Imunidade natural é superior à vacinação contra variante Delta, afirma estudo

Especialistas estão divididos sobre se os naturalmente imunes devem receber uma vacina

Por Zachary Stieber 

A proteção contra a COVID-19 proveniente de infecção anterior foi melhor do que a proteção das vacinas contra a variante Delta do vírus, de acordo com um novo estudo publicado pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Os pesquisadores analisaram registros de saúde da Califórnia e Nova Iorque que foram inseridos entre 30 de maio e 20 de novembro de 2021. Eles separaram os pacientes com a COVID-19 em quatro grupos: não vacinados sem diagnóstico anterior da COVID-19, não vacinados com uma infecção anterior pela COVID-19, vacinados sem infecção prévia pela COVID-19 e vacinados com infecção prévia pela COVID-19.

Aqueles que não receberam a vacina contra a COVID-19, mas foram infectados anteriormente com a doença, eram muito menos propensos a testar positivo para a COVID-19 quando comparados a pessoas vacinadas que não contraíram a COVID-19, de acordo com o estudo publicado quarta-feira no Relatório Semanal de Morbidade e Mortalidade do CDC.

As pessoas que não receberam uma vacina, mas tiveram uma infecção anterior, também conhecida como imunidade natural, também eram menos propensas a serem hospitalizadas do que as vacinadas sem imunidade natural, de acordo com registros de hospitalização da Califórnia.

Os não vacinados sem infecção prévia eram de longe os mais propensos a contrair a COVID-19 e necessitar de cuidados hospitalares, segundo o estudo.

“Esses resultados sugerem que a vacinação protege contra a COVID-19 e hospitalização relacionada e que sobreviver a uma infecção anterior protege contra uma reinfecção. É importante ressaltar que a proteção derivada da infecção foi maior após a variante Delta, altamente transmissível, tornar-se predominante, coincidindo com o declínio precoce da imunidade induzida pela vacina em muitas pessoas”, escreveram pesquisadores, incluindo Tomás Leon, do Departamento de Saúde Pública da Califórnia.

Como o período estudado só foi até o final de novembro, são necessárias mais pesquisas para examinar se a vacinação e a infecção anterior também protegem contra a variante Ômicron, que se tornou dominante nos Estados Unidos no mês passado, declararam os pesquisadores.

Eles também incentivaram as pessoas a se vacinarem mesmo que tenham imunidade natural, apontando para a constatação de que os vacinados com infecção prévia foram os mais protegidos contra infecção e hospitalização, segundo os registros de saúde.

Os especialistas estão divididos sobre se os naturalmente imunes devem receber uma injeção, com alguns observando estudos que indicam que a proteção aumenta, mas outros destacando como a elevação é, em muitos casos, mínima e apontando para outras pesquisas que sugerem que os efeitos colaterais são mais prováveis ​​entre naturalmente imunes que recebem uma vacina.

As limitações do relatório incluem o potencial de viés relacionado a fatores de confusão não medidos e a análise que não inclui informações sobre a gravidade da infecção.

O Dr. Jeffrey Klausner, professor clínico de medicina da Keck School of Medicine da University of Southern California que não esteve envolvido no estudo, afirmou ao Epoch Times em um e-mail que as descobertas “apóiam fortemente a necessidade de atualizar nossa política de vacinação , requisitos de trabalho e escola”, com aqueles que podem demonstrar que possuem imunidade natural tendo acesso igual àqueles que são vacinados.

“A vacinação é um caminho muito, muito mais seguro para a imunidade do que ser infectado, mas em uma pessoa saudável que se recuperou, eles devem ter confiança de que [têm] proteção contra doenças graves, hospitalização e morte”, acrescentou.

O Relatório Semanal de Morbidade e Mortalidade é uma publicação semanal do CDC. A maioria dos estudos não é revisada por pares, mas os artigos são revisados ​​por funcionários do CDC antes de serem publicados e o conteúdo, no momento em que é publicado, “constitui a voz oficial” do CDC, afirma a agência (pdf).

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas