Hong Kong: Jimmy Lai, magnata da imprensa, é preso sob a lei de segurança nacional

Lai prometeu ficar em Hong Kong e continuar lutando pela democracia, embora esperasse ser um dos alvos da nova legislação

Por Pachi Valencia

O fundador do Apple Daily News e ativista pró-democracia Jimmy Lai foi preso em Hong Kong em 10 de agosto por ser supostamente conivente com forças estrangeiras sob a nova lei de segurança imposta por Pequim, confirmou seu principal conselheiro no Twitter.

Por volta das 7h, a polícia despachou 10 detetives ao apartamento de Lai, que chegaram em dois carros e entraram em sua casa para investigar. Ao mesmo tempo, outra equipe de detetives chegou à residência do segundo filho de Lai em Saigon, de acordo com o Apple Daily.

Ambos foram presos.

“Jimmy Lai está sendo preso por conluio com forças estrangeiras agora”, disse Mark Simon, executivo sênior da Next Digital, na manhã de segunda-feira.

De acordo com o Apple Daily, as autoridades policiais disseram que Lai, 71, e seu filho são acusados ​​de “colaborar com forças estrangeiras”, em violação ao Artigo 29 da lei de segurança nacional imposta por Pequim.

A polícia não efetuou nenhum comentário imediato.

Esta nova lei de segurança de Hong Kong pune qualquer coisa que o Partido Comunista Chinês considere subversão, secessão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras com pena máxima de prisão perpétua.

Em 18 de abril, Lai foi preso por participar de “encontros ilegais” junto com 14 outros ativistas pró-democracia durante os protestos de 2019 contra o projeto de extradição. A prisão em massa foi saudada como a maior repressão ao movimento pró-democracia em Hong Kong, e autoridades dos Estados Unidos, Taiwan e Reino Unido expressaram preocupação.

“A aplicação da lei politizada é incompatível com os valores universais de liberdade de expressão, associação e reunião pacífica”, tuitou o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, após as prisões.

Em entrevista à Reuters em maio, Lai prometeu ficar em Hong Kong e continuar lutando pela democracia, embora esperasse ser um dos alvos da nova legislação.

A Reuters contribuiu para esta reportagem.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

China em Foco – EUA apura aplicativos da China

 
Matérias Relacionadas