‘Humilhante’: bilionário de Xangai lamenta vida sob lockdown prolongado

“A vida de um cara rico de primeira linha em Xangai é assim sob a pandemia!"

Por Kelly Song 

Liu Yiqian, um bilionário que vive em Xangai, lamentou que a vida seja “humilhante” dois meses após o lockdown devido à dura política de “zero-COVID” do regime chinês. Sua postagem viral, em 22 de maio na plataforma de mídia social chinesa, WeChat, foi acompanhada por uma foto sua, com o cabelo bagunçado, a barba por fazer e vestindo o que parecia ser uma camiseta enorme de gola V.

Captura de tela da publicação no WeChat do bilionário de Xangai, Liu Yiqian, lamentando a vida sob lockdown (Captura de tela do Epoch Times)
Captura de tela da publicação no WeChat do bilionário de Xangai, Liu Yiqian, lamentando a vida sob lockdown (Captura de tela do Epoch Times)

A publicação de Liu dizia: “Estou me humilhando. Todas as manhãs, o comitê do bairro dava ordens para fazer testes de PCR e pegar os que davam positivo [para COVID-19]. E eles dão prazos claros, 9 da manhã o pedido chega e termina ao meio-dia. Após alguns dias de observação, parece haver cada vez menos moradores. Talvez as pessoas já estejam entorpecidas, cansadas disso”.

“No entanto”, continua Liu, “[nós] ainda temos que viver. Para escapar do lockdown de medida única de Xangai, alguns amigos preferem ir para outras províncias e ficar em quarentena por 14 dias. [As pessoas] também estão deixando Xangai, está mudando rapidamente, ao invés de ter esperança quanto ao futuro, mesmo pensando estar errado”.

Segundo a Forbes, o investidor e colecionador de arte de 59 anos tinha um patrimônio líquido de US $1,37 bilhão em 2015. Liu Yiqian e sua esposa frequentaram casas de leilões em Hong Kong e Nova Iorque, gastando centenas de milhões e quebrando recordes colecionando peças de arte.

Em 2014, o casal estabeleceu um recorde ao gastar US $36,3 milhões por uma xícara de chá da Dinastia Ming na Sotheby’s Hong Kong. Liu mais tarde posou para uma foto enquanto bebia da pequena xícara de chá.

O bilionário e colecionador de arte chinês Liu Yiqian (D) fala em uma cerimônia de abertura em Xangai, na China, para a exposição de uma xícara de chá da Dinastia Ming de US$ 36 milhões que ele comprou e pagou com seu cartão American Express, em 18 de dezembro de 2014 (Chinatopix via AP)
O bilionário e colecionador de arte chinês Liu Yiqian (D) fala em uma cerimônia de abertura em Xangai, na China, para a exposição de uma xícara de chá da Dinastia Ming de US$ 36 milhões que ele comprou e pagou com seu cartão American Express, em 18 de dezembro de 2014 (Chinatopix via AP)

Em 2015, o casal pagou US $170,4 milhões pelo “Nu couché”, do pintor italiano Amedeo Modigliani, leiloado pela Christie de Nova Iorque. Foi a segunda obra de arte mais cara já vendida em leilão.

Segundo relatos da mídia chinesa, Liu é de Xangai. Ele trabalhou na fábrica de sapatos de seu tio antes de se tornar motorista de táxi. Na década de 1990, Liu começou a fazer sua fortuna investindo no nascente mercado de ações da China.

Para abrigar suas coleções, o casal abriu seu próprio museu de arte privado com dois locais em Xangai e um em Chongqing.

Muitos comentaram na publicação de Liu. Um disse: “A vida de um cara rico de primeira linha em Xangai é assim sob a pandemia! Alguém que gastou centenas de milhões em xícaras de chá e pinturas, mas agora não tem um pente para o cabelo…”

Outra pessoa disse: “Sob desastres, pobres e ricos vivem sem dignidade… um milionário de Xangai que gastou 36 milhões em uma xícara de chá, Liu Yiqian: como é que o punho de ferro também está batendo na minha cabeça?”

Liu não é o único membro da elite da China que foi afetado pelo lockdown. Kathy Xu, uma investidora de risco, bilionária e filha do presidente da China National Heavy Duty Truck Group, pediu em abril nas mídias sociais para ser incluída na “sala de bate-papo de compra em grupo” para poder comprar leite e pão para seu filho e amigos”.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas