Honrando a Memória de Liu Zhimei

Uma profunda tristeza cresceu em mim quando soube da morte miserável de Liu Zhimei

Por Cao Yu

Chao Yu se formou na prestigiosa Universidade Tsinghua da China. Em 1999, depois que o regime comunista começou sua campanha contra a prática espiritual do Falun Gong, ele ajudou correspondentes estrangeiros a desenvolver canais de comunicação seguros, fugir das autoridades e conduzir entrevistas com adeptos do Falun Gong que haviam sofrido perseguições. Por causa de suas atividades, Yu, sua família e amigos foram condenados a longas sentenças e passaram anos na prisão.

Liu Zhimei (1980–2015) foi uma estudante de Tsinghua de uma família rural empobrecida. Sua recusa em desistir da fé no Falun Gong terminou em sua morte suspeita bem depois de mais de uma década de prisão, tortura e abuso sexual e outros maus-tratos nas mãos das autoridades comunistas.

Uma profunda tristeza cresceu em mim quando soube da morte miserável de Liu Zhimei.

Liu estava estudando Engenharia Química na Universidade de Tsinghua quando a conheci em um local de prática do Falun Dafa no campus. Ela veio de Laiyang para Pequim quando foi recomendada para a Tsinghua University como a aluna número 1 em toda a sua província (tão diferente de todos os outros alunos na China, por causa de sua excelência, ela não precisou fazer o exame de admissão).

Liu foi expulsa da Universidade de Tsinghua por causa de sua fé no Falun Gong. Manter sua crença significava sofrer abusos, mesmo fisicamente, de seu pai e irmão, já que eles também queriam que ela desistisse de sua prática. Correndo o risco de ser presa em sua cidade natal, ela voltou para amigos e companheiros praticantes do Falun Gong em Pequim. Como a polícia pode verificar seu ônibus, ela caminhou por todo o caminho, até cruzando a ponte do Rio Amarelo a pé. Ela tinha apenas 21 anos na época.

Ela não tinha renda, nenhum lugar para morar, e suas perspectivas de carreira estavam arruinadas. Eu também perdi meu emprego anterior e não pude voltar para casa por causa da perseguição ao Falun Gong pelo governo chinês. Mas, felizmente, logo consegui um novo emprego com um salário ainda maior. Então, eu dividi meu apartamento com Liu e paguei suas despesas. Eu queria ajudá-la porque éramos praticantes e compartilhamos a mesma fé.

Morávamos em quartos diferentes. Eu escolhi o quarto ao norte, que é frio e pequeno, e ofereci a ela o quarto ao sul, que é maior e mais quente. Escolhi a cama dura e ofereci a ela a cama Simmons com um colchão bonito e macio. Nos primeiros dias em seu novo quarto, ela disse que não se sentia confortável com sua nova cama, que era macia e luxuosa, porque ela estava acostumada com uma cama dura em sua cidade natal. Insisti que ela logo se acostumaria com a cama bonita.

O inverno estava apenas começando naquela época e meu apartamento tinha um bom sistema de aquecimento. A sala se aqueceu com o som reconfortante de caldeiras montadas na parede e o vapor branco subiu da chaminé para fora da janela. Fiquei aliviado e grato por termos um bom lugar para nos ajudar no inverno frio.

Uma vez, estávamos no carro distribuindo panfletos que contavam a verdade sobre o Falun Gong e a perseguição, até que ambos ficamos com fome. Eu a tratei com pato assado em um restaurante próximo. Ela terminou o pato e a sopa com cuidado e me disse: “É minha primeira vez comendo pato assado”. Com felicidade misturada com um pouco de tristeza, respondi: “Vou tratá-la com pato assado novamente no futuro”. Ela nunca havia entrado em um carro antes (menos de 2 décadas atrás, a maioria dos chineses não tinha carro), então sair de carro comigo foi outra novidade para ela.

Ofereci a ela 3.000 RMB para estudar em uma autoescola, porque queria que ela tivesse uma habilidade para poder ganhar a vida. Ela me disse: “Meu apelido é Shuping e é assim que minha família me chama. Você pode apenas me chamar de Shuping”. Comecei a chamá-la de Shuping a partir de então. Eu era um homem descuidado na época e não percebi que ela estava me tratando como um membro da família, compartilhando seu apelido comigo. Só muitos anos depois, quando me lembrei dessa cena na prisão, isso me ocorreu. Eu tinha muitos nomes falsos para proteger minha identidade naquela época, então não estava preocupado com como ela queria ser chamada e pensei que ela apenas usou esse nome para proteger sua identidade também.

Trabalhamos muito juntos para ajudar a impedir a perseguição ao Falun Gong. Comprei uma impressora automática japonesa para imprimir panfletos anti-perseguição. Eu estava encarregado de procurar canais de distribuição e Liu de imprimir. Imprimimos mais de 700.000 panfletos frente e verso anti-perseguição antes de transferir a propriedade da impressora.

Naquela época, não tínhamos certeza sobre a melhor maneira de limpar o nome do Falun Gong. Liu sempre pensou que era uma pena não ir e fazer uma petição pública na Praça Tiananmen, como tantos outros praticantes do Falun Gong faziam para fazer com que suas vozes fossem ouvidas. Ela achava que não era suficiente apenas fazer impressão caseira. Continuei compartilhando com ela que cada um tem seu próprio caminho e que ela não precisa ser igual aos outros. Mas eu também não tinha certeza de qual era a melhor maneira. Então, eu me preocupei que talvez não fosse certo impedi-la de seguir a voz em seu coração. Um dia ela insistiu em sair para fazer uma petição publicamente. Eu tive que deixá-la ir, embora eu tivesse muitas preocupações e considerações. Não ouvi notícias sobre ela por dias. Um dia cheguei em casa do trabalho quando já estava quase escuro. Eu vi alguém sentado na escada adormecendo em seus próprios braços. Fiquei chocado até perceber que era Liu. Fiquei muito feliz e segurei suas mãos com força por um bom tempo sem dizer uma palavra. Na verdade, minhas lágrimas estavam prestes a cair naquele momento. Ela me disse com alegria que havia feito uma petição pública por sua fé. Ela foi colocada em um veículo com outros praticantes e conduzida para algum lugar longe de Pequim até que foi forçada a sair do veículo. Ela voltou a pé. Durante o tempo que passamos juntos, ela queria fazer muitas coisas públicas semelhantes, apesar do grave perigo. Um dia ela planejou esclarecer a verdade pintando algumas palavras positivas sobre o Falun Gong; eu a impedi bloqueando a porta com meus braços quando ela estava prestes a sair com pincel e barril.

15 anos atrás, eu era um homem não refinado e não sabia como ser atencioso ou acolhedor. Passei todo meu tempo trabalhando. Aceitei o dobro da carga de trabalho para ganhar um dinheiro extra e gastei o resto do meu tempo fazendo trabalho anti-perseguição para expor as mentiras da propaganda do governo. Não tínhamos máquina de lavar em nosso apartamento. Pedi a Liu para cozinhar e lavar roupas de inverno para mim (para economizar tempo). Ela cozinhou por um tempo, mas se recusou a lavar roupas para mim. Na época não havia lavanderia self-service em Pequim e era muito caro para uma empresa de lavagem profissional. Então eu tive que pedir a alguém para lavar as roupas para mim. Não sabia que Liu não sabia lavar roupas de inverno. Enquanto crescia, ela teve que gastar todo seu tempo e energia em seus estudos, para que pudesse escapar de seu passado pobre e mudar seu destino. Ela nem tinha as habilidades para cuidar de si mesma.

Olhando para os velhos tempos, eu não cuidei de Liu como um irmão, embora fosse 7 anos mais velho que ela. Eu descobri minha fé antes dela, mas não consegui dar a ela sabedoria ou clareza para entender mais profundamente sobre o trabalho anti-perseguição—caso contrário, ela poderia ter sido mais capaz de se proteger. Ela foi presa antes de mim. Fui preso mais de 1 ano depois dela. Liu foi presa em nosso apartamento por causa da impressão. Ouvi dizer que, quando a polícia a arrastou para fora de chinelos, ela balançava a cabeça para comunicar “não” quando a polícia queria que ela confirmasse a localização do apartamento. É bem sabido que a polícia tenta lhe desmoralizar, obrigando-o a dar detalhes que incriminem outras pessoas. Liu se recusou a fazer isso e corajosamente fez o melhor para me proteger.

Quando fui libertado após 10 anos de prisão, soube que Liu havia sido severamente torturada—ela perdeu muitas de suas unhas durante a tortura no Departamento de Polícia de Pequim. Liu também sofreu abusos sexuais, estupro coletivo, aborto forçado e, finalmente, levada a um transtorno mental por injeções que danificam os nervos. Meu coração parecia ser esfaqueado por uma faca. Depois que cheguei no exterior, tentei muito me estabelecer o mais rápido possível para poder tirá-la da China e se juntar a mim nos Estados Unidos. Depois de vencer todas as dificuldades e conseguir meu primeiro emprego, apenas duas semanas depois eu soube de sua morte trágica. Meu coração foi apunhalado por uma faca novamente. Eu queria ajudar, mas não pude; essa dor permanece no fundo do meu coração.

Liu Zhimei, gentil como um salgueiro com uma vontade forte como a flor de ameixa (é isso que seu nome significa), sempre será a garota simples, pura e de bom coração em meu coração. Eu nunca vou esquecer dela.

Traduzido por Ariel Tian. Editado por James Poulter e Ryan Stephens

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento. Leia toda a série aqui.

Entre para nosso grupo do Telegram.

 

 
Matérias Relacionadas