Homem de Ohio sobrevive ao vírus do PCC e conta sua história para ajudar os outros: “Ele ia morrer”

Por Louise Bevan

Um avô de 55 anos de Warren, Ohio, compartilhou fotos de sua cama de hospital após uma experiência de quase morte com o vírus do PCC, comumente conhecido como coronavírus. Sua história de luta e recuperação está tocando as pessoas globalmente.

Vídeo: Experiência de quase-morte de um paciente com COVID- 19

Depois de voltar para casa do hospital, Kevin Harris conversou com o Epoch Times por telefone. Kevin disse que não é um herói, mas que simplesmente deseja compartilhar sua experiência, na esperança de que ele ofereça segurança e ajude a dissipar a desinformação. Ele representa uma comunidade crescente de pessoas que experimentaram e superaram o vírus do PCC.

“Você tem que ter força dentro de si”, disse Kevin. “Com o vírus, você precisa ser positivo, precisa orar, e esses respiradores, que oxigênio, remédios, não estão curando você – estão dando tempo. Hora do sistema imunológico que Deus nos deu para entrar em ação e nos curar. ”

(Captura de tela a partir da imagem de vídeo do Instagram | Kevin Harris)

“Fiquei doente na terça-feira [3 de março]”, disse Kevin, “e não fui ao hospital até domingo. Eles realmente não sabiam o que havia de errado comigo até quinta-feira”.

Kevin foi internado no Hospital St. Joseph Warren da Mercy Health em 8 de março de 2020, após sofrer febre, falta de ar, fadiga e tosse persistente. Ele foi diagnosticado com o vírus do PCC três dias depois. O Epoch Times refere-se ao novo coronavírus, que causa a doença COVID-19, como o vírus do PCC porque o encobrimento e a má administração do Partido Comunista Chinês permitiram que o vírus se espalhasse por toda a China e causasse uma pandemia global.

(Captura de tela a partir da imagem de vídeo do Instagram | Kevin Harris)

Após o diagnóstico, Kevin filmou um vídeo de sua cama de hospital em sua unidade de isolamento e o publicou no Facebook. Até o momento, o vídeo foi visto mais de 359.000 vezes apenas no Facebook.

Refletindo sobre seu isolamento, Kevin, pai de quatro filhos e avô de três, disse ao Epoch Times: “Embora eu goste de ficar sozinho, quando você está doente e pensa que vai morrer, você quer sua família ao seu lado. Penso em todas as pessoas que morreram sozinhas porque sua família não esteva lá”.

A equipe médica vestida da cabeça aos pés com equipamentos de proteção foi a única visita de Kevin. Respondendo à condição decadente de Kevin, eles informaram ao paciente que havia pouco que podiam fazer por ele. Kevin lembra de se sentir “cada vez mais deprimido, zangado e sem esperança”.

(Foto cedida por Kevin Harris)

“Tudo o que você pode fazer é rezar”, disse Kevin. “E foi o que fiz, muita oração, e sei que muitas pessoas oraram por mim, mas isso realmente não fez muito pelo meu espírito, porque eu continuava sabendo que iria morrer”.

Mesmo quando Kevin começou a se sentir melhor, os raios-X indicavam o contrário. A experiência da doença de Kevin também piorou. Nove dias após ser internado no hospital, Kevin ficou com o estômago enjoado e não conseguiu se sentar. Então ele encontrou um paradoxo. “[Ele poderia] respirar novamente”, disse ele. “Então, eu estava realmente querendo passar pela pior parte novamente, porque sabia que me sentia melhor do que nunca”.

Kevin disse: “Se eu posso ficar de pé e tirar a coisa dos meus pulmões, pneumonia e coração, não importa o quão ruim eu me sinto […] eu sabia que iria viver”.

Ele disse ao Epoch Times que inventou um novo mantra: “Eu vou viver”. Três dias depois, Kevin estava andando. No dia seguinte, ele conseguiu sair do hospital. “Fiquei muito emocionado”, disse ele, “porque comecei a perceber que não morria”.

(Foto cedida por Kevin Harris)

Em poucos dias, Kevin recuperou a vontade e a capacidade de subir e descer as escadas, cozinhar alimentos e tomar banho. “Ainda não superei”, disse ele ao Epoch Times. “Eu não superei isso e é isso que muitas pessoas não sabem. Elas querem que você saia do hospital o mais rápido possível para deixar alguém mais doente na cama”.

Kevin recebeu um coquetel de doses altas de vitamina C, remédio para tosse e um antiviral experimental, uma vacina contra a malária e antibióticos, segundo o New York Post. No entanto, não há vacinas para o novo vírus no momento. O Epoch Times publicou em um relatório datado de 16 de março de 2020, que ainda não existem tratamentos comprovados disponíveis, embora alguns medicamentos “tenham demonstrado eficácia em algumas situações e estejam sendo melhor testados pelos pesquisadores”.

O filho de Kevin, que joga futebol na Universidade de Ohio, ainda está na faculdade com o cachorro da família. Estando sozinho em casa, Kevin encontrou consolo em uma fonte impensável: telefonemas de pessoas de todo o mundo.

“Eu tinha pessoas que ligaram da Austrália, Noruega, Holanda”, disse Kevin. “De todo o mundo. Conversar com eles faz com que se sintam bem porque não consigo alcançar as pessoas porque ainda estou muito isolado”.

Kevin Harris e seu filho (Foto cortesia de Kevin Harris)

No entanto, Kevin disse que as histórias de recuperação não são motivo de complacência. As medidas de precaução agora, disse ele, vão salvá-lo contra uma resposta de pânico mais tarde; seja mais ativo e não reativo.

“Na televisão americana, todos são tão felizes e despreocupados, e vejo algumas pessoas que mantêm distância social”, disse ele, “mas há muitas pessoas que não fazem isso, não entendem, não escutam”.

Refletindo sobre sua provação como um todo, Kevin disse que sua maior lição era simplesmente ser ele mesmo em sua expressão máxima. Ele encoraja outros a fazer o mesmo. “Eu sei quem sou e sei quem quero ser para minha família”, disse ele, “para minha comunidade, para meu Deus […] eu vou ser mais de mim”.

“Se eu falei alto, quero falar mais alto”, concluiu Kevin. “Se foi um pouco ridículo, eu serei mais ridículo. E se eu vou amar, vou amar muito mais”.

 
Matérias Relacionadas