Ilustrando o Gulag

“Drawings from the Gulag” apresenta mais de uma centena de imagens, retratando execuções, assassinatos com machado, tortura sexual cruel e outros atos de extrema violência perpetrados pelo regime comunista

Por Leo Timm

Um ex-policial soviético desenha uma história que não poderia ser fotografada.

Os horrores do sistema gulag soviético foram bem documentados por sobreviventes firmes e historiadores perspicazes. “O Arquipélago Gulag” de Aleksandr Solzhenitsyn (1973) recontou as experiências de dissidentes proeminentes nos campos, enquanto gigantes acadêmicos como Robert Conquest escreveram obras como “O Grande Terror” (1968) em um momento em que muitos eram ignorantes ou minimizavam a escala e intensidade de crimes soviéticos contra a humanidade.

No entanto, as atrocidades—que afetaram dezenas de milhões de pessoas—são removidas de nós pelo tempo e pelo espaço. Já se passaram décadas desde a morte de Joseph Stalin e os piores abusos do sistema soviético. Dos milhares de acampamentos nas vastas extensões da Sibéria e nos territórios remotos, apenas um foi preservado para exibição pública.

Danzig Baldaev, que nasceu na cidade siberiana de Ulan-Ude em 1925, era um observador bem posicionado para registrar os males perpetrados contra milhões de seus concidadãos que foram rotulados de “inimigos do povo”.

Em 1988, Baldaev terminou de registrar suas experiências, que estão disponíveis em uma compilação publicada pela Fuel Publishing, do Reino Unido, e dedicada ao dissidente Solzhenitsyn. O estilo artístico de Baldaev é realisticamente proporcionado, com linhas pesadas e sombras que dão a sensação de uma história em quadrinhos contemporânea.

O livro “Drawings from the Gulag” apresenta mais de uma centena de imagens, retratando execuções, assassinatos com machado, tortura sexual cruel e outros atos de extrema violência perpetrados pelo regime comunista. Baldaev fornece legendas que contextualizam seus desenhos e dão vida às vítimas e perpetradores. A brutalidade do gulag é acompanhada por slogans e propaganda stalinistas que teriam sido uma presença constante para presidiários e administradores de campos.

Eliminação de vítimas de execução no Oceano Ártico. De “Drawings from the Gulag” de Danzig Baldaev, publicado pela Fuel Publishing (Cortesia da Fuel Publishing)
Eliminação de vítimas de execução no Oceano Ártico. De “Drawings from the Gulag” de Danzig Baldaev, publicado pela Fuel Publishing (Cortesia da Fuel Publishing)

O pai de Baldaev era um intelectual que foi expurgado em 1938. Como resultado, Baldaev ficou órfão e foi criado para servir ao Estado soviético. Ele lutou na Segunda Guerra Mundial e acabou entrando no sistema gulag—não como uma vítima, mas como um dos executores. Uma imagem de Baldaev desse período de sua vida o mostra como um sentinela asiático de aparência severa em uma cena de inverno, com um husky siberiano ao seu lado.

Como guarda e policial, Baldaev podia ver muito do terror administrativo e seus mecanismos em detalhes. Ele secretamente esboçou o que viu como figuras de palito enigmáticas, decifráveis apenas para ele, e as guardou para trabalhos futuros. Quando a oportunidade se apresentou, ele transformou seus diagramas em ilustrações completas.

Um prisioneiro do gulag em greve de fome tendo seu protesto interrompido por alimentação forçada. De “Drawings from the Gulag” de Danzig Baldaev. (Cortesia da Fuel Publishing)
Um prisioneiro do gulag em greve de fome tendo seu protesto interrompido por alimentação forçada. De “Drawings from the Gulag” de Danzig Baldaev (Cortesia da Fuel Publishing)
Drawings from the Gulag By Danzig Baldaev © FUEL Publishing (2010) ISBN: 978-0956356246 (© Danzig Baldaev / FUEL Publishing)
As prisioneiras do gulag, muitas vezes parentes daqueles condenados como “inimigos do povo”, estariam sujeitas a abusos sexuais humilhantes e tortura. Freqüentemente, elas eram distribuídas como escravas para servir aos guardas do campo e aos criminosos. De “Drawings from the Gulag” de Danzig Baldaev (Cortesia da Fuel Publishing)

Em uma imagem, um homem esquelético está diante de uma parede com o slogan “Avance para o comunismo!” Outra mostra um infeliz trabalhador sendo serrado ao meio junto com a tora que seus sádicos companheiros presos o amarraram.

“Do mais baixo zek (prisioneiro) ao mais violento vor (ladrão) tatuado, as práticas e os habitantes do sistema gulag são revelados em detalhes incríveis e chocantes”, conforme descrito no site da Fuel.

E é chocante, na medida em que um revisor questionou a necessidade da brutalidade “pornográfica” das ilustrações de Baldaev. Mas em um mundo onde a União Soviética desistiu do comunismo sem uma avaliação completa de seus males, e onde o governo de Stalin é visto como eficaz ou mesmo heróico por muitos, o nível de detalhe sem censura de Baldaev—infundado em qualquer outro contexto—é sério e necessário.

Drawings from the Gulag By Danzig Baldaev © FUEL Publishing (2010) ISBN: 978-0956356246 (© Danzig Baldaev / FUEL Publishing)
Os gulags fomentaram uma forte subcultura criminosa que inspirou a moderna máfia russa. Além de sua documentação do sistema gulag, Baldaev também registrou uma ampla amostra de tatuagens de criminosos soviéticos e russos. De “Drawings from the Gulag” de Danzig Baldaev (Cortesia da Fuel Publishing)

É necessário porque é atual. As torturas e maus-tratos que Baldaev retrata em seus desenhos aconteceram há meio século, mas para milhões de prisioneiros políticos e religiosos hoje mantidos pelos regimes comunistas chinês e norte-coreano, os gulags estão bem vivos.

Drawings from the Gulag By Danzig Baldaev © FUEL Publishing (2010) ISBN: 978-0956356246 (© Danzig Baldaev / FUEL Publishing)
Muitos filhos de prisioneiros do gulag foram separados de seus pais marginalizados e colocados em orfanatos—incluindo o próprio ilustrador Danzig Baldaev. Devido à superlotação e ao desrespeito geral por suas vidas, muitos foram simplesmente fuzilados. O título diz “9 gramas [o peso de uma bala] – Caminho para uma infância feliz sob o Partido Comunista da União Soviética”. De “Drawings from the Gulag” de Danzig Baldaev (Cortesia da Fuel Publishing)

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento. Leia toda a série aqui.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas