Inadimplência da Evergrande pode abalar toda economia chinesa

Colapso da Evergrande poder causar turbulência econômica generalizada e até mesmo distúrbios civis

Por Antonio Graceffo

A dívida pública da China já é de 270% do PIB, e os empréstimos inadimplentes atingiram US$ 466,9 bilhões. Além dos desafios econômicos existentes, o gigante imobiliário Evergrande Group sinalizou que pode ficar inadimplente nos pagamentos devidos aos credores.

O segundo maior desenvolvedor da China está enfrentando uma crise de liquidez, já que sua negociação de títulos onshore foi suspensa. Sem acesso a financiamento, a Evergrande descobrirá que é impossível pagar os fornecedores, concluir projetos ou aumentar a receita, tornando mais provável a inadimplência – uma eventualidade que pode causar ondas por toda a economia chinesa.

A Evergrande faturou US$ 110 bilhões em vendas no ano passado e tem US$ 355 bilhões em ativos. Em junho,  ela deixou de pagar alguns papéis comerciais e o governo congelou uma conta bancária de US$ 20 milhões. A empresa agora deve um passivo total de US$ 305 bilhões , o que a torna a incorporadora imobiliária mais endividada do mundo. A empresa é também o maior emissor de junk bonds em dólar da Ásia. A Evergrande deve dinheiro a 128 bancos e mais de 121 instituições não bancárias. Consequentemente, o preço das ações da empresa caiu 90% nos últimos 14 meses, enquanto seus títulos eram negociados a 60 a 70% abaixo do valor nominal.

A Evergrande responde por 4% do total da dívida de alto rendimento do setor imobiliário chinês. A dívida da empresa é tão significativa que pode representar um risco sistêmico para o sistema bancário da China. Pagamentos atrasados ​​ou inadimplentes pela Evergrande podem causar uma reação em cadeia de inadimplência entre as instituições. Uma liquidação da Evergrande poderia derrubar os preços, derrubando desenvolvedores superalavancados. As autoridades temem que isso ameace desestabilizar todo o setor imobiliário, que representa cerca de 30% da economia chinesa.

Além disso, a Evergrande tem implicações para o mercado de trabalho. A empresa emprega 200.000 pessoas regularmente e 3,8 milhões por ano com base em projetos. Após 18 meses de bloqueios esporádicos perante a COVID-19, a China precisa de mais, e não menos, empregos.
Pessoas se reúnem para exigir o pagamento de empréstimos e produtos financeiros na sede da Evergrande, em Shenzhen, província de Guangdong, China, em 13 de setembro de 2021 (David Kirton / Reuters)

A Evergrande não conseguirá cumprir os principais pagamentos e juros devidos na próxima semana.

O Banco Popular da China e a Comissão Reguladora de Bancos e Seguros da China alertaram os executivos de Evergrande para reduzir os riscos de sua dívida. Pequim instruiu as autoridades na província de Guangdong a coordenar com os compradores potenciais dos ativos da Evergrande. Enquanto isso, os reguladores assinaram uma proposta para permitir que a Evergrande renegocie os prazos de pagamento, o que garantiria uma suspensão temporária.

A Evergrande não é o único problema no mercado de dívida da China. No meio do ano, a inadimplência chinesa em terra e no mar já totalizava mais de US$ 25 bilhões, quase o mesmo valor de todo o ano anterior. As imobiliárias foram responsáveis ​​por cerca de 30% dessas inadimplências. Alguns dos maiores culpados foram o China Fortune Land Development e o Sichuan Languang Development.

Além disso, os setores de transporte, turismo e varejo foram atingidos de forma particularmente dura pelos bloqueios da pandemia, aumentando a inadimplência nesses setores. Algumas empresas estatais também sofreram inadimplência, como o Yongcheng Coal & Electricity Holding Group e o Tsinghua Unigroup. Além disso, a China Huarong Asset Management, uma empresa majoritariamente estatal, não divulgou seus resultados de 2020 dentro do prazo. Entre a empresa principal e suas subsidiárias, Huarong tinha $ 39 bilhões de dívidas pendentes, eventualmente registrando um prejuízo de $ 15,9 bilhões em 2020.

Nos últimos anos, a dívida corporativa da China em relação ao PIB tem aumentado constantemente. Em 2017, ela atingiu um recorde de 160%, ante 101% 10 anos antes. O líder chinês Xi Jinping tornou uma prioridade controlar a dívida, especialmente no setor bancário paralelo de US$ 10 trilhões da China. Os veículos de financiamento do governo local (LGFV) deixaram de pagar muitos empréstimos fiduciários do sistema bancário paralelo, mas não de títulos públicos. Neste ano ocorreram 915 milhões de LGFV inadimplentes. Essa chamada dívida oculta dos governos locais tornou-se tão difundida que Pequim a identificou como um problema de segurança nacional.

A confiança dos investidores foi abalada, pois tanto as empresas privadas como as estatais, antes consideradas investimentos seguros, estão inadimplentes. O perigo é que os investidores, temendo o contágio, entrem em pânico e comecem a vender dívidas boas e ruins, derrubando o mercado.

Um colapso completo de Evergrande poderia causar turbulência econômica generalizada e até mesmo distúrbios civis. O futuro de Evergrande e da economia chinesa depende de se as autoridades centrais permitirão que Evergrande entre em inadimplência, deixando seus credores lisos, ou se o Partido Comunista Chinês intervirá para manter a estabilidade.

As visões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas