Índia ultrapassa 18 milhões de casos de covid-19 após novo recorde de infecções

Por Agência EFE

A Índia ultrapassou 18 milhões de casos na última quinta-feira, após bater um novo recorde de infecções, ocupando o posto de maior número registrado no mundo até agora, depois de alcançar quase 380 mil infecções, além de registrar uma nova máxima com mais de 3.600 mortes em um dia.

O país asiático registrou 379.257 novas infecções nas últimas 24 horas, elevando o total para 18,3 milhões e mantendo-se como a segunda nação mais afetada pela pandemia atrás apenas dos Estados Unidos, informou o Ministério da Saúde da Índia.

Além disso, o número diário de mortes cresceu para 3.645, nova máxima na segunda onda da pandemia no país, que com um total de 204.832 mortes, coloca a Índia como a quarta nação com mais mortes, atrás apenas dos Estados Unidos, Brasil e México.

Um paciente com COVID-19 é transferido para uma enfermaria após ser internado no hospital GTB em Nova Delhi, Índia, em 29 de abril de 2021. (Prakash Singh / AFP via Getty Images)

O dramático aumento de casos mantém a Índia no epicentro da pandemia global, concentrando quase 40% dos diagnósticos positivos para covid-19 que são registrados diariamente no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Por sua vez, Nova Delhi, uma das cidades mais afetadas pela virulência da pandemia, experimentou uma ligeira redução no número de mortos, que registrou um total de 368 em um único dia, enquanto o número de infecções continuou aumentando, com 25.986 positivos.

O rápido avanço do covid-19 na nação asiática causou em questão de semanas uma crise de oxigênio nos hospitais para tratar pacientes graves de covid-19 que despertou o compromisso internacional de enviar suprimentos médicos.

Nesse sentido, os Estados Unidos anunciaram há poucas horas o envio de uma remessa de suprimentos médicos de mais de 100 milhões de dólares para ajudar no combate ao aumento de casos no país.

“Estamos comprometidos em usar todos os recursos à nossa disposição, dentro de nossa autoridade, para apoiar os profissionais de saúde nas linhas de frente da Índia”, enfatizou o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin.

 
Matérias Relacionadas