Publicado em - Atualizado em 09/05/2017 às 14:46

Imigrantes explodem bomba em protesto contra Lei de Migração

Sírio e libanês foram presos em flagrante em "atentado terrorista", caracterizaram policiais

SÃO PAULO ─ Um imigrante sírio e um descendente de libaneses, além de dois brasileiros, foram presos em flagrante na Avenida Paulista na noite desta terça-feira (2) por atacarem manifestantes que protestavam pacificamente contra o projeto da Lei de Migração. Por volta de 20h30, na altura da Estação Consolação de metrô, uma bomba caseira foi lançada no meio das pessoas ─ uma delas teve a perna queimada e outra ficou gravemente ferida com a explosão. Em seguida, cerca de 15 agressores partiram para cima dos manifestantes, deixando pelo menos outros sete feridos, sendo um idoso e duas mulheres. Um policial militar também foi agredido, informou a Polícia Civil.

Ao ataque sucedeu-se uma correria, mas policiais militares interviram rapidamente, utilizando bombas de efeito moral e imobilizando e detendo seis pessoas sob aplausos dos manifestantes, que bradavam “Viva a PM”! Outros conseguiram fugir. Com exceção do sírio, que foi conduzido a um pronto-socorro, os detidos foram levados para o 78º Distrito Policial, em Jardins, onde dois deles foram averiguados e liberados. Também na unidade, as vítimas passaram por exame de corpo de delito.

Um dos presos é o comerciante de origem libanesa Hasan Abdul Hamid Zarif Hasan, 43 anos, líder do movimento Palestina para Todos — vinculado a organizações comunistas —  e dono do bar Al Janiah, um reduto muçulmano na localidade Bexiga, no centro de São Paulo. Os outros três são o “refugiado” sírio Nour El Deen Alsayyd, caixa do referido bar, 22 anos, e os brasileiros Roberto Antônio Gomes de Freitas, 18, e Nikolas Ereno Silva, 22, autônomos. Com eles, foram apreendidos uma segunda bomba, impedida a tempo de ser detonada, e armas como facas, um martelo de ferro e um soco inglês. Eles responderão por 12 crimes, dentre eles explosão, lesão corporal, associação criminosa e resistência, conforme o boletim de ocorrência, disponibilizado pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo.

Nos registros dos agentes de segurança, que também citam um vídeo que capturou o arremesso da granada caseira apresentado pela advogada das vítimas, Hasan Abdul Zarif é apontado como o autor do arremesso do explosivo e Nour Alsayyd como quem o acendeu e também quem acertou depois um golpe de jiu jitsu num dos PMs. Nour está no país há apenas dois meses e necessitou do auxílio de um tradutor para o idioma português. Os dois autônomos foram flagrados espancando manifestantes, incluindo mulheres, com socos e chutes. Ainda conforme os registros, apoiados em imagens e oitivas, a emboscada e os crimes foram premeditados. De acordo com policiais no local, os materiais e elementos reunidos caracterizam o ataque como um ato de terrorismo.

Manifestantes protestaram pacificamente na Paulista, ainda em frente à Gazeta, contra o projeto da nova Lei de Migração (Daniel Borges, para Epoch Times)

Manifestantes protestaram pacificamente na Paulista, ainda em frente à Gazeta, contra o projeto da nova Lei de Migração (Daniel Borges, para Epoch Times)

Prontamente, fizeram-se presentes no distrito policial 20 advogados de defesa dos indiciados — que admitiram se conhecerem anteriormente mas alegaram que apenas se defenderam, apesar de não apresentarem lesões e/ou não saberem apontar os supostos agressores — e um representante da Comissão de Prerrogativas da OAB teve de ser convocado para auxiliar na interlocução. Eles serão encaminhados para audiência de custódia no Fórum Criminal da Barra Funda enquanto Nour Alsayyd à uma unidade da Polícia Federal.

Durante os registros da ocorrência, agentes do Grupo de Operações Especiais (GOE) e do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (GARRA) também tiveram de ser acionados diante de uma agitação súbita na porta do DP de cerca de 50 militantes da “causa palestina” e do PSOL, que, aos gritos de “fascistas”, tentaram invadir o distrito, intimidando as vítimas e exigindo a liberação dos detidos.

Membro da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de São Paulo, a vereadora Sâmia Bomfim (PSOL) tentou intervir pela manhã em favor dos criminosos e co-articulou militantes para exercerem pressão na delegacia e no fórum. Num vídeo gravado na porta do distrito e divulgado nas mídias sociais, a socialista não manifesta interesse algum pelos direitos humanos das vítimas. Em vez disso, se mostra incomodada diante da ausência de flagrante contra as vítimas.

Um dos agredidos, o advogado criminalista Everton Sobário, disse que só não apanhou mais porque foi defendido pelos colegas. Ele estava discursando quando a bomba estourou.

“Só quando ouvimos a explosão é que fomos perceber a ofensiva. Cerca de 20 gângsters, com soco inglês e pedaços de ferro, foram para cima do movimento. Eles agrediram mulheres, idosos, menores de idade e trabalhadores, como eu e outros, que estamos aqui prestando queixa”, descreveu, exibindo as marcas dos socos que sofreu no rosto, o ferimento na boca e a lesão na perna por ter sido empurrado ao chão.

Leia mais:
Economia da imigração
O nascimento do terrorismo
Manifestações reúnem 3,7 milhões em toda França contra o terrorismo
Praticantes do Falun Gong são agredidos por chineses em Brasília

“Eu estou indignado, nós estávamos num ato pacífico contra a Lei de Migração. Eu, brasileiro, fui agredido no meu próprio país por estar defendendo a minha nação. Aqui no DP, soube que um dos agressores é estrangeiro islâmico de origem árabe que nem português fala.”

E apelou ao presidente Michel Temer. “Presidente Temer, vete agora (o projeto da nova Lei de Migração), o Brasil não aguenta mais ver brasileiros sendo agredidos dentro da nossa própria nação. Mais do que nunca, vou às ruas, porque eu fui agredido como brasileiro dentro do meu país, e não aceito isso!”

Dois dos cinco estrangeiros detidos na Paulista por agressão em protesto contra a Lei de Migração e à polícia e por porte de armas (Daniel Borges, para Epoch Times)

Dois estrangeiros detidos em flagrante na Avenida Paulista por explosão, lesão corporal e associação criminosa (Daniel Borges, para Epoch Times)

Sobário criticou também a ausência da mídia brasileira tradicional. “Era para a Veja, Estadão, Folha de SP estarem todos aqui (no DP). Não tem nenhum (veículo). Por quê? Porque isso não interessa para eles”, manifestou.

E retomou. “Você quer discutir? Você quer discordar do que eu penso? Discorde, mas discorde e venha “brigar” comigo no campo de ideias, não no campo das agressões”, desabafou.

O advogado informou que esta é a segunda vez que foi hostilizado por indivíduos raivosos. A primeira, segundo ele, foi na primeira versão do protesto, realizada semana passada, quando, conta, sofreu ameaças e foi encurralado “por três meliantes” avantajados.

“Mais do que nunca, nós estamos aqui firmes e fortes e vamos continuar nessa luta”, encerrou.

Leia mais:
Banco da China é julgado por cumplicidade com terrorismo
Instrutor de surf se engaja na luta contra grupo terrorista ISIS
Diplomata chinês preso na Argentina ao tentar impedir protesto
Como na China, ISIS realiza extração forçada de órgãos de prisioneiros

Organizado pelo movimento Direita São Paulo e com adesão do movimento Juntos pelo Brasil e de cidadãos diversos, o protesto teve início às 19h com a concentração de cerca de 100 pessoas em frente ao prédio da TV Gazeta, também na Avenida Paulista, na região central de São Paulo.

Aproximadamente às 19h20, portando cartazes onde se lia “Soberania não se negocia, Brasil em primeiro lugar! #VetaTemer”, os manifestantes marcharam pacificamente até o edifício do gabinete da Presidência da República, onde pediam o veto do presidente Temer, quando, cerca de 20h30, o artefato explosivo foi lançado, seguido do ataque de força bruta.

Por volta das 20h40, a manifestação já havia se dispersado. O cientista político e co-fundador do Movimento Liberal Acorda Brasil Luiz Philippe de Orleans e Bragança também participou do ato e acompanhou as vítimas no DP.

Proposto em 2015 pelo atual ministro das Relações Exteriores e então senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), o texto da nova Lei de Migração aguarda a sanção ou o veto do presidente Michel Temer. Os manifestantes lembraram o passado terrorista de Nunes, que atuou durante o regime militar como motorista de Carlos Marighela, comandante do grupo terrorista Ação Libertadora Nacional.

Esta foi a segunda marcha contra o projeto legislativo. A primeira reuniu cerca de 200 pessoas, segundo os organizadores, no dia 25 de abril passado e percorreu o mesmo trajeto, tendo sido precedida de atos em frente às residências paulistanas de Nunes e de Temer. Também na semana passada, trinta movimentos civis encaminharam uma carta a Michel Temer instando-o a vetar a nova proposta legislativa.

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
  • Nem uma palavra da imprensa! Nem um pronunciamento no parlamento! Nada! Brasileiros sofrem um atentado terrorista estrangeiro à bomba, são atacados com martelo e barras de ferro e ninguém toma providências. Digo, a nossa ilustríssima OAB atuou…em defesa dos terroristas estrangeiros islâmico! !! O Brasil é mesmo surreal…

  • karol

    Esses lixos estão en todo lado na minha avenida fora lixos do meu país a avenida que nasci e amo

  • Rosa Mattos

    E os terroristas e seus amigos, ainda ousam dizer que armaram contra eles…Caras de pau! a policia teve acesso a esse video?

  • Ivaldo

    Na minha percepcao, nenhuma comunidade estrangeira se estabeleceu no Brasil gerando conflitos com nativos. Ao contrario, as pessoas que venho conhecendo, tanto da imigracao japonesa, italiana e alema, sao pessoas de grande producao e trabalho, honradez e cidadania. Pelo visto, segundo as informacoes e pelo que ocorre na Europa, os imigrantes muculmanos estao se prestando a servicos partidarios perigosos, expondo-se a uma rejeicao sem volta.

    • Rosa Mattos

      Exatamente.Os imigrantes e refugiados de outrora,incluo aí os letos,poloneses,judeus e até libaneses que vieram na época da guerra no Libano,ajudaram a construir nosso país,enquanto tambem tinham sucesso em suas empresas e plantações.Nos ensinaram e aprenderam conosco.Assimilaram nossa cultura,dentro do que lhes era normal.Mas não vieram fazer de nossa terra,passagem para fazer terror em outros países,traficar drogas,ou unirem-se a esquerda cega e praticar terror aqui.

  • JJ

    Meus amigos, desculpe pelo mau portugues.

    Esse Eric C, Anderson e um muculmano, fingindo que nao e muculmano. Muculmanos sempre faz isto em todo mundo. Eles sao conquistando no todo mundo e mudando suas culturas e colocando islam.

    POR FAVOR APRENDE DE O QUE ELES FAZEM NA EUROPE AND VAI ENTENDER QUE SE VC QUISER SALVAR BRASIL POR FAVOR NAO DEIXA MUCULMANOS ENTRAR NO BRASIL!!

  • Paulo Paulão UlShua

    tomara que isso não tenha dedo do PSDB, porque seus pms agiram muito rápido….tinha que fazer protesto para tirar os estrangeniros do governo, pra comecar do sirio… e todos os filhos de estrangeiraos que dominam esse país na idéia de Napoleão

  • Rose

    Parabéns por mostrar a verdade, dando um banho de profissionalismo nas mídias famosinhas!

    • O Entendedor Anônimo

      Acabei de conhecer o site e gostei. Realmente é quase impossível ler alguma verdade na mídia, principalmente em sites como G1, Uol, Terra e demais que só omitem informações.

  • Pedrão de Cunha

    NESSES 1400 ANOS DE ISLÃ, ELES ASSASSINARAM 250 MILHÕES DE INOCENTES, ESTUPRARAM E ESCRAVIZARAM POR SÉCULOS! ONDE O ISLÃ VAI, O TERRORISMO VAI ATRÁS, PESQUISEM…
    A SOLUÇÃO É SERMOS PIORES QUE ELES, ELES SÓ ENTENDEM ASSIM, ESSA É A SUA LINGUAGEM.

    • jn

      Meus amigos, desculpe pelo mau português. Isso é traduzido –

      Eu tenho um aviso sério para vocês, amigos –

      Como você deve estar ciente, os muçulmanos estão causando estragos em todo o mundo. Nós sempre ouvimos ataques terroristas por muçulmanos em todo o mundo.

      O que devemos entender é que a ameaça islâmica não é apenas violenta, mas é principalmente cultural.

      Se os muçulmanos vierem para o Brasil e continuarem multiplicando, vão transformar a cultura do Brasil, como estão fazendo agora na Europa. O que significa que, quando os muçulmanos assumirem o controle, seu brasil seria assim –

      Sem pubs
      -Não há discotecas
      – Sem maconha
      – Sem saias
      – Sem biquínis
      – Sem pornografia
      – Sem nudez
      – Sem praias de nudismo
      – Sem sexo, exceto após o casamento
      – Nenhum sexo homossexual
      – Não bares gays
      – Sem drogas recreativas
      – Sem inter-mistura de homens e mulheres
      – Sem festas, encontros sociais onde homens e mulheres se reúnem
      – Sem álcool – Sem cerveja, sem uísque, sem rum, sem vodka
      – Sem carne de porco
      – Sem bacon
      – Não sexting
      – Sem filmes, a não ser que tenham um tema islâmico ou uma agenda pró-islâmica
      – Sem blasfémia
      – Sem namoradas, namorados, primeira-base, segunda-base

      E muitos mais…

      Por favor, se você quiser preservar a cultura do brasil – Resista os muçulmanos, não os deixe entrar. Vote em partidos que se opõem aos muçulmanos. Uma vez que os muçulmanos entram – Não há volta. Aprenda com o que está acontecendo na Europa – Pare muslims se você quiser que suas futuras gerações tenham liberdade e paz.

    • jnf

      Muito certo meu amigo! Por favor eu peco vcs, imploro vcs por favor nao deixa muculmanos entrar na brasill……SE NAO VC VAI PERDER BRASIL POR AMOR DE DEUS NAO ESQUESCE ISSO!!

      Desculpa pra mal portuguese

  • Maísa

    Péssima escolha dos imigrantes virem pra cah.. Com tantos países, escolheram logo o Brasil. País sem lei e cheio d violência. Educação zero, saúde zero!
    Morreu mais gente aki doq na guerra da síria.. O Brasil n eh exemplo pra ser seguido. E provavelmente isso nunk vai mudar

    • O Entendedor Anônimo

      Tomara que não venham mesmo. Melhor ainda se for vetado a entrada!

  • Eric C. Anderson

    Adoraria ver essas “fotos” das bombas jogadas.

    • Rosa Mattos

      Veja então o video acima,e depois avise os amigos dos terroristas,que eles estão tentando matar os brasileiros,compatriotas desses esquerdistas que defendem os terroristas,por pensarem que são santos…

  • Eric C. Anderson

    fake news

    • Rubens Vital

      Fake seu cu

    • Neto Ares

      Sua bunda é fake news vagabundo,já tem imagens dos terroristas arremessando uma bomba no meio da manifestação,esse verme vai ta preso e vai ser enquadrado na lei anti terrorismo

      • Eric C. Anderson

        Claro que têm. kkkkkkkk

        • Unidade Pirula de Tempo

          aqui as imagens:

          (aos 1:40)

        • O Entendedor Anônimo

          Tomara que a próxima pegue você… ai vai poder ver ao vivo 🙂

    • Kratos Sarcástico

      Fake seu rabo…vai se informar seu trouxa.

    • Geraldo Bohessef Bou Assaf

      Então prove vc seu babaca que é fake. Um idiota achando que os outros são idiotas pra acreditar no que ele diz, idiota é vc em achar que os outros vão na sua conversa.

    • Jesuel Prudencio

      Filho da puta some daqui anti brasiliero, some daqui seu canalha…

    • Rosa Mattos

      É fake???Esquerdistas são cegos por escolha,até que levem na caixola sem miolos,como aconteceu ao endeusarem Lula,Dilma e os demais.Por isso odeiam a direita,porque nós não endeusamos políticos.Muito menos continuamos a defende-los,se descobrimos serem sujos.Tipo,amamos Bolsonaro,adiramos seu caráter,suas ideias são excelentes. Mas se cagar fora do penico,comprovadamente,claro,não com armação como a esquerda costuma fazer,inventando mentiras,não terá nosso apoio mais.Acorda criatura! amanhã podem ser voces que esses terroristas explodam.Não se identificam com os brasileiros que se manifestavam para uma lei que não nos prejudique,e apoiam e defendem quem nos ataca?odeiam seus compatriotas?Nós jamais apoiaríamos terrorista que atacasse uma manifestação de esquerda,por mais burra que seja,como a manipulada por sindicatos que perderão a $$$$ dos descontos compulsórios no salários,que deixaram seus ricos presidentes.

Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016