Impeachments presidenciais varrem a América do Sul

Desde 1979, um em cada seis presidentes sul-americanos não conseguiu completar seu mandato constitucional

Por Autumn Spredemann

O Congresso do Peru apresentou uma proposta para o impeachment do presidente Pedro Castillo em 25 de novembro, pela qual sua rival política, Keiko Fujimori, e seu partido Força Popular apoiaram.

O governo de Castillo tem sido atormentado por escândalos e acusações de corrupção desde que assumiu o cargo, neste verão.

A proposta de impeachment do dia 25 de novembro coloca o Peru como a terceira nação sul-americana, desde outubro, a considerar a remoção de seu presidente.

O presidente do Chile, Sebastian Pinera, enfrentou impeachment pela câmara baixa do legislativo do país em 9 de novembro, devido ao seu envolvimento em uma aquisição questionável exposta na investigação Pandora Papers.

A proposta não foi aprovada no Senado devido à falta de votos da oposição, em 16 de novembro.

No Equador, o presidente Guillermo Lasso, enfrentou uma investigação do Congresso por sonegação de impostos, também revelada nos Pandora Papers. O ex-candidato presidencial do Correismo, Andres Arauz, pediu a renúncia de Lasso do cargo, em 7 de outubro.

Nenhum dos lados ficou feliz com Pinera

“As pessoas estavam insatisfeitas com Pinera devido à agitação social de 2019”, relatou o analista político da América do Sul e professor da Universidade Patricio Navia de Nova Iorque ao Epoch Times.

Protestos e distúrbios generalizados eclodiram no Chile, em outubro de 2019, devido ao anúncio de aumento nas taxas do transporte público.

Tanto conservadores quanto liberais ficaram insatisfeitos com a forma como Pinera lidou com a resposta do governo aos protestos.

Em resposta à redução nas taxas de aprovação após os protestos de 2019, Pinera declarou: “Eu entendo que os chilenos não estão felizes com o que aconteceu, eu também não estou feliz”.

Os conservadores sentiram que a resposta do presidente não foi eficaz e os liberais condenaram o uso excessivo da força pela polícia contra manifestantes desarmados.

Em setembro deste ano, o índice de aprovação de Pinera caiu para 26 por cento devido a expectativas não atendidas dos eleitores e políticas ineficazes.

“Os Pandora Papers foram apenas uma desculpa [para o impeachment]”, afirmou Navia.

O desastre pandêmico do Peru

O Peru tem a distinta maior taxa de mortalidade per capita pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) do mundo, o que contribui para o caos em torno do impeachment de Castillo.

O descontentamento geral com a forma como o Estado respondeu à pandemia, combinado com a lenta recuperação econômica e o uso governamental da vacina chinesa com menor eficácia, a Sinopharm, lançou uma sombra sobre o novo presidente.

O vírus do PCC, comumente conhecido como o novo coronavírus, é o patógeno que causa a COVID-19.

Entre as razões oficiais listadas pelo Congresso como base para a remoção de Castillo estão: o uso ilegal de fundos públicos por membros do partido Peru Libre e a nomeação pelo presidente de funcionários atualmente sob investigação por suspeitas de ligações com o terrorismo.

Paralelos entre Equador e Peru

Uma semelhança compartilhada entre Lasso e Castillo é que eles representam a saída do legado de um predecessor estigmatizado.

No caso do Equador, Lasso é o primeiro líder de direita em 14 anos e é emblemático ao afastamento da corrupção e aos escândalos do ex-presidente socialista democrático, Rafael Correa.

Correa foi condenado a oito anos de prisão por um escândalo de suborno em setembro de 2020.

No Peru, Castillo era o único candidato favorito, além de Keiko Fujimori, filha do polêmico ex-presidente Alberto Fujimori, acusado de crimes contra a humanidade durante sua gestão e atualmente cumpre pena de 25 anos de prisão.

Essa mentalidade entre os eleitores cria o que Navia chama de “efeito rebote”.

Ele destacou que escolher os candidatos presidenciais de uma perspectiva do “menor dos males” não estabelece uma base para a estabilidade em qualquer nação.

Minando valores democráticos

Além de ser um declarado marxista-leninista, o primeiro discurso de Castillo como presidente, em julho, singularmente abordou um punhado de comunidades indígenas, deixando alguns peruanos com a impressão de que ele tinha pouco interesse em representar a nação como um todo.

Isso promoveu o tom para o que culminou em seu impeachment.

O professor de ciências políticas chileno, Christopher Martinez, afirmou, paradoxalmente, que as falhas presidenciais ocorrem quando os líderes são destituídos à força.

Navia ecoa esse sentimento e acredita que impeachments e protestos minam a lógica dos valores democráticos básicos, afirmando que são apenas uma forma de contornar as urnas.

“Os valores e instituições democráticas devem ser respeitados”, afirmou Navia.

Um denominador comum: desigualdade

O analista político peruano, Alberto Adrianzen, explicou que sua nação não é apenas dividida pela política, mas também pela segregação e pela desigualdade.

A solução do século 20 para esse problema na América Latina foi a distribuição de terras. Por meio desse método, os desfavorecidos economicamente tiveram a chance de se tornarem parte da classe média.

Hoje, a reforma educacional parece ser o equivalente moderno e foi chamada de “equalizador social” pelo Instituto Nacional de Avaliação da Educação do México.

Desigualdade e instabilidade na política latino-americana andam de mãos dadas, muitas das quais decorrem de questões de confiança em curso entre a população civil e seus governos, de acordo com um estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Martinez observou que, desde 1979, um em cada seis presidentes sul-americanos não conseguiu completar seu mandato constitucional.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas