Há uma guerra entre China e Taiwan no horizonte?

Taiwan aumenta os preparativos defensivos para conter um ataque da China, que poderia ocorrer a qualquer momento

Por James Gorrie

A maior ameaça para o Partido Comunista Chinês (PCC) não é a Marinha dos Estados Unidos, as armas nucleares norte-coreanas ou mesmo a recessão econômica. Todos esses fatores representam sérios desafios para o governo do PCC na China, mas o foco de todos esses problemas é Taiwan.

Uma alternativa real ao PCC

Domesticamente, todo dia Taiwan representa uma alternativa política e econômica real ao PCC dominante. Por décadas, Taiwan conseguiu aumentar sua economia apesar de não ter o PCC encarregado. Também goza de liberdades muito maiores do que a China continental.

Esses fatos dolorosos e muito óbvios mostram ao povo chinês que a afirmação do PCC de que sua liderança é o único caminho para o desenvolvimento econômico chinês é uma fraude. É por isso que a própria existência da “província renegada” é uma ameaça para a liderança comunista da China.

De 1979 em diante, o acordo tácito entre o PCC e o povo chinês foi o de que o Partido garantirá a prosperidade econômica e o povo não desafiará o governo dos comunistas sobre eles. Como é amplamente conhecido, o crescimento econômico é a principal reivindicação do PCC à legitimidade política.

Mas como a economia da China continua a desacelerar, a legitimidade do PCC se torna mais fraca para mais pessoas.

Problemas econômicos da China

Independentemente dos dados econômicos “oficiais” sobre o crescimento do PIB e a produtividade que o estado produz, a economia fraca da China está engasgada com dívidas, fraude, desperdício e corrupção. Dada a guerra comercial com os Estados Unidos e a entrada da zona do euro na recessão, espera-se que esta recente tendência econômica descendente continue. Pode ser o pior cenário econômico da China em duas décadas. Em algum momento, o PCC pode enfrentar uma crise de legitimidade que se manifesta na crescente agitação civil – se já não o fez.

Em qualquer caso, o aumento da repressão do estado em resposta às tarifas comerciais dos Estados Unidos dá uma imagem clara da mentalidade da liderança da China. Além disso, a saída de mais de um trilhão de dólares do controle do PCC é outro indicador sólido de quantos na China veem suas perspectivas de curto prazo. A confiança do consumidor na direção do país é baixa e está caindo.

À medida que essa crise de legitimidade se aprofunda, o regime, como muitas vezes o fez, também procura maneiras de desviar a atenção de seus fracassos. E, de acordo com a doutrina do PCC, trazer Taiwan sob o controle do PCC é uma necessidade. Não fazê-lo continua a ser visto pela liderança do PCC como um fracasso de política interna e externa.

“Ameaça militar” de Taiwan

Militarmente, Taiwan não tem ambições de invadir a China. Mas sua localização geográfica coloca em foco os principais portos da China. Juntamente com a estreita cooperação militar da nação insular com os Estados Unidos, no caso de um conflito, Taiwan e os Estados Unidos poderiam efetivamente impedir que materiais e suprimentos entrassem na China a partir dos principais pontos de entrada da China. Isso incluiria até 86% das importações marítimas de petróleo da China e mais de 50% de seu gás natural, o que enfraqueceria a economia e as forças armadas chinesas.

Esta vulnerabilidade gritante permanecerá enquanto Taiwan estiver separada da China. Além disso, os objetivos da China são expulsar os Estados Unidos da região da Ásia-Pacífico, tanto militar quanto economicamente. Mas, para isso, deve primeiro obter o controle de Taiwan.

Tomando Taiwan como um dos principais objetivos militares da China

É por isso que, com a deterioração das relações entre os Estados Unidos e a China, os líderes de Taiwan e do Japão, juntamente com o establishment de defesa dos Estados Unidos, consideram provável que a China direcione seus esforços para Taiwan mais cedo do que tarde. A retórica do líder chinês Xi Jinping ressaltou esse ponto em várias ocasiões recentes, dizendo:

“Não prometemos abandonar o uso da força militar e reservamos a opção de tomar todos os meios necessários contra as atividades separatistas taiwanesas e as forças externas que interferem na reunificação”.

Um relatório recente do Pentágono não apenas confirma as intenções de Xi, mas acrescenta que todo o acúmulo estratégico dos militares chineses se concentrou em colocar Taiwan sob o controle do PCC. O chamado de Xi para que as tropas da China “se preparem para a batalha” pode ser um exagero no momento, mas também é provável que seja uma ordem que seus generais seguiriam imediatamente. Afinal, ele anunciou publicamente que “a independência de Taiwan é um beco sem saída” e que a China “deve e será reunificada”.

Taiwan e outros levam a sério as ameaças da China

A China aumentou suas atividades retóricas e militares destinadas a Taiwan desde que a nação elegeu Tsai Ing-wen para a presidência em 2016. Em resposta, o presidente Tsai ordenou aos militares de Taiwan que aumentem os preparativos defensivos para conter um ataque da China, que poderia ocorrer a qualquer momento, observando que Taiwan “deve estar sempre preparada”.

Mas o presidente de Taiwan não é o único líder que vê a escrita na parede anunciando um ataque chinês a Taiwan. O ex-Comandante de Apoio Aéreo da Força Aérea Japonesa, Orita Kunio, disse em uma entrevista recente que um ataque chinês contra Taiwan poderia acontecer em 2020. Além disso, ele antecipa que uma ação militar seria a primeira de muitas a estabelecer o domínio chinês em toda a região da Ásia-Pacífico até e incluindo Okinawa.

Estados Unidos respondem às ameaças da China

A administração Trump mantém visões semelhantes sobre o desenvolvimento militar da China e suas intenções por trás dele. A resposta dos Estados Unidos foi aprofundar seu relacionamento militar e diplomático com Taiwan. Ao mesmo tempo, continuou a realizar patrulhas navais no Estreito de Taiwan e outros locais sensíveis na região, contra as advertências da China para não o fazer. Além disso, os gastos com defesa dos Estados Unidos estão aumentando em resposta ao crescente poder da China e os planejadores de defesa estão transferindo mais peso para a região da Ásia-Pacífico.

É claro que a guerra comercial também desempenha um papel nas percepções da China e talvez até em suas decisões estratégicas.

Taiwan como problema e solução?

Em última análise, Taiwan pode ser retratadao pela liderança da China como causa e solução de seus problemas e metas de longo prazo. Eles certamente apontam para o acúmulo militar de Taiwan, apoiado pelos Estados Unidos, como uma provocação e seus laços estreitos com os Estados Unidos como um obstáculo ao seu próprio relacionamento com os Estados Unidos. E como observado anteriormente, Taipei apresenta uma série de ameaças potenciais à continuação do governo do PCC apenas pela sua própria existência.

A linha inferior é que o PCC deve ter controle sobre todos os aspectos da vida chinesa se quiser permanecer no poder. Mas, para manter o controle, o PCC deve manter a legitimidade aos olhos de uma parcela significativa de sua sociedade. Mesmo os mais comprometidos ideólogos comunistas sabem que um grupo de cerca de 90 milhões de membros não consegue governar uma nação de 1,4 bilhão de pessoas por muito tempo sem legitimidade. Para o PCC e Xi Jinping, a “província renegada” pode, em breve, fornecer um adversário conveniente e necessário sobre o qual ambos devem lançar seus próprios fracassos, bem como um caminho “para remediá-los”, a fim de manter seu monopólio do poder.

James Gorrie é um escritor baseado no Texas. Ele é o autor de “The China Crisis”.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas