Homem é indiciado por crime de ódio por atacar estandes de informações do Falun Gong

“Nunca vi nada assim desde que vim para a América, há mais de 10 anos”

Por Eva Fu 

NOVA IORQUE — Homem foi preso quatro dias após rasgar violentamente estandes de informações em Flushing, que destacavam a perseguição de longa data do Partido Comunista Chinês (PCCh) ao grupo de fé Falun Gong.

O agressor, Zheng Buqiu, de 32 anos, foi preso por volta do meio-dia de 15 de fevereiro no cruzamento entre a Main Street e o Kissena Boulevard, não muito longe dos quatro postos de informações que ele havia repetidamente alvejado na tentativa de sabotagem desde quinta-feira passada.

A polícia o acusou de crime de ódio e dano criminal em quarto grau, relatou um oficial ao Epoch Times. Ambos os crimes são puníveis com até um ano de prisão.

Zheng Buqiu ataca um estande de informações do Falun Gong, em Flushing, Nova Iorque, no dia 10 de fevereiro de 2022 (Captura de tela via Epoch Times)
Zheng Buqiu ataca um estande de informações do Falun Gong, em Flushing, Nova Iorque, no dia 10 de fevereiro de 2022 (Captura de tela via Epoch Times)

‘Audácia’

Zheng, vestindo um boné preto e camisa preta revelando tatuagens cobrindo os braços e partes do peito, começou seu vandalismo na rua principal de Flushing. Em um estande de informações em frente ao Golden Shopping Mall, na sexta-feira, ele socou e chutou uma placa de exibição impressa com as palavras “Verdade, Compaixão e Tolerância” – os três princípios da disciplina espiritual Falun Gong, mostram as imagens do incidente.

Ele então usou seus dois braços para derrubar uma mesa antes de arrastar as tábuas destruídas. O homem também pisou em um alto-falante portátil, quebrando-o em pedaços. Folhetos informativos foram deixados espalhados pelo chão, assim como molduras de metal que sustentavam as placas.

No início do dia, Zheng atingiu outro estande em frente à Biblioteca Pública do Queens, jogando todos os seus materiais de informação no chão e tentando quebrar a mesa, que os voluntários tentaram proteger com seus corpos. O homem saiu antes de retornar pouco depois sem camisa, arrancando uma placa de exibição antes que os voluntários o impedissem de causar mais danos.

Zheng Buqiu ataca um estande de informações do Falun Gong em Flushing, Nova Iorque, no dia 10 de fevereiro de 2022 (Captura de tela via Epoch Times)
Zheng Buqiu ataca um estande de informações do Falun Gong em Flushing, Nova Iorque, no dia 10 de fevereiro de 2022 (Captura de tela via Epoch Times)

Xu Weiguo, uma voluntária que filmou parte da destruição no shopping, ficou sem dormir naquela noite.

“Como mulher aqui, isso é realmente perturbador”, declarou ela ao Epoch Times na sexta-feira. “Nunca vi nada assim desde que vim para a América, há mais de 10 anos”.

Ela e outros voluntários veem o ataque do homem como parte da campanha de intimidação orquestrada pelo Partido Comunista Chinês para impedi-los de se pronunciarem contra as violações dos direitos humanos cometidos pelo regime.

“Deixou um medo persistente em mim”, afirmou ela. A “audácia daquele homem, mesmo em solo americano”, declarou ela, estava “simplesmente além da compreensão”.

Os adeptos do Falun Gong têm sido sistematicamente perseguidos pelo PCCh por mais de duas décadas. Aqueles no exterior que buscam aumentar a conscientização sobre essa questão têm experimentado esforços consistentes do PCCh e seus representantes para frustrar suas atividades.

Zheng Buqiu ataca um estande de informações do Falun Gong em Flushing, Nova Iorque, no dia 10 de fevereiro de 2022 (Captura de tela via Epoch Times)
Zheng Buqiu ataca um estande de informações do Falun Gong em Flushing, Nova Iorque, no dia 10 de fevereiro de 2022 (Captura de tela via Epoch Times)

Durante a campanha de erradicação pelo regime, em andamento desde 1999, estima-se que milhões de praticantes do Falun Gong foram presos e outras instalações, onde são submetidos a trabalhos forçados, espancamento, alimentação forçada e abuso sexual destinados a coagi-los a desistir de sua fé. Adeptos presos também foram submetidos à extração forçada de órgãos.

Quando os Jogos Olímpicos começaram em Pequim, o Centro de Informações do Falun Dafa, com sede em Nova Iorque, identificou mais de uma dúzia de campos de prisioneiros ao redor das instalações olímpicas em Pequim e nas cidades próximas, onde ainda ocorrem detenções e torturas.

Zheng fez vários outros ataques na sexta-feira e na manhã de segunda-feira. Ele foi preso cerca de uma hora após derrubar uma mesa de informações na biblioteca e arrancar flores de lótus decorativas que revestiam o estande do Falun Gong, o que fez com que os adeptos alertassem a polícia.

Pelo menos seis policiais estavam presentes para prender o homem, que estava vestindo uma jaqueta com capuz e boné preto, mostram imagens de vídeo da prisão. Zheng foi algemado e escoltado para o carro da polícia.

A polícia prende Zheng Buqiu por atacar estandes de informação mantidas por praticantes do Falun Gong, em Flushing, Nova Iorque, no dia 15 de fevereiro de 2022 (Fornecido por praticantes do Falun Gong)
A polícia prende Zheng Buqiu por atacar estandes de informação mantidas por praticantes do Falun Gong, em Flushing, Nova Iorque, no dia 15 de fevereiro de 2022 (Fornecido por praticantes do Falun Gong)

Um apelo à conscientização

Yi Rong, porta-voz do Centro Espiritual do Falun Gong, expressou apreço e alívio pela prisão de Zheng. Ela agradeceu à polícia por tomar medidas imediatas para “restaurar a paz na comunidade Flushing”.

O assédio consistente contra o Falun Gong causou uma sensação de insegurança na comunidade chinesa, relatou Yi, que instou o governo dos EUA a aumentar as medidas para proteger a comunidade do Falun Gong para que crimes de ódio como esse não aconteçam novamente.

Muitos desses voluntários que estão no estande experimentaram a perseguição do regime chinês em primeira mão antes de buscarem refúgio nos Estados Unidos e esperam que o governo dos EUA proteja sua liberdade de crença, declarou Yi ao Epoch Times.

O mesmo sentimento também foi compartilhado pela líder distrital da assembleia estadual, Martha Flores-Vazquez. Em uma reunião que ela organizou no domingo, ela apontou para a mesa que uma vez foi derrubada pelo agressor, chamando isso de “um grande desrespeito”.

“Não acolhemos os crimes de ódio, não acolhemos as atividades criminosas que vêm aqui para desmantelar uma mesa, desmantelar uma cultura”, declarou ela. “Esta não é a China, esta é a América”.

Os estandes de informação têm sido um dos principais meios para os adeptos do Falun Gong informarem moradores e turistas sobre a situação de seus companheiros adeptos na China. Isso também os tornou um alvo proeminente para ataques.

Durante meses em 2008, multidões de chineses agitaram bandeiras comunistas vermelhas, cuspiram, xingaram e atacaram fisicamente praticantes do Falun Gong em Flushing, que distribuíam materiais impressos relacionados ao Falun Gong. Incidentes semelhantes ocorreram em outros lugares, inclusive na Austrália, Japão e, mais recentemente, em Hong Kong.

Em abril passado, criminosos mascarados vandalizaram seis estandes de informação em vários distritos de Hong Kong cerca de uma dúzia de vezes, utilizando facas e tinta spray para danificar a sinalização nas arquibancadas. A perda financeira causada foi estimada em cerca de US $3.845.

Não importa como, Yi jurou que eles não serão silenciados.

“Não desistimos de nossa crença na China continental, muito menos desistiremos aqui”, afirmou ela.

Linda Lin contribuiu para esta reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas