“Hoje é o dia!”: as ruas de Caracas em imagens depois do chamado de Guaidó (Vídeo)

Guarda Nacional Bolivariana permanece em Altamira e, de acordo com relatos de jornalistas venezuelanos, os confrontos estão cada vez mais fortes entre os grupos fardados leais a Maduro e os que são leais a Guaidó

Por Biobio.cl

Informações continuam chegando da Venezuela, mas também as imagens, aquelas que falam em segundos através das redes sociais neste dia, antes de 1º de maio, quando o presidente Juan Guaidó convocou uma manifestação massiva.

Entre os principais pontos em que se distribuem a mídia local, como Vivo Play, Tele Metro e NTN24, está Altamira. Lá a situação parece complexa neste momento após a troca de tiros e bombas de gás lacrimogêneo entre cidadãos e militares rebeldes contra aqueles que ainda permanecem leais a Maduro.

A base aérea La Carlota, em Caracas, foi outro dos principais locais alvos de protestos e confrontos, sem que se saiba um número exato dos feridos durante os eventos de última hora.

“Eles estão cara a cara, irmãozinho.” Os venezuelanos estão encarregados, assim como a mídia, de enviar os registros de um confronto que aparentemente está se formando, literalmente, na nação sul-americana, com o passar das horas.

A Guarda Nacional Bolivariana permanece em Altamira e, de acordo com relatos de jornalistas digitais venezuelanos, os confrontos estão cada vez mais fortes entre os grupos fardados leais a Maduro e os que são leais a Guaidó.

Juan Guaidó, enquanto isso, esteve em Altamira, principal foco dos distúrbios. Lá ele percorreu as ruas com seus partidários e em meio aos confrontos esta manhã. Isso foi mostrado pela mídia Vivo Play no Twitter.

Com as imagens chegaram também várias vários pontos de vista sobre a chamada Operação Liberdade. Os militares que se revoltaram contra Nicolás Maduro, sem saber o número exato, foram aplaudidos nas ruas.

Um desses militares, agora do lado de Guaidó, declarou à mídia venezuelana: “A única coisa que posso dizer é que muitos de nós foram dominados por uma política de terrorismo que não nos permite pensar nem agir”.

Emissoras como a Telesur, por sua vez, estão transmitindo uma manifestação em Caracas, com partidários de Maduro cantando slogans em seu favor e chamando a operação da oposição de “golpe de Estado”. Eles chamam a população para que defendam a “Revolução Bolivariana” estabelecida por Hugo Chávez.

 
Matérias Relacionadas