Índice de aprovação de Donald Trump sobe para 46%

Uma pesquisa de monitoramento presidencial diário mostra que o índice de aprovação de Donald Trump cresceu e atingiu os 46%. O ranking, medido pelas pesquisas do instituto direitista Rasmussen, é o mais alto desde 17 de outubro, quando Trump também estava com 46%.

O aumento do índice de aprovação de Trump foi divulgado durante a turnê asiática de 12 dias de Trump pela Ásia. Durante sua viagem, Trump garantiu um amplo apoio para combater a ameaça nuclear da Coreia do Norte. Vários países, incluindo China, Vietnã, Filipinas, Coreia do Sul e Japão, juraram ajudar a enfrentar a crise.

Trump disse que os países do Indo-Pacífico se reuniram na APEC no Vietnã, que os Estados Unidos não permitirão a continuidade de grandes desequilíbrios comerciais. Trump disse que, enquanto os EUA abriram sua economia nas últimas décadas, outros países não o fizeram, em detrimento de empresas e trabalhadores americanos.

“Aderimos aos princípios da OMC em matéria de proteção da propriedade intelectual e garantia de acesso a um mercado equitativo. Eles se engajaram em dumping de produtos, bens subsidiados, manipulação de moeda e políticas industriais predatórias”, disse Trump em 10 de novembro.

Trump retuitou os resultados da pesquisa Rasmussen em 14 de novembro, chamando a companhia de pesquisa de intenções de voto de uma das mais precisas nas eleições presidenciais do ano passado.

A votação foi notoriamente mau acurada durante as eleições presidenciais de 2016. Quase todas as pesquisas previram a que a candidata democrata Hillary Clinton venceria as eleições.

Apenas uma importante pesquisa previu com precisão que o Trump ganharia as eleições, a pesquisa IBD/TIPP Tracking. Rasmussen veio em segundo lugar em uma lista de 11 pesquisas monitoradas pela Real Clear Politics.

Leia também:
Mercado de ações americano valoriza US$ 5,2 trilhões desde eleição de Trump
Crescimento econômico dos EUA atinge 3% apesar de dois furacões
Relatório da ONU: bombardeios de Trump a bases de Assad justificados
Ex-presidente americano Jimmy Carter defende Donald Trump
Produtor da CNN admite que narrativa Trump-Rússia é falsa

 
Matérias Relacionadas