Hong Kong ‘está ficando mais sombria’ após promoção do chefe de segurança a segundo no comando, afirma especialista

Por Dorothy Li

O regime comunista chinês está transformando o centro financeiro semi-autônomo de Hong Kong em outra cidade da China continental, enquanto Pequim coloca oficiais de segurança na liderança da cidade, segundo um acadêmico chinês.

Chen Kuide, um acadêmico chinês e editor-chefe da revista China in Perspective, disse que o regime comunista estava substituindo funcionários “inconsistentes com as ordens da linha dura, ou em outras palavras, as políticas de Xi em Hong Kong” está se transformando em outra jurisdição sob o controle do regime.

Chen observou que a cidade semi-autônoma está perdendo seu sistema jurídico independente, que se baseava na lei comum inglesa devido à sua história como colônia britânica, após a promulgação da lei de segurança nacional imposta por Pequim em agosto passado. Mas Hong Kong conquistou sua reputação financeira porque valorizou o Estado de Direito.

“Hong Kong quase perdeu sua singularidade no mundo”, disse Chen em uma entrevista ao Epoch Times em 25 de junho.

Em 25 de junho, Pequim nomeou o chefe de segurança John Lee para o segundo posto mais alto do governo de Hong Kong. Lee é o responsável pela aplicação da lei de segurança nacional de Pequim.

A nomeação aconteceu um dia depois que um jornal pró-democracia local, o Apple Daily, publicou sua última edição . A publicação foi forçada a fechar após o congelamento de seus principais ativos e a prisão de seus executivos, a quem Lee acusou de usar “a cobertura jornalística como uma ferramenta” para colocar em risco a segurança nacional.

Chen disse ao Epoch Times que Pequim está “transformando rapidamente Hong Kong em outra cidade do continente chinês, com controles ainda mais rígidos em algumas partes”. Chen interpretou a rápida ascensão de Lee como um sinal de que o regime comunista continuará a aplicar sua abrangente lei de segurança nacional.

“Hong Kong está ficando mais sombria”, disse Chen.

No entanto, Chen Yonglin, um ex-diplomata chinês, disse que a “comunização” de Hong Kong é “o primeiro passo do Partido Comunista Chinês”.

“O próximo é Taiwan”, disse ele ao Epoch Times na entrevista de 25 de junho.

O regime chinês há muito reivindica Taiwan, uma nação independente de fato, como sua província, usando a autonomia de Hong Kong como uma vitrine para convencer Taiwan a aceitar o controle de Pequim sob o mesmo modelo de “um país, dois sistemas”.

Quando a soberania de Hong Kong passou do Reino Unido para a China em 1997, Pequim prometeu que permitiria à cidade desfrutar de certo grau de autonomia e manter seu modo de vida dentro do sistema de regime comunista por 50 anos.

No entanto, “Hong Kong está agora sob controle. Obviamente, o uso da força é a única forma de lidar com Taiwan”, disse Chen Yonglin.

Ele acrescentou que o apoio claro dos EUA continua sendo crucial para a segurança da ilha, e qualquer ” ambiguidade estratégica ” pode fazer com que Taiwan repita a história de Hong Kong. Chen sugeriu que o governo Biden esclarecesse que os Estados Unidos ajudarão Taiwan se Pequim iniciar uma guerra.

Ele disse que se Taiwan cair nas mãos do regime comunista, o próximo alvo de Pequim serão os Estados Unidos.

Desde o governo Clinton, Washington mantém sua política de ambiguidade estratégica quando questionado se apoiará Taiwan no caso de um ataque da China continental, embora sua postura contra o regime chinês esteja ficando mais dura desde o ex-presidente Donald Trump.

Com informações de Luo Ya.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas