Homem que filmou cadáveres no hospital de Wuhan se depara com a polícia ao chegar em casa

Os trabalhadores do crematório em Wuhan descreveram longas horas de trabalho, em um esforço para lidar com o repentino aumento de corpos que precisam ser cremados

Por Eva Fu

Fang Bin, um morador de Wuhan que afirma ser jornalista na principal cidade chinesa afetada pelo coronavírus, esperava que a polícia o localizasse mas certamente ele não esperava que isso acontecesse tão rapidamente.

Durante dias, Fang estava dirigindo, documentando todas as etapas de sua jornada por telefone para relatar a vida em uma cidade agora fechada pela quarentena do coronavírus.

Na manhã de 1º de fevereiro, ele visitou cinco hospitais, onde registrou médicos que corriam pelos corredores lotados e pacientes frenéticos que gemiam e choravam. No quinto hospital, ele contou oito corpos de uma van fúnebre, todos cinco minutos depois de sua chegada ao hospital. Uma criança doente estava gemendo e ofegando ao lado de seu pai, que já estava sem vida. Fang enviou todos esses momentos para a Internet.

Por volta das 19h, naquela noite, meia dúzia de homens mascarados, vestidos com vestimentas de proteção, visitaram sua propriedade, exigindo medir sua temperatura.

“Você esteve em lugares perigosos. Temos que descobrir se você está infectado ou não ”, disseram à Fang.

Alegando serem médicos de plantão, eles indicaram que era um “perigo” para outros irem a hospitais sem a devida proteção de saúde e invadiram sua casa, ignorando os repetidos protestos de Fang de que sua temperatura estava normal.

Os homens levaram seu laptop, um computador e um celular. A próxima coisa que ele soube foi que ele foi parar em uma delegacia.

A polícia o interrogou sobre os vídeos que ele havia publicado. “Você acendeu uma bomba nuclear”, disseram eles no meio de um interrogatório, segundo Fang.

Fang disse que também foi acusado de receber dinheiro de “forças estrangeiras” e eles ameaçaram colocá-lo em quarentena por “criar medo”.

“Só deveria haver uma voz, caso contrário isso criaria caos”, disseram eles.

Ele foi finalmente libertado em 2 de fevereiro e recuperou o telefone.

Fang, que conseguiu encontrar uma bicicleta e pedalou mais de três horas até sua casa, deu crédito aos usuários de mídia social por seu apoio. Ele explicou que as autoridades mudaram de tom depois de ver que seus vídeos se tornaram virais. Em outro post, em 3 de fevereiro, ele disse ter recebido pelo menos milhares de pedidos de amizade no WeChat, a popular plataforma chinesa de mensagens, acrescentando que apenas responder a mensagens online levava horas.

“A justiça está no coração do povo”, disse ele.

Um membro da equipe médica (C) pulveriza um paciente com desinfetante após retornar de um hospital e voltar a entrar em uma área de quarentena em Wuhan, na província central de Hubei, China, em 3 de fevereiro de 2020 (STR / AFP via Getty Images)
Um membro da equipe médica (C) pulveriza um paciente com desinfetante após retornar de um hospital e voltar a entrar em uma área de quarentena em Wuhan, na província central de Hubei, China, em 3 de fevereiro de 2020 (STR / AFP via Getty Images)

A mídia estatal chinesa alertou sobre as graves consequências para quem “espalhoasse boatos”.

Citando profissionais jurídicos anônimos, a agência de notícias estatal Xinhua em 26 de janeiro alertou indivíduos para “não fabricar e disseminar informações falsas sobre o coronavírus” nas mídias sociais ou correr o risco de até sete anos de prisão.

Fang, que também vende roupas tradicionais chinesas chamadas “Hanfu” em Wuhan, argumenta que a chave para conter o surto é a transparência das informações.

Em 30 de dezembro, o médico de Wuhan Li Wenliang tentou alertar seus colegas médicos do WeChat sobre um vírus misterioso e foi rapidamente colocado sob investigação policial, juntamente com outros sete profissionais médicos que fizeram o mesmo. Isso ocorreu um dia antes de a Comissão Municipal de Saúde de Wuhan realizar uma reunião de emergência e anunciar a notícia do surto.

No entanto, a polícia fez Li assinar uma declaração na qual ele reconheceu sua má conduta e prometeu não repetir a “conduta ilegal”. Li foi diagnosticado com o vírus em 2 de fevereiro depois de tratar uma pessoa infectada sem saber.

Os trabalhadores do crematório em Wuhan descreveram longas horas de trabalho, em um esforço para lidar com o repentino aumento de corpos que precisam ser cremados.

Yun, que trabalha na Caidian Funeral Home, disse ao jornal chinês Epoch Times em 4 de fevereiro que 90% da equipe estava de serviço 24 horas por dia.

“Nós realmente precisamos de mais mão de obra”, disse ele. “Todos os dias, precisamos de pelo menos 100 sacolas”.

Para Fang, sua libertação também não significa estar seguro em sua casa.

Em 4 de fevereiro, pessoas vestidas com roupas de proteção apareceram pelo menos três vezes na porta. Na primeira vez às 21h, eles disseram que estavam entregando vegetais aos residentes. Cerca de uma hora depois, um grupo diferente chegou, identificando-se como policiais e começou a tirar fotos. O chefe do grupo, que Fang reconheceu como chefe da delegacia de Houhu, disse que queria tomar um chá. Fang não o recebeu.

Fang acredita que o surto em Wuhan é, pelo menos em parte, um “desastre causado pelo homem”. Ele também disse que não desistiria apesar da pressão.

“Enquanto estiver aqui, eu farei vídeos. Contanto que você assista aos meus vídeos, isso significa que estou seguro”, disse ele.

Siga Eva Fu no Twitter: @EvaSailEast

 

 
Matérias Relacionadas