Índia e China concordam em resolver tensão fronteiriça com diálogo

Por Agência EFE

Nova Delhi indicou no sábado que Índia e China concordaram com a necessidade de resolver a tensão na fronteira por meio do diálogo e da desaceleração militar, um dia após os ministros da Defesa de ambos os países se reunirem em Moscou.

O oficial de defesa indiano Rajnath Singh manteve uma reunião de mais de duas horas com seu homólogo chinês, Wei Fenghe, na sexta-feira, paralelamente à cúpula da Organização de Cooperação de Xangai (SCO), depois que seus países trocaram novas acusações cruzadas sobre “provocações” na fronteira.

Desescalonamento e diálogo

Wei afirmou durante o encontro, de acordo com um comunicado do Ministério da Defesa da Índia, que ambas as partes devem “trabalhar juntas para reduzir a situação o mais rapidamente possível e manter a paz nas áreas de fronteira” e apelou à “resolução dos problemas através de diálogo”.

Mensagem semelhante à defendida por Singh, que afirmou que a tranquilidade na fronteira é “essencial para o desenvolvimento das nossas relações bilaterais” e que se fixou dizendo que “ambos os lados não devem permitir que as diferenças se transformem em litígios”.

Índia acusa China de comportamento agressivo

Além dos apelos para respeitar o processo de desaceleração, Nova Delhi também destacou a condenação de Singh ao “comportamento agressivo” do Exército chinês.

O ministro da Defesa indiano “destacou as ações das tropas chinesas, incluindo a concentração de um grande número de soldados, seu comportamento agressivo e suas tentativas de alterar unilateralmente o status quo”.

A Índia acusou na segunda-feira o Exército chinês de novas “provocações” na chamada linha real de controle (LAC), a fronteira de fato entre os dois países, apesar das tentativas de realizar uma desaceleração militar após uma série de supostas violações.

Nova Delhi também bloqueou 118 aplicativos móveis esta semana, a maioria deles chineses, entre os quais está o popular jogo Player Unknown’s Battlegrounds (PUBG).

A China, por sua vez, negou as acusações e garantiu que as tropas indianas “cruzaram a fronteira ilegalmente”, pelo que exigiu sua retirada imediata.

Pior conflito em quatro décadas

Esses novos atritos entre as potências nucleares ocorrem após o confronto na fronteira de 15 de junho no Vale de Galwan, no oeste do Himalaia, o pior incidente desse tipo em 45 anos, no qual pelo menos 20 soldados indianos foram mortos e 76 ficaram feridos.

A China não registrou vítimas.

O encontro entre Singh e Fenghe é o primeiro deste nível desde este novo surto de tensões, que ontem foi descrito pelo ministro das Relações Exteriores da Índia, Harsh Vardhan Shringla, como o pior desde a guerra de 1962.

“É um dos desafios mais sérios que enfrentamos nos últimos anos, com vítimas na fronteira pela primeira vez em mais de 40 anos”, disse Shringla durante uma intervenção em um evento organizado por um think tank.

Resgate de cidadãos chineses

As tensões bilaterais não impediram o exército indiano de “dar uma mão” na quinta-feira a três cidadãos chineses perdidos no planalto de Sikkim, o estado ao norte da fronteira com a China que testemunhou um conflito militar entre os dois países em maio passado.

O Ministério da Defesa disse hoje que os militares indianos “perceberam que as vidas dos cidadãos chineses estão em perigo” e indicaram a rota após fornecer-lhes assistência médica e alimentação.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
 
 
Matérias Relacionadas