Histórias da Antiga China: Inspirados pela virtude, ladrões param de roubar

Fan Yuanyan cresceu em uma família pobre das Dinastias do Norte e do Sul (420 dC – 589 dC) e cultivava hortaliças.

Um dia, quando saía de casa, viu alguém roubar os vegetais de sua propriedade. Voltou então para casa e contou à sua mãe. Ela perguntou quem era o ladrão e Fan disse: “Se eu lhe disser o seu nome, por favor, não diga a ninguém”. Como resultado, Fan e sua mãe guardaram segredo.

Em outro dia, novamente, ele viu pessoas se arrastando por dentro de uma vala para roubar brotos de bambu de sua propriedade. Assim, o aldeão cortou uma árvore e construiu uma ponte simples para tornar mais fácil para os meliantes atravessarem a vala até a plantação de bambu. Profundamente tocados pela sua consideração e gentileza, o ladrões sentiram vergonha de suas condutas e pararam completamente de roubar. Com o passar do tempo, os roubos se extinguiram em toda a aldeia.

Leia também:
Melhore sua postura com método chinês
Família: amor e devoção na antiga China
Fortaleça sua paternidade com ensinamentos de Confúcio

Liu Huan, estudioso do Reino de Pei, atual província de Anhui, documentou as ações virtuosas de Fan. Durante os reinados dos imperadores Ming de Qi e Wu de Liang, Fan foi duas vezes convidado para servir na corte imperial. Satisfeito com uma vida simples e frugal, ele não era interessado por fama e fortuna, e recusou ambos os convites.

Os antigos consideravam a conduta moral e virtuosa muito importantes. Naquela época, mesmo os ladrões se sentiam envergonhados ao ser tratados com gentileza e generosidade. A existência de inúmeras leis – como hoje em dia – se fazia desnecessária, toda a sociedade vivia sobre um código de ética, respeito e moral.

Fonte: O Livro de Liang, Volume 51, Biografia de Figuras Conhecidas nº 45

 
Matérias Relacionadas