Hospitais lotados, escassez médica, mortes trágicas em Wuhan por infecções geradas pelo vírus

“Isso não é uma calamidade natural; é um desastre causado pelo homem"

Por Eva Fu

Chen conhecia muito bem os perigos à espreita do outro lado do globo, mas pulou no avião de qualquer maneira.

Não havia outra opção para resgatar sua mãe, que mora na cidade chinesa de Wuhan – marco zero de um surto virulento que provocou uma emergência de saúde global.

As companhias aéreas internacionais agora estão interrompendo os vôos para a China, enquanto marcas internacionais como Apple e Starbucks estão fechando suas filiais chinesas. Cerca de uma dúzia de países, incluindo os Estados Unidos, proibiram a entrada de viajantes que estiveram recentemente na China.

Em 18 de janeiro, a mãe de Chen começou a exibir sintomas semelhantes ao coronavírus que se espalhou por toda a China e dezenas de países.

Sua condição estava se deteriorando a cada dia.

Por 10 dias, sua mãe tentou procurar ajuda médica, mas em todos os lugares que ela ia, os hospitais a rejeitavam devido à falta de leitos.

A família de Chen não estava sozinha: de acordo com o prefeito de Wuhan, em 26 de janeiro, a cidade utilizava 24 hospitais e um total de 100.000 leitos para lidar com o crescente número de pacientes suspeitos. As autoridades também estão construindo dois hospitais de emergência adicionais para atender pacientes com coronavírus.

O Epoch Times conversou com muitos moradores de Wuhan que, como a mãe de Chen, foram recusados ​​no hospital e não foram diagnosticados com o coronavírus. Suas histórias indicam que as autoridades têm subnotificado o número de infecções por não diagnosticar pacientes.

Na época, Chen estava na Inglaterra, com um visto de turista.

“Eu realmente não suportava o pensamento de perder minha mãe”, disse Chen ao Epoch Times.

Ouvir a situação de seus pais reforçou a determinação de Chen de retornar a Wuhan.

Uma vez, por volta da meia-noite, seus pais desistiram de esperar em um hospital depois de saber que havia mais de 1.000 pacientes à frente deles, todos com sintomas febris.

Em outra ocasião, eles caminharam quilômetros até o Hospital Hankou. Um médico prometeu um leito naquela noite. Eles foram para casa e voltaram à noite. Eles esperaram dez horas, apenas para saber às cinco da manhã que o espaço não estava mais disponível.

“Eu queria ficar ao lado dela e cuidar dela”, disse Chen.

A viagem de volta

Foi uma missão contra todas as probabilidades.

Seu pai, seu irmão que estava com ela na Inglaterra na época, e amigos ao seu redor, todos se opunham à decisão de Chen.

Não havia mais aviões diretos entrando e saindo de Wuhan. Na cidade, assim como na província de Hubei, cerca de 60 milhões de pessoas foram colocadas sob alguma forma de quarentena.

CHINA-HEALTH-VIRUS
Pessoas usam máscaras de proteção enquanto esperam para embarcar no trem enquanto viajam para as férias do Ano Novo Lunar na Estação Ferroviária Oeste de Pequim, em Pequim, em 24 de janeiro de 2020 (Nicolas Asfouri / AFP via Getty Images)

Chen voou primeiro para o Vietnã, depois para a cidade de Shenzhen, no sul da China, onde pegou um trem expresso com escala de três minutos em Wuhan. A polícia a ajudou a chegar em casa depois que ela explicou a situação de seus pais. No dia 28 de janeiro, ela voltou para a casa em Wuhan, onde ela e a mãe moravam.

O que a recebeu foi “uma visão miserável”, segundo Chen.

“Minha mãe estava sentada no sofá com os olhos fechados, sem espírito”, disse ela.

“Ela teria morrido”

Chen não perdeu tempo em mobilizar a rede de pessoas que poderiam ajudá-la a tomar alguma atitude. Ela tentou todos os contatos possíveis, para dar à mãe uma chance melhor.

Ela ligou para hospitais e levou a mãe de um lugar para outro, apesar de saber que poderia ser punida por violar a proibição de veículos particulares. Ela postou sua história nas mídias sociais, que atraíram a atenção da mídia.

Naquela noite, os lábios da mãe de Chen ficaram roxos. Ela teve dificuldade em respirar e quase desmaiou. A saturação de oxigênio no sangue caiu para 40%. Chen levou a mãe para o hospital Hankou.

Os médicos emitiram um aviso “gravemente doente” e realizaram uma operação de emergência por três horas. Uma tomografia computadorizada revelou que 40% dos pulmões de sua mãe estavam infectados. O médico disse a Chen que sua mãe tinha apenas 50% de chance de sobrevivência. Às quatro horas da manhã seguinte, o procedimento cirúrgico terminou e ela foi hospitalizada.

Um médico disse-lhes que acreditava que a mãe havia contraído o coronavírus, mas ele não emitiu documentação formal para diagnosticá-la.

“Se eu não tivesse voltado para casa, ela teria morrido”, disse Chen.

‘A sortuda’

Nas redes sociais, onde Chen e outros internautas chineses compartilham informações sobre o vírus, o desespero também permeia as conversas. Alguém perdeu quatro de sua família de cinco membros devido ao vírus; uma mãe solteira adoeceu junto com seu filho pequeno. Um colega de Chen foi infectado um mês depois de ter um bebê.

Um oficial do comitê de bairro na área residencial de Chen disse a Chen que sua mãe era “a sortuda”, por ter sido aceita no hospital. Outro homem de 84 anos que ficou gravemente doente ao mesmo tempo não conseguiu um leito, disse ele.

Os amigos e colegas de trabalho de Chen também contaram histórias de familiares adoecendo. “Muitas pessoas não foram diagnosticadas quando morreram. Elas não foram hospitalizadas ”, disse ela.

General view of empty roads in Wuhan City
Vista geral de estradas vazias na cidade de Wuhan, China, em 3 de fevereiro de 2020, nesta imagem obtida nas mídias sociais (Vladimir Markov / via Reuters)

A cidade inteira estava em um estado terrível. “Quando eu estava dirigindo minha mãe para o hospital, a rua inteira estava vazia”, ​​disse ela. “No passado, esse seria o lugar mais cheio e movimentado – era impossível atravessar … mas agora tudo que você vê é o (aviso) da doença”.

“Parecia o fim do mundo, como o que você vê nos filmes.”

“Desastre causado pelo homem”

A última vez que Chen falou com o Epoch Times, ela estava no hospital esperando por atualizações sobre a condição de sua mãe. O médico disse que a situação era “muito grave” e pediu que ela ficasse no hospital. Ela disse que sua mãe poderia partir a qualquer momento.

As autoridades disseram que todos os que testam positivo para coronavírus são elegíveis para tratamento médico gratuito. Mas os médicos simplesmente disseram a Chen que eles não tinham kits de teste suficientes e não podiam diagnosticar sua mãe.

Dois dos três fornecedores oficiais de kits de teste de coronavírus do país, Shanghai GeneoDx Biotech e Shanghai BioGerm Medical Biotechnology, disseram em 24 de janeiro que tinham capacidade para produzir cerca de 220.000 kits de teste por dia, que devem chegar a diferentes regiões dentro de 24 horas, de acordo com Mídia estatal chinesa.

Em 27 de janeiro, duas empresas de biotecnologia que desenvolveram seus próprios kits de testes doaram 46.000 delas para Wuhan, segundo a mídia chinesa.

CHINA-HEALTH-VIRUS
Pessoas que usam máscaras para ajudar a impedir a propagação do vírus mortal que começou na cidade são vistas no Hospital da Cruz Vermelha de Wuhan, em Wuhan, em 25 de janeiro de 2020 (Hector Retamal / AFP via Getty Images)

“Todas as políticas do governo são uma piada”, disse ela. “[Eles disseram] ‘Vou providenciar tratamento gratuito para você’, mas quando você realmente os procura … os médicos não o diagnosticam. É apenas uma vitrine”.

Chen também culpou a inação do governo por exacerbar a crise.

Um estudo de 29 de janeiro no New England Journal of Medicine constatou que a transmissão de homem para homem havia ocorrido por volta do início a meados de dezembro.

As autoridades alegaram repetidamente que a doença era contida e não era contagiosa até 20 de janeiro – quando Zhong Nanshan, o principal cientista respiratório do país, reconheceu que um paciente havia infectado 14 trabalhadores médicos.

Em 3 de janeiro, a polícia de Wuhan emitiu avisos para oito profissionais médicos locais por “espalhar boatos” sobre a doença on-line. Um deles, o médico Li Wenliang, mais tarde contraiu o vírus enquanto tratava um paciente. Seus pais também adoeceram enquanto cuidavam dele.

Mais tarde, o prefeito da cidade culpou as autoridades centrais por ocultar informações sobre a doença.

Um estudo publicado no The Lancet em 31 de janeiro estimou que até 75.815 indivíduos em Wuhan poderiam ter sido infectados, com o número de infecções provavelmente dobrando a cada 6,4 dias.

Até agora, a doença atingiu 26 territórios fora da China continental.

Citando sua amiga que trabalha no governo local, Chen disse que o total de casos suspeitos e infecções é “definitivamente” mais de 100.000.

“Isso não é uma calamidade natural; é um desastre causado pelo homem”, disse Chen.

 

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast.

 
Matérias Relacionadas