Publicado em - Atualizado em 11/04/2017 às 18:33

Hong Kong perde liderança como destino principal de IPOs

Nova York lidera com 9,6 bilhões de dólares em negócios concluídos no primeiro trimestre de 2017

Um corretor fala no telefone na Bolsa de Valores de Hong Kong em 9 de julho de 2015. (Isaac Lawrence/AFP/Getty Images)

Um corretor fala no telefone na Bolsa de Valores de Hong Kong em 9 de julho de 2015. (Isaac Lawrence/AFP/Getty Images)

Nova York substituiu Hong Kong como o principal destino das ofertas públicas iniciais (IPOs) em bolsas de valores mundiais no primeiro trimestre de 2017.

A falta de grandes ofertas de ações deslocaram Hong Kong – a principal Bolsa de Hong Kong (HKEX) e o Mercado de Crescimento de Negócios (GEM) combinados – para a quarta posição, atrás de Nova York, Shanghai e Shenzhen.

A atividade global de IPO foi em geral baixa nos primeiros três meses de 2017, com 369 IPOs globais arrecadando 33,7 bilhões de dólares em receitas, de acordo com dados da EY. Os rendimentos são um aumento de 146% em relação ao mesmo período de 2016.

A Bolsa de Valores de Nova York liderou o caminho com 9,6 bilhões de dólares em valor total, ou 14 IPOs durante o primeiro trimestre. Os 5,3 bilhões de dólares em IPOs no primeiro trimestre de 2017 em Hong Kong foram seu valor mais baixo em 11 anos, segundo dados da Thomsen Reuters.

Hong Kong foi o destino principal das ações de ofertas públicas iniciais de empresas em 2015 e 2016. No ano passado, a cidade listou em suas bolsas de valores um total de 25 bilhões de dólares e 115 negócios. Seu valor de 2016 foi quase o dobro do de Nova York, que listou 13,6 bilhões de dólares em IPOs, segundo dados compilados pela EY.

(Fonte: EY)

(Fonte: EY)

Permitindo ações de dupla classificação

A fatia sem brilho do mercado de IPO de Hong Kong até agora em 2017 poderia acelerar a reforma das regras de cotação pelos reguladores de Hong Kong.

Charles Li, chefe-executivo do grupo Câmbios e Compensações de Hong Kong (HKEx), anunciou numa conferência de imprensa no início de janeiro que está consultando os acionistas sobre o lançamento de uma terceira bolsa de valores em Hong Kong, além da principal HKEX e da focada-em-tecnologia GEM, de acordo com o Diário da Manhã do Sul da China.

O mais falado sobre uma possível reforma é a aprovação da estrutura de ações de dupla classificação. Essa estrutura, que permite que as empresas tenham duas classificações de ações ordinárias com direitos de voto diferentes, é popular entre as startups, mas atualmente é proibida pelas bolsas de Hong Kong. A autorização da cotação de dupla classificação foi proposta pelas bolsas de Hong Kong em 2014, mas foi finalmente rejeitada pela Comissão de Títulos e Futuros, o órgão regulador dos títulos na cidade.

Uma terceira bolsa de valores em Hong Kong, se aprovada, provavelmente acolherá empresas com estruturas de ações de dupla classificação.

Grandes empresas determinam os vencedores

A ascensão de Hong Kong como um destino global líder de IPOs nos últimos anos tem sido um produto do crescente número de IPOs de empresas chinesas que procuram expandir seu acesso ao capital atraindo investidores estrangeiros. Antes do estabelecimento recente dos portais de conexão de títulos entre Hong Kong-Shanghai e Hong Kong-Shenzhen, os investidores estrangeiros tinham uma exposição limitada às empresas chinesas.

O IPO de uma única grande empresa poderia muitas vezes balançar as fortunas de uma bolsa de valores. Em 2014, o gigante chinês de comércio eletrônico Alibaba Group Holding escolheu sua cotação na Bolsa de Valores de Nova York em vez de Hong Kong, especificamente porque as bolsas de Hong Kong rejeitaram a estrutura de ações de dupla classificação da Alibaba. Apenas o histórico IPO de 25 bilhões de dólares da Alibaba, até agora o maior de todos os tempos, impulsionou Nova York para o topo do ranking de IPO em 2014.

Enquanto a região da Ásia-Pacífico liderou o caminho em IPOs nos primeiros três meses de 2017, a atividade foi espalhada por várias regiões. A Grande China foi a mais movimentada, seguida pelo Japão e pela Austrália. O maior IPO da Ásia por capitalização de mercado foi o da empresa de mídia Sushiro Global Holdings Ltd., que arrecadou 611 milhões de dólares em Tóquio.

Os Estados Unidos provavelmente desafiarão as bolsas asiáticas pela superioridade dos IPOs durante o resto de 2017 devido a várias IPOs de tecnologia altamente antecipadas. A AirBNB, a Palantir Technologies e a Uber são candidatas a IPOs em 2017, após o bem-sucedido IPO de 3,9 bilhões de dólares do Snapchat em março.

O ano passado foi um ano especialmente decepcionante para o mercado de IPO nos EUA. Isto se deveu principalmente ao mau desempenho do mercado de valores durante a primeira metade do ano e ao choque no meio do ano da decisão da Grã-Bretanha de deixar a União Europeia. Após uma ligeira recuperação, os investidores ficaram nervosos antes das eleições nos EUA. As condições de mercado voláteis de 2016 forçaram algumas empresas a repelir seus planos de IPO.

As maiores IPOs norte-americanas em 2016 foram as IPOs transfronteiriças da empresa de logística chinesa ZTO Express, da seguradora Athene Holdings e do fundo de investimento imobiliário MGM Growth Properties.

Ano que vem pode se tornar o maior ano de IPO da história. A determinação do destino principal de IPO em 2018 provavelmente dependerá de como a Saudi Aramco escolherá cotar suas ações.

A Aramco é a empresa estatal de petróleo da Arábia Saudita. Como parte dos planos do reino para a privatização, a Saudi Aramco está explorando uma oferta de ações de 5% em 2018. Com uma avaliação global de até 2 trilhões de dólares, o IPO de 5% da Aramco provavelmente se tornará o maior da história, arrecadando 100 bilhões de dólares em receitas.

Os sauditas estão explorando várias cotações em todo os Estados Unidos, Ásia, Reino Unido, bem como localmente na Bolsa de Valores Tadawul, na capital de Riade. Como a Aramco decidirá alocar sua venda maciça de ações determinará o destino da liderança global de IPO em 2018.

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016