Homem é salvo por uma coincidência surpreendente durante a Segunda Guerra

David Chethlahe Paladin, nascido em 1926, teve uma juventude problemática. Ele era filho de um missionário branco e de uma mulher navajo, e as freiras em seu internato indiano o separaram por causa de sua pele clara. Elas “cruelmente maltratavam as crianças de muitas maneiras”, disse a viúva de Paladino, Lynda Paladin, por e-mail.

Na adolescência, ele fugiu e começou a trabalhar em um navio mercante. Enquanto trabalhava no navio, ele se tornou amigo de um jovem alemão chamado Ted Keck.

“Ele era um jovem adorável e intenso”, disse Paladin. Lynda enviou ao Epoch Times as transcrições das palestras que Paladin deu antes de sua morte, em 1984. Como era um homem de muitos talentos e experiências notáveis, ele geralmente proferia palestras publicamente durante a segunda metade de sua vida.

Keck e Paladin separaram-se na Austrália, e Paladin finalmente desembarcou em Baltimore, Maryland. A Segunda Guerra Mundial começou e Paladin foi recrutado como membro do Escritório de Serviços Estratégicos (OSS, em inglês). O OSS era uma agência de inteligência em tempo de guerra, um precursor da Agência Central de Inteligência (CIA).

Em uma das palestras, Paladin explicou seu trabalho no OSS: “Como eu era um fugitivo e tinha sucesso em sobreviver, as autoridades achavam que eu seria um membro ideal do OSS. … Seu conjunto de membros era composto por ladrões de bancos, especialistas em segurança, fugitivos, etc. Nós éramos um grupo estranho de rebeldes que o governo sentia que poderia lidar com certas tarefas que outras pessoas não poderiam. Eu fui treinado para roubar aviões, explodir cofres, escalar muros e outras coisas”.

“Como espião, fui condenado à morte”

Uma foto de arquivo de um campo de concentração. (Ron Porter)
Uma foto de arquivo de um campo de concentração. (Ron Porter)

Escondido atrás das linhas inimigas, usando um uniforme alemão, Paladin foi preso. Ele foi levado para um centro de internação em Furstenberg, na Alemanha, antes de ser enviado para Dachau. “Eu não era considerado um prisioneiro militar, porque eu estava em conflito direto com a Conferência de Genebra e do comportamento militar honroso”, disse ele. “Como espião, fui condenado à morte”.

“Enquanto eu estava sendo julgado … um jovem oficial alemão da S.S. caminhou para nos olhar”, disse ele.

“Era o Ted Keck”.

Nenhum oficial tentou ajudá-lo em nenhum dos campos alemães em que esteve, apenas Keck ajudou Paladino, no momento crucial.

Keck trocou as etiquetas de identificação de Paladin com outra pessoa, e Paladin foi colocado em um ônibus com trabalhadores de campo, que também eram prisioneiros.

“Eu devo a Ted Keck minha vida”, disse Paladin. “Infelizmente, alguma outra pessoa foi morta no meu lugar”.

David Paladin (Cortesia de Lynda Paladin)
David Paladin (Cortesia de Lynda Paladin)

Para mais artigos sobre coincidência, veja o tópico especial do Epoch Times aqui.

Siga @TaraMacIsaac no Twitter e visite a página Epoch Times Beyond Science no Facebook para continuar explorando as novas fronteiras da ciência!

Em Beyond Science, o Epoch Times explora pesquisas e relatos relacionados a fenômenos e teorias que desafiam nossos conhecimentos atuais. Nós mergulhamos em ideias que estimulam a imaginação e abrem novas possibilidades. Compartilhe seus pensamentos conosco sobre esses tópicos às vezes controversos na seção de comentários abaixo.

Leia também:

Jogador de futebol americano sobrevive por milagre a acidente terrível

 
Matérias Relacionadas