em desenvolvimento, alertou o governador do Banco da Inglaterra, o banco central do Reino Unido.

Diante do Comitê Seleto do Tesouro da Câmara dos Comuns em 16 de maio, Andrew Bailey disse que a invasão russa da Ucrânia resultou em um salto imprevisível na inflação, pois teve um grande impacto nos preços globais dos alimentos.

“O ministro das Finanças ucraniano disse que há comida guardada, mas eles não podem exportá-la”, disse Bailey aos parlamentares.

“Enquanto ele estava otimista sobre o plantio de culturas, como um grande fornecedor de trigo e óleo de cozinha, ele disse que não temos como despachá-lo e isso está piorando.”

Ele acrescentou: “É uma grande preocupação para este país e uma grande preocupação para o mundo em desenvolvimento. Desculpe por ser apocalíptico, mas isso é uma grande preocupação”.

Outro risco trazido pela guerra é “um novo choque no preço da energia, que viria do corte de gás e destilados, como produtos como o diesel”, disse o governador.

A taxa de inflação do Reino Unido estava em 7% em março, segundo o Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS). O Banco da Inglaterra disse que a inflação provavelmente atingirá um pico de 10,25% durante o último trimestre de 2022.

“O principal motor da inflação e o que a derruba é o grande choque da renda real que vem de forças externas e, particularmente, dos preços da energia e dos preços globais dos bens”, disse Bailey aos parlamentares.

“Isso terá um impacto na demanda doméstica e diminuirá a atividade, e temo que, aparentemente, aumentará o desemprego”, acrescentou.

Ele disse ao comitê que “estamos andando em um caminho muito estreito” entre o aumento da inflação e os riscos ao crescimento.

O Banco enfrentou críticas de que não agiu rápido o suficiente para conter a inflação crescente, mas Bailey disse aos parlamentares que não acredita que o banco central pudesse ter agido de maneira diferente.

Ele disse: “Houve uma série de choques de oferta e, mais recentemente, com o impacto da guerra”, que ele disse que ninguém poderia prever.

Os choques de oferta também vieram da China, disse ele, já que “mais uma etapa” da COVID-19 “parece estar afetando o país mais seriamente”.

O regime do Partido Comunista Chinês (PCCh) continuou a se ater à sua estratégia “zero-COVID” e impôs lockdowns draconianos em grandes cidades, incluindo Xangai, o motor econômico mais importante do país, causando graves interrupções nas redes globais de fornecimento.

A PA Media contribuiu para esta reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas