Histórias da Antiga China: A virtude é recompensada e os atos maus são castigados

As mentiras perversas destroem os nomes bons e quem mentiu

Por Yuxiang, Minghui.org

Na cultura tradicional chinesa sustenta-se que virtudes como castidade, compensação por erros passados e promover bons valores, sempre têm sido importante aos olhos dos deuses. Aqueles que mantém sua moralidade são abençoados. Aqueles que abrigam a promiscuidade, ciúmes, ódio, que difamam os outros e propagam ideias pecaminosas, estão destinados a serem castigados, eles terão sua boa fortuna retirada nas suas vidas.

Abaixo apresentamos alguns exemplos de histórias da antiga China:

1. Resistir à luxúria traz riqueza e longevidade

Sun Hou foi um erudito da Dinastia Ming. Como era pobre, trabalhava para uma família rica em troca de comida e moradia. Uma noite, uma das empregadas foi à sua casa e quis passar a noite com ele. Ele a repreendeu por sua conduta e explicou a ela porque isso era errado. O professor pessoal da família o escutou repreender a empregada e soube o que ocorreu. O professor pediu para que a empregada voltasse à sua casa.

O professor logo teve um surto de feridas que não desapareciam. Então a família promoveu Sun à professor da família.

O tio de Sun contou sobre um sonho que teve. Viu que Sun supostamente morreria de fome aos 46 anos, mas, por ele ter resistido à luxúria, um ser divino permitiu que ele vivesse mais 24 anos, com boa fortuna.

Sun teve muitos alunos em sua vida, e ganhou muito dinheiro lecionando. Sua fortuna o permitiu ter uma boa vida durante o período de fome. Ele morreu calmamente aos 70 anos, sem dor e enfermidades.

2. Renunciar aos maus atos e evitar infortúnios

Um homem chamado Yan Hui’an veio de uma família rica. Quando era jovem, gostava de contar histórias eróticas para seus amigos. Olhava furtivamente e flertava com sua vizinha. Por dois anos morou em uma cidade distante de sua cidade natal, para realizar a prova e ser um oficial local. Em vez de estudar, ele usava seu tempo para beber, visitar bordéis e fazer apostas em jogos de azar.

Em seu terceiro ano fora de casa, ele encontrou um homem que estava distribuindo livros com ensinamentos taoístas, que explicavam sobre o comportamento moral. Ele leu os livros somente por curiosidade, e percebeu que o que estava fazendo era proibido por todos os santos e sábios.

Daquele dia em diante, ele deixou de ser promíscuo e se tornou determinado a estudar para passar no exame. Ele também imprimiu milhares de cópias desses livros para distribuí-los gratuitamente, esperando salvar mais pessoas que estavam perdidas como ele esteve.

No ano seguinte, saiu-se muito bem no exame e conquistou o primeiro lugar.

Um de seus companheiros se recusou a ouvi-lo e não quis mudar seu comportamento promíscuo. Eles o pegaram cometendo adultério com a esposa de outro homem e concordou em pagar uma grande quantidade de dinheiro após levar uma surra. Logo percebeu que seu pai ficaria furioso e se recusaria a ajudá-lo a pagar à dívida. Então, ele cometeu suicídio.

3. Compensar seus erros para ter uma vida boa novamente

Um amigo de classe de Sun Hong recebeu uma carta de seu pai, a qual incluía a história de um sonho que previa que Sun seria reprovado em um exame que precisava passar. A fortuna de Sun foi anulada porque ele ajudou um casal a se divorciar.

Sun recordou que na época achou que não teria consequências em ajudar o casal nos papéis para o divórcio. Seu amigo de classe disse que era apenas um sonho, e que uma pessoa tão inteligente e segura como ele, passaria no exame. Porém, Sun não passou, mas seu amigo de classe sim.

Seu amigo de classe lhe ofereceu ajuda, vendo que ele estava arrependido de ter ajudado o casal no divórcio. Então ele pediu a Sun o endereço e os nomes do casal. E no caminho para sua casa, os ajudou a casarem-se novamente. Sun ficou muito grato pela atitude de seu amigo.

Sun passou no exame em outra rodada, seguiu com sua carreira e foi promovido como funcionário. Sempre que podia, ele evitava que casais se divorciassem, e salvava o casamento.

4. Escrever artigos pornográficos põe a si e sua família em perigo

Um estudioso da Dinastia Ming era um talentoso escritor, mas só tinha interesse em escrever histórias pornográficas. Não lhe parecia grande coisa, porque eram somente histórias.

Numa noite ele sonhou que seu pai o repreendia. O velho disse que suas histórias eram muito boas e que muitas pessoas acreditavam que eram verídicas e seguiam esse comportamento degenerado descrito em seus livros. “Se supunha que ele teria êxito em sua carreira e seria afortunado. Porém, por suas histórias pornográficas, os seres divinos tiraram toda sua boa fortuna”, disse seu pai.

Uma vez, ele e sua família estavam viajando para seu novo trabalho em um barco. O barco não aguentou uma tempestade forte, e todos se afogaram.

5. As mentiras perversas destroem os nomes bons e quem mentiu

Sun Yan estava com inveja de seu colega Li Shuqing, que era um funcionário honesto e muito atencioso. Para difamar Li, Sun espalhou boatos para humilhá-lo. Sun disse que a cunhada de Li estava cometendo adultério e que Li aprovava. Quando Li escutou os rumores, queria perguntar à sua cunhada, porém se sentiu envergonhado de tocar nesse assunto. Incapaz de negar os boatos, Li morreu depressivo e com raiva. A cunhada de Li não suportou a humilhação e enforcou-se.

Alguns dias depois de morrerem, houve uma tempestade atípica. A corrente elétrica arrastou Sun para frente da casa de Li antes que os raios o matassem. Depois que Sun foi enterrado, os raios destruíram seu caixão, deixando seu corpo exposto para apodrecer.

6. Um pensamento maligno destrói o futuro de uma pessoa

Um estudante da Dinastia Oing foi a uma cidade prestar o exame oficial com seu empregado. Após o primeiro exame, seu empregado lhe disse que teve um sonho que confirmava que tal estudante iria passar no exame para tornar-se um oficial; isso o animou bastante. O empregado perguntou se ele poderia se casar depois que fosse contratado como oficial. O estudante concordou alegremente. Ele mencionou a filha de certo homem e disse: “Uma vez que você se torne oficial, ela não ousará rejeitar meu pedido”.

Após o segundo exame, o empregado teve outro sonho. E disse ao estudante que ele não seria oficial. “No sonho, escutei que o examinador disse que você já estava pensando em fazer coisas incorretas antes de ser aprovado. O examinador então o substituiu por outro melhor”, disse o empregado.

O estudante não acreditou. Quando a lista de candidatos aprovados foi publicada, seu nome não constava.

 
Matérias Relacionadas