Incêndio no Chile segue sem controle e país pede apoio à Argentina

O Chile pediu aeronaves à vizinha Argentina para combater o incêndio que, desde sábado (12), se alastra pela cidade portuária de Valparaíso – a 140 quilômetros da capital, Santiago. O fogo já queimou 850 hectares – cada hectare corresponde a um campo de futebol – e 2 mil casas, além de matar 12 pessoas e afetar outras 8 mil, que foram retiradas do local. A presidenta chilena, Michelle Bachelet, prometeu nesta segunda-feira (14) organizar “a maior operação aérea” para enfrentar “um incêndio de proporções jamais vistas”.

Esta é a segunda catástrofe que Michelle enfrenta, desde que assumiu o segundo mandato presidencial no último dia 11 de março. O primeiro foi um forte terremoto, no norte do Chile, no último dia 1º de abril. Quando Bachelet estava por terminar seu primeiro mandato presidencial, em 2010, o país foi surpreendido por um dos piores terremotos da história recente, seguido por um tsunami.

Por causa do incêndio, Michelle cancelou o encontro com a presidenta argentina, Cristina Kirchner, em Buenos Aires, programada para amanhã (15). Essa seria sua primeira viagem ao exterior desde que assumiu a presidência chilena. Além de ser sede do Congresso chileno, Valparaíso (que fica ao lado do balneário de Viña del Mar) é um dos maiores pontos turísticos do país: a cidade colonial foi declarada em 2003 Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

O incêndio começou nos morros que rodeiam o porto e se alastrou rapidamente. Por causa do vento, que continua espalhando as chamas, os cerca de 1.200 bombeiros ainda não tinham conseguido domar completamente o incêndio até esta tarde. O papa Francisco enviou uma carta de apoio aos moradores de Valparaíso, que hoje temiam os efeitos das nuvens tóxicas provocadas pelo fogo.

Esse conteúdo foi originalmente publicado no Portal EBC

 
Matérias Relacionadas