IBGE: quase 80% dos brasileiros tomam café

Pelo menos 79% dos brasileiros consomem café, de acordo com uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre orçamento familiar, realizada entre 2008 e 2009. Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria do Café (Abic), a média de consumo diário por habitante consumidor no Brasil em 2012 chegou a quatro xícaras de 50ml e meia, equivalente a 83 litros ou 6,23 kg anuais do grão, um recorde histórico.

A pesquisa do IBGE revela também que 79,3% das mulheres consomem o produto, percentagem ligeiramente maior que a verificada entre os homens, de 78,7%.

Segundo a Abic, o consumo interno de café alcançou 20,33 milhões de sacas em 2012, um aumento de 3,09% em relação a 2011, e continua crescendo. No mercado interno, a instituição projeta um aumento de 13% este ano em relação ao valor movimentado no ano passado, que ultrapassou R$ 7 bilhões. Os brasileiros consomem mais que os italianos, franceses e americanos.

O Brasil é hoje o maior produtor e exportador de café, atendendo um terço do consumo mundial, de acordo com dados do Ministério da Agricultura. Já o faturamento com a exportação do produto atingiu US$ 6,5 bilhões em 2012, segundo o órgão. Os principais destinos do café brasileiro são Alemanha, Estados Unidos, Itália, Japão e Rússia.

Cultivo e características

Quase todas as partes do país cultiva café e o Sudeste se destaca como a maior região produtora, estando mais da metade das lavouras do país concentradas no estado de Minas Gerais (52,4%), segundo os dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Em seguida vêm Espírito Santo (25,8%) e São Paulo (8,8%), respectivamente.

O estado da Bahia, no Nordeste brasileiro, e o do Paraná, no Sul do país, disputam a cada ano a quarta posição, colhendo atualmente 3,9% e 3,5% da safra brasileira, respectivamente. Em seguida, figura o estado de Rondônia, na região Norte, com 3,2% da produção nacional. As proporções são referentes ao mês de maio de 2013.

Baseado em suas propriedades específicas como aroma, espessura e sabor, a bebida é classificada em duas espécies: Arábica (mais cultivada no Brasil) e Conilon (conhecida como Robusta). A primeira apresenta um maior equilíbrio entre as qualidades aroma, espessura, doçura e acidez, enquanto a segunda é mais neutra e amarga.

O sabor também depende da região proveniente. A bebida resultante do fruto cultivado no serrado mineiro, por exemplo, é mais espessa e doce, enquanto a do cultivado na região mogiana paulista, mais forte e aromática. Já a do Sul de Minas Gerais, possui espessura moderada, aroma pronunciado e sabor prolongado.

Qualidade

A qualidade do café costuma ser classificada em três categorias: tradicional, superior e gourmet. O mais consumido no Brasil é o tradicional, que é o café do cotidiano, com custo acessível e sabor intenso, por ser mais torrado. São vendidos em embalagens almofadadas ou empacotadas a vácuo.

Com maior valor agregado, os cafés superiores apresentam melhor qualidade e sabor acentuado. Já os gourmets possuem alta qualidade e se caracterizam pelo sabor refinado e aroma intenso e envolvente.

Seja tradicional, superior ou gourmet, o produto deve possuir o selo de qualidade Abic, que garante sua pureza. Em outras palavras, o selo assegura que o produto é composto somente por grãos de café, já que ainda há produtores que o adulteram adicionando misturas afim de aumentar o peso do produto e, com isso, os lucros. Muito comum no Brasil, essa prática interfere no sabor e deteriora a qualidade.

Dicas e benefícios

A Abic assegura que a bebida proporciona diversos benefícios já comprovados, como por exemplo para a capacidade mental, memória, bem estar e concentração. Também amenizaria efeitos dos males de Parkinson e de Alzheimer. Naturalmente, o consumo excessivo ou compulsivo pode ser prejudicial.

Para se obter o sabor e aroma originais, o café deve ser preparado apenas com água potável. Após aberto, o produto deve ser guardado dentro da geladeira caso for levar mais de duas semanas para ser consumido, pois assim preservam-se suas propriedades. Dentro ou fora da geladeira, armazenar o café na embalagem também é boa ideia, já que são confeccionadas para conservar o produto.

Segundo o pós-doutorando Steven Miller, da Uniformed Services University of the Health Sciences, Estados Unidos, a sensação, que muita gente tem, de não conseguir espantar o sono e a preguiça apesar do aumento do consumo pode estar relacionada ao horário em que o café é tomado, devido ao ciclo hormonal do corpo humano.

Num de seus artigos publicados em seu blog NeuroscienceDC, o estudioso afirma que se a bebida for consumida nos intervalos de 8h a 9h30, de 12h a 13h ou de 17h30 a 18h30, quando ocorrem picos de cortisol no sangue (hormônio ligado ao estado de alerta), seu efeito será, naturalmente, menor. Estes períodos podem ter algumas variações dependendo do organismo, segundo Miller.

 
Matérias Relacionadas