Hong Kong amplia o maior desafio da China – Taiwan

À luz dos protestos de Hong Kong e outros eventos complexos e “provocativos”, a China adverte os Estados Unidos para “serem prudentes” sobre Taiwan.

Por James Gorrie

Os protestos de Hong Kong estão aumentando as já elevadas tensões entre os Estados Unidos e a China. Mas a maior preocupação da China não é na verdade Hong Kong. Não são as tarifas americanas dolorosas, a proibição cara de equipamentos de rede da Huawei, ou mesmo o apoio diplomático dos Estados Unidos aos manifestantes.

Todas essas políticas certamente adicionaram considerável atrito às relações sino-americanas, mas o aprofundamento do relacionamento americano com Taiwan é a maior preocupação deles. A situação de Hong Kong e Taiwan não estão diretamente relacionadas, mas cada um definitivamente afeta o outro.

China precisa de Hong Kong para continuar sendo um gateway financeiro

Por um lado, o líder chinês, Xi Jinping, não pode se dar ao luxo de prejudicar os benefícios financeiros e diplomáticos críticos que Hong Kong proporciona a Pequim e à economia chinesa. Hong Kong continua sendo a principal porta de entrada da China para relações financeiras e comerciais globais.

Por outro lado, se não contido, o movimento poderia levar a outras rebeliões contra o Partido Comunista Chinês (PCC). Essa possibilidade pode forçar Xi a reprimir os manifestantes jogando o “Artigo 14”. O Artigo 14 diz que as forças militares chinesas baseadas em Hong Kong não interferirão nos assuntos locais, a menos que o governo de Hong Kong solicite assistência “na manutenção da ordem pública”.

Tal pedido da diretora executiva de Hong Kong, Carrie Lam, poderia ocorrer a qualquer momento.

Xi Jinping vai usar o artigo 14?

Parece que Xi pode estar se inclinando nessa direção, ou pelo menos está usando ameaça de fazer isso. Por exemplo, a mídia estatal da China acusou os Estados Unidos de estarem por trás dos protestos. Culpar interferências estrangeiras tem sido usado no passado como pretexto para repressão.

Em uma coletiva de imprensa em 24 de julho, Wu Qian, porta-voz do Ministério da Defesa de Xi, não dissipou esses temores quando disse que “algumas ações de manifestantes radicais desafiam a autoridade do governo central e os resultados de ‘um país, dois sistemas’.” Ela também acrescentou que o ministério seguiria o Artigo 14 da Lei Básica de Hong Kong.

O PCC está prevendo a intervenção militar em Hong Kong? Se sim, como os Estados Unidos responderiam?

Os Estados Unidos removerão os privilégios de Hong Kong?

Tal movimento da China poderia chegar a um preço muito alto. Os Estados Unidos podem responder jogando o “cartão da Lei de Políticas dos Estados Unidos para Hong Kong”.

A Lei de Políticas dos EUA-Hong Kong aprovada pelo Congresso em 1992 confere a Hong Kong privilégios econômicos e comerciais especiais que incluem o acesso a tecnologias restritas e uma troca de moeda aberta entre Hong Kong e o dólar americano, como se fosse uma entidade política separada da China. O tratamento privilegiado de Hong Kong pelos Estados Unidos, juntamente com sua reputação como centro de finanças internacionais, tem sido uma vantagem fundamental para as relações comerciais e financeiras da China com o resto do mundo.

A interferência militar da China poderia levar os Estados Unidos a anular o Ato de Política dos Estados Unidos-Hong Kong. É provável que haja uma retirada financeira adicional de Hong Kong pela comunidade internacional, um golpe que a economia em dificuldades da China não pode pagar. Além disso, reduziria a posição da China no mundo e elevaria o perfil de Taiwan como um santuário para os manifestantes pacíficos vitimados pelas tropas militares de Xi.

Uma confluência de eventos arriscados

Para evitar tais catástrofes em potencial, Xi deve adotar uma abordagem menos conflituosa para resolver o movimento de protesto de Hong Kong, ou esperar que perca força ou apoio público. Ao mesmo tempo, ele deve, de alguma forma, impedir os Estados Unidos de expandirem seu já profundo relacionamento com Taiwan.

Isso pode ser difícil e arriscado para ambos os lados, já que uma confluência de eventos continua a adicionar novas complexidades.

No início deste mês, Washington aprovou um acordo de armas multibilionário com Taipei, que inclui a venda de 108 tanques Abrams, 250 mísseis e equipamentos relacionados. Isto segue um acordo de 2018 para vender à Taiwan 144 jatos de combate F-16V atualizados.

Ambas as vendas de armas foram problemáticas para a China. Eles estão em desacordo com o voto de Xi no início deste ano, de re-unir a China e Taiwan, e em que ele advertiu que a China se reserva o direito de usar a força para fazê-lo, se necessário.

O aumento da frequência de navios de guerra americanos no Estreito de Taiwan sob o governo Trump também irritou o regime chinês.

Virando a retórica

A China respondeu às políticas norte-americanas com retórica geralmente reservada a seu público interno, anunciando em 24 de julho, que está pronta para entrar em guerra se os Estados Unidos continuarem pressionando pela independência de Taiwan.

Mais ou menos na mesma época, sobre o Mar do Japão, caças chineses, russos, japoneses e sul-coreanos se sobrepuseram a trajetórias de voo em uma exibição perigosa de reivindicações territoriais concorrentes. E em 24 de julho, a Coreia do Norte, que depende da China para alimentos, óleo para aquecimento e outros itens essenciais, realizou dois lançamentos de mísseis de curto alcance que a Coreia do Sul identificou como um novo tipo de ameaça.

Alavancagem coordenada para barganhar com os Estados Unidos?

As chances de que esses eventos não estejam relacionados parecem improváveis. A guerra, ou mesmo a ameaça de guerra, é uma tática de alto risco que pode facilmente aumentar em detrimento de todos.

No entanto, pode ser que a China, ao ameaçar a guerra com os Estados Unidos por causa de sua relação com Taiwan, intente tanto impedir que os Estados Unidos vendam armas a Taiwan quanto minimizar o retorno no caso de uma repressão em Hong Kong se na verdade, isso vier a acontecer.

Essa é uma abordagem racional para a China tomar? Pode ser. Como a situação de Hong Kong se desenrola continua a ser vista. Mas está longe de certo que o que acontece em Hong Kong ficará em Hong Kong.

James Gorrie é um escritor baseado no Texas. Ele é o autor de “The China Crisis”.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 

 
Matérias Relacionadas