Honrando o elo divino entre pais e filhos: a virtude da piedade filial

A maneira dos sábios fortalecerem o tecido familiar e respeitarem a divindade dentro de cada ser humano

Por Sarah Annalise

As culturas antigas e centenárias em tradições por todo o mundo acreditam que o céu arranjou todos os nossos relacionamentos – um presente predestinado do divino.

A verdade é que todos têm uma situação única com seus pais e ancestrais, e as pessoas de fé reconhecem que fomos feitos à imagem do Criador. Então, talvez nossas famílias também tenham sido divinamente concedidas a nós aqui na Terra.

No entanto, quando os papéis são representados na grande performance chamada vida, alguns relacionamentos são próximos e afetuosos, enquanto outros são distantes e frios. E assim como as cenas mudam ao subir e descer das cortinas, as mesas do destino mudam. Mas uma virtude que pode não apenas preservar qualquer família, mas também transformar suas dificuldades ao longo do tempo, é a piedade filial.

A magnanimidade da piedade filial foi expressa nas histórias deixadas pelo tempo, demonstrando sua influência virtuosa para transformar os delitos e preservar a honra da família.

É verdadeiramente divino prestar respeito a como alguém veio ao mundo, apreciando sua família e aqueles ao seu redor na sociedade em geral (Yuganov Konstantin/Shutterstock)
É verdadeiramente divino prestar respeito a como alguém veio ao mundo, apreciando sua família e aqueles ao seu redor na sociedade em geral (Yuganov Konstantin/Shutterstock)

Piedade filial é uma virtude superior

Na era de hoje, todos nós culpamos e apontamos o dedo algumas vezes. As crianças não são diferentes; reclamam que os pais são muito exigentes ou difíceis de argumentar, enquanto os adultos reclamam que são as crianças que são indisciplinadas. Vale a pena refletir sobre como o cultivo da piedade filial – em vez de nossa típica luta imatura para definir quem está certo e quem está errado – guiou nossos ancestrais a vencer esse mesmo desafio com mais eficácia.

A piedade filial é um código moral. Não é um princípio ou estilo de vida desatualizado e antiquado de criar os filhos da maneira certa. Nem envolve crianças se tornando mimadas, nem o extremo oposto de negligência sob o pretexto de “as crianças devem ser vistas, mas não ouvidas”.

Não se trata das demandas dos pais ou filhos chegarem a extremos, onde egos são acariciados e mimados. Em vez disso, é um chamado moral que aproxima filhos e pais do divino, servindo uns aos outros abnegadamente – mas também estendendo o calor dessa mesma virtude além de seus laços familiares, abrangendo amigos, estranhos e suas sociedades.

A piedade filial traz honra e respeito para com os pais ao longo da vida e após a morte. Fora de casa, a piedade filial seria expressa como servir ao país e isso traria maior harmonia social.

Praticar a arte da piedade filial exige um caráter magnânimo. Idealmente, isso começaria dentro do eu mais íntimo da pessoa, uma sensação de querer fazer a coisa certa e ser uma boa pessoa. Então, essa aspiração espiritual magnânima que cultivamos dentro de nós, levaria a envolver a família, por meio do respeito aos pais e ancestrais, expandindo-se para fora de casa.

No Oriente e no Ocidente, todas as culturas falavam sobre criar os filhos da maneira certa. A piedade filial é uma virtude que o antigo filósofo chinês Confúcio (551–479 aC) enfatizou como a mais importante para manter a ordem social da sociedade funcionando harmoniosamente, ao mesmo tempo que honra a divindade dentro de cada ser humano.

A piedade filial é discutida em “Os Anacletos”. Esses são ensinamentos que Confúcio deixou para guiar uma conduta adequada e podem ser resumidos no caractere chinês para filial, xiao (孝) – um princípio tradicional que prestava o devido respeito aos pais e apresenta o caminho ao cultivo de um grande caráter dentro de si mesmo.

O caractere chinês xiao (孝) consiste no caractere para criança (子) abaixo do caractere para pessoa idosa / pai (老), significando o papel virtuoso do jovem no cuidado ao idoso.

Caractere chinês para obediência filial, xiao (孝) (The Epoch Times)
Caractere chinês para obediência filial, xiao (孝) (The Epoch Times)

Existem diferentes níveis de piedade filial de acordo com os ensinamentos de Confúcio.

Em um nível inferior, trabalha-se pelos pais, mantendo-se fiel às lembranças de sua bondade e não colocando muita ênfase nas próprias dificuldades. O nível médio se preocupa com honrá-los em suas realizações, o que inclui um comportamento respeitoso e responsável. No nível mais alto, a pessoa pratica ser filial sem omissões, e isso inclui espalhar bondade para que todos se beneficiem.

Talvez a forma mais elevada de ser filial seja cultivar a magnanimidade ao ponto de ser a melhor pessoa que se pode ser, com a maior realização sendo a pessoa se tornar iluminada e obter a libertação.

Confúcio, antigo filósofo chinês, educador e fundador do confucionismo (aphotostory/Shutterstock)
Confúcio, antigo filósofo chinês, educador e fundador do confucionismo (aphotostory/Shutterstock)

Praticar a piedade filial traz bons retornos

Alguém pode se perguntar, o que a magnanimidade significa no contexto de ser filial? Em muitas culturas ao redor do mundo, existe a ideia de reciprocidade que é construída na piedade filial. E se não existisse reciprocidade benevolente, criá-la, por meio de um comportamento filial, naturalmente traria boa fortuna.

O coração daqueles que se esforçam para ser filial e introspectivo é puro e sincero. E a piedade filial ajuda pais e filhos a cultivar um senso de respeito pelo relacionamento que foi arranjado pelas forças superiores do universo.

Mesmo que os pais sejam imorais, é apoiado pela ética confucionista que o filho filial deve apontar o erro enquanto se abstém dos laços cármicos, enquanto transforma seus ressentimentos e sofrimentos em um estado mais benevolente. Praticar a piedade filial também pode ajudar a transformar a difícil situação com sua família.

Deve-se sempre prestar atenção e agradecer aos antepassados, por mais humilde que tenha sido seu início. Respeitar sua família e estender essa boa vontade para fora de casa trará bons retornos, portanto, a lei do carma.

A seguinte história sobre o lendário imperador chinês chamado Yu Shun (ou o Grande Shun) é uma das incontáveis ​​histórias de piedade filial deixadas para a história da China antiga – muito antes do Partido Comunista Chinês chegar ao poder.

Imperador Yu Shun, também conhecido como Chong Hua ou o Grande Shun (Xiao Ping/Zhengjian)
Imperador Yu Shun, também conhecido como Chong Hua ou o Grande Shun (Xiao Ping/Zhengjian)

Shun nasceu em uma família onde sua bondosa mãe morreu cedo, deixando-o para suportar um pai e uma madrasta particularmente difíceis. Ele não foi favorecido e suportou o abuso de sua família, enquanto era forçado a fazer trabalhos pesados, comer alimentos de má qualidade e usar roupas finas em invernos gelados. Apesar do tratamento duro de sua família, ele manteve o respeito por seus pais e assumiu a responsabilidade por seus meio-irmãos mais novos.

O primeiro pensamento de Shun quando sua madrasta ou irmãos o maltrataram foi: “Devo ter feito algo de errado que os deixou com raiva e me trataram assim”. Refletir sobre suas deficiências enquanto praticava comportamento filial o levou a gritar um dia no campo em que trabalhava: “Por que não posso trazer alegria para minha família?”

A lenda diz que as pessoas foram tocadas pela preocupação altruísta de Shun, apesar de seu papel humilde em sua família. Diz-se que seu coração sincero também foi visto nos céus. Mais tarde, quando trabalhava ao ar livre, foi recompensado com um elefante que veio ajudar a arar os campos e pássaros desceram para remover o mato. Com o passar do tempo, esse jovem foi se tornando o assunto da cidade.

Anos depois, quando o idoso imperador Yao procurou um sucessor, ele pediu ajuda a seus colegas oficiais para encontrar o melhor substituto, e eles recomendaram Shun. Todos pensavam que, como Shun havia suportado muitas dificuldades e o fazia com graça, no nobre espírito de mostrar respeito filial, que incluía olhar para dentro, isso seria o suficiente para garantir que ele pudesse cuidar do reino.

Quando Shun se tornou imperador, ele ainda pensava da mesma forma que no passado e até mesmo declarou: “Mesmo agora, meus pais ainda não gostam de mim. Qual é o sentido de ser um imperador?”

Seu povo foi tocado por suas palavras e seus pais também, e no final, eles o trataram bem. A virtude superior da piedade filial praticada por Shun demonstra que, com um coração misericordioso, sacrificar e manter a harmonia na vida trará boa fortuna.

(Ilustração - Spaceport9 / Shutterstock)
(Ilustração – Spaceport9/Shutterstock)

Piedade Filial em Diferentes Culturas

Da Europa à América do Norte, as culturas honram a morte de seus pais e ancestrais acendendo uma vela para lembrá-los, mas também visitando seus túmulos com flores.

Muitos países asiáticos têm a tradição de as crianças se curvarem aos pais e ancestrais para expressar sua gratidão. Enquanto na Índia, os filhos tocam os pés de seus pais, porque simbolicamente, o caminho ao céu está conectado em seus passos, e essa conexão humilde deve ser honrada e respeitada hoje.

Olhando para muitos países, a piedade filial se estende aos “feriados” nacionais. Estes feriados reconhecem aqueles que serviram e aqueles que perderam suas vidas defendendo seu país em tempos de guerra. Por exemplo, o “Dia da Memória” é realizado anualmente em muitos países da Comunidade Britânica. Canadá e Austrália têm seu Dia da Memória em 11 de novembro. Os Estados Unidos comemoram o “Dia dos Veteranos” no mesmo dia.

Nem é preciso dizer que vale a pena quebrar algumas tradições familiares e recriá-las. E de onde quer que você venha, é verdadeiramente divino prestar respeito a como alguém veio ao mundo, apreciando sua família e aqueles ao seu redor na sociedade em geral.

Então, que tipo de piedade filial sua família ou cultura pratica? Como isso o tornou uma pessoa mais magnânima? Deixe-nos saber na seção de comentários!

Arshdeeep Sarao contribuiu para esta reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas