Guerra comercial freia crescimento econômico mundial, alerta presidente do FMI

Por Emel Akan

WASHINGTON – A atual disputa comercial entre Estados Unidos e China pode reduzir em 0,5% a economia global, disse a presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, em 5 de junho.

Falando no American Enterprise Institute, Lagarde definiu o comércio como um “grande motor de crescimento” para a economia mundial. E qualquer freio no comércio,  disse ela, como tarifas e barreiras não-tarifárias, colocaria um freio no crescimento.

No geral, o FMI estima que as tarifas Estados Unidos-China – incluindo as implementadas em 2018 – poderiam reduzir o produto interno bruto global em 0,5% em 2020. Isso implica uma perda de cerca de US$ 455 bilhões, maior do que o tamanho da economia da África do Sul.

Lagarde advertiu anteriormente que a economia global estava em um “momento delicado”.

Em seu relatório de abril, o FMI projetou que a economia mundial cresceria 3,3% em 2019, um declínio de 0,4 ponto percentual em relação à sua previsão em outubro de 2018. A organização prevê um crescimento de 3,6% para 2020.

“Infelizmente, estamos vendo alguma materialização desses riscos que identificamos há alguns meses”, disse ela, acrescentando que as tarifas recentemente propostas para o México também são motivo de preocupação.

A principal preocupação do FMI é que os formuladores de políticas fiquem com pouco espaço para manobrar no que se refere ao estímulo monetário e fiscal.

De acordo com Lagarde, existem outros riscos que estão em formação, como o Brexit. A probabilidade da saída do Reino Unido da UE sem um acordo subiu depois de três falhas na obtenção de aprovação na Câmara dos Comuns. Um Brexit sem acordo poderia acontecer este ano no final de outubro.

Em outubro de 2018, o FMI cortou sua previsão de crescimento global pela primeira vez desde julho de 2016, devido à desaceleração do crescimento econômico chinês, à guerra comercial Estados Unidos-China e às preocupações financeiras nos mercados emergentes. Ele anunciou novas revisões para baixo em janeiro e abril.

De acordo com Lagarde, 70% da economia global está agora vendo uma “desaceleração sincronizada do crescimento”. Apenas dois anos atrás, no entanto, 75% da economia global estava experimentando uma recuperação.

No entanto, a fragilidade na economia mundial é “um pouco diferente da distribuída do que supúnhamos”, disse Lagarde.

Enquanto a atividade econômica do primeiro trimestre foi decepcionante nos mercados emergentes, o crescimento foi mais forte do que o esperado nos Estados Unidos, na UE e no Japão, disse ela.

Outro obstáculo para a economia global é um aumento significativo nos níveis de endividamento das empresas e deterioração na qualidade de crédito prevalente em todo o mundo. De acordo com Lagarde, os níveis de endividamento das empresas são tão altos que uma mudança súbita nas condições financeiras poderia levar a saídas de capital disruptivas dos mercados emergentes.

FMI reduz sua projeção para a China

O FMI em 5 de junho reduziu sua projeção de crescimento econômico para a China em 2019 para 6,2%, ante 6,3%, devido à maior incerteza em torno das tensões comerciais.

“O crescimento deverá moderar-se para 6,2% e 6,0% em 2019 e 2020, respectivamente”, disse o diretor-adjunto do FMI, David Lipton, em comunicado. “A perspectiva de curto prazo permanece particularmente incerta, dado o potencial para uma nova escalada das tensões comerciais.”

Algum relaxamento adicional da política seria necessário, se as tensões comerciais aumentarem ainda mais, disse Lipton no comunicado.

O comércio será um tópico de discussão na Cúpula dos Líderes do G-20 no Japão no final deste mês, segundo Lagarde. E ela disse que o FMI apresentaria um relatório sobre a questão dos desequilíbrios comerciais ao redor do mundo na cúpula.

O presidente Donald Trump disse, em 6 de junho, que decidirá se implementará novas tarifas em pelo menos US$ 300 bilhões em produtos chineses após a cúpula do G-20.

“Eu tomarei essa decisão depois do G-20. Eu vou me encontrar com o presidente Xi e veremos o que acontece. Mas provavelmente planejando isso depois do G-20 ”, disse Trump a repórteres na França.

Ele também disse que a China queria “fazer um acordo ruim”.

A cúpula do G-20 é a primeira oportunidade para Trump e o líder chinês Xi Jinping se encontrarem desde o último encontro do G-20 em Buenos Aires, Argentina, no final de 2018.

As tensões aumentaram entre os Estados Unidos e a China no início de maio, depois que Pequim recuou dos compromissos de realizar reformas estruturais importantes, e Trump elevou as tarifas sobre produtos chineses.

A recente tensão comercial levou a uma queda de 14% nas ações chinesas de seus picos no acumulado do ano em abril, à medida que o aumento do conflito provocou a maior saída de capital das ações chinesas em quase quatro anos. As ações chinesas registraram saídas líquidas de US$ 2,6 bilhões e US$ 2,8 bilhões para as semanas encerradas em 10 de maio e 17 de maio, respectivamente.

Siga Emel no Twitter: @mlakan

 
Matérias Relacionadas