A indústria do alimento, do entretenimento e da obesidade

A obesidade infantil é um reflexo da forma da nossa sociedade ocidental, onde se privilegiam as atividades intelectuais (saudáveis ou não) em detrimento das atividades físicas, onde se estimula constantemente o consumo de bebidas e guloseimas cheias de açucar e fast-foods, e onde o entretenimento vazio (fútil) é a mola que impulsiona a hipnose coletiva.

Essa parece uma crítica amarga, mas apenas serve de alerta para as escolhas, direcionamentos e os rumos que viemos tomando enquanto sociedade globalizada e suas consequências contra o desenvolvimento saudável das pessoas.

O documentário Muito Além do Peso mostra a realidade das crianças brasileiras que enfrentam o problema da obesidade: a discriminação que sofrem, a vontade de emagrecer, a sedução por parte da indústria alimentícia etc. Mostra a falta de opção por alimentos saudáveis e por uma vida saudável, devido aos ambientes sociais serem transformados pelos estímulos da indústria alimentícia.

Mostra também realidades assustadoras, como, por exemplo, que 56% dos bebes brasileiros tomam refrigerantes frequentemente antes do primeiro ano de vida – sendo que os refrigerantes contêm uma grande quantidade de açucar, além de uma série de produtos químicos artificiais; coisas que fazem muito mal para a saúde e o desenvolvimento das crianças.

De acordo com os dados do documentário, 33,5% das crianças brasileiras sofrem de sobrepeso ou de obesidade, ou seja, 1/3 da população infantil tem sido transformada em potenciais doentes a caminho de doenças degenerativas que vêm minando a humanidade contemporânea. Nas palavras do médico endocrinologista,  Amélio F. de Godoy Matos, chefe do Serviço de Metabologia IEDE: “A obesidade está relacionada com as maiores pandemias modernas…com o diabetes, que é uma pandemia moderna, e ela é a causa maior do diabetes tipo 2. Ela está relacionada com as doenças vasculares, que é uma outra pandemia – é a maior causa de mortalidade do mundo atual, e ela vem da obesidade, do excesso de peso. Ela está relacionada com a depressão, ela está relacionada com o estresse; ela está relacionada com alguns tipos de câncer. As grandes pandemias modernas têm na sua base um excesso de peso.”

O mercado infantil multimilionário

No documentário pode-se constatar como as empresas que produzem alimentos destinados aos jovens e, especialmente, às crianças, investem pesado em estratégias comerciais para seduzir e cativar o público infanto-juvenil: elas obtêm lucros astronômicos a partir desse mercado e buscam sempre novas formas de cativar e estimular o consumo de seus produtos.

As crianças são tratadas como fontes de lucros perenes, para as quais se contrói um mundo especial baseado em formas e sabores extremamente sedutores: muitas grandes empresas alimentícias se especializam em criar esse mundo “doce”, agradável, hipnótico, que seduz e encarcera intencionalmente as crianças, tornando-as viciadas em seus produtos “encantados”. Uma das mães entrevistadas teve sua própria experiência nesse sentido trabalhando para o Mcdonald’s: “Eu trabalhei para o Mcdonald’s durante um ano e meio, fui gerente de projetos de TI, e eu deixei de trabalhar para eles, porque eu me sentia trabalhando para a indústria bélica, para a indústria de cigarros, isso tendo em casa uma consumidora [sua filha, Carol, de 8 anos]…Eu sentia que a Carol gostava tanto de ir no Mcdonald’s, tanto, por causa do brinquedo [brinquedos oferecidos em troca da compra de seus produtos]…É uma indústria que vive desse tipo de exploração, desse apelo para as crianças. Eu me sentia uma traficante, trabalhando com os vendedores de crack, tendo um viciado em casa…”

Leia também:

Quando medicina e indústria farmacêutica preferem doenças

Os perigos dos corantes artificiais

Podemos e devemos evitar o diabetes, especialmente educando as crianças

Um estrago gigante para a sociedade e os indivíduos

De fato, essa indústria do fast-food, das bebidas açucaradas viciantes e das guloseimas encantadas funciona contra a própria saúde social de diversas formas: desvia a atenção das crianças do que é essencial para o fútil; estimula o engano através da inversão de valores, excluindo os alimentos saudáveis e importantes e incentivando o consumo de alimentos de baixa qualidade nutricional; é responsável pelo excesso de peso das crianças e adolescentes e forma uma base negativa nas impressões psico-sensoriais das mesmas, tornando-as viciadas em alimentos saborosos e geralmente danosos à saúde, contribuindo assim para as pandemias de doenças degenerativas, como o diabetes, as doenças cardiovasculares, o câncer, e contribui igualmente  para estados psicológicos alterados, como a depressão, o estresse, a baixa auto-estima e outros.

O triste alerta que é dado no final do documentário é: de cada 5 crianças obesas, 4 permanecerão obesas quando crescerem… Quem se responsabilizará por elas? Quem se responsabilizará pela sua falta de saúde e pela sua infelicidade? Quem se responsabilizará pela sociedade problemática que estamos criando para o futuro?… Cabe a nós decidirmos se queremos esse futuro e se amamos nossas crianças a ponto de negarmos esse jogo e essse tipo de mentalidade doentia que se aproveita da inocência das crianças para enriquecer.

Veja o documentário Muito Além do Peso:

 

————-

Epoch Times

 

 

 
Matérias Relacionadas