Guaidó pressionará por mais sanções contra regime de Maduro

Por VOA

CARACAS, VENEZUELA – Depois de retornar à Venezuela após uma turnê internacional de três semanas, Juan Guaidó diz que tomou um novo fôlego em sua luta para derrubar Nicolás Maduro.

Entre suas estratégias para aumentar a pressão, há mobilizações de ruas planejadas para o próximo mês e sanções mais fortes contra aqueles próximos ao regime e empresas estrangeiras com as quais têm vínculos financeiros.

Recentemente, as sanções impostas pelos Estados Unidos chegaram à corporação russa Rosneft, mas Guaidó anunciou em entrevista à Associated Press que, além disso, haverá medidas contra outras empresas internacionais que, segundo ele, são usadas pelo regime para fugir de Washington.

Guaidó enfatizou aquelas que negociam com ouro venezuelano, que ele descreveu como “manchado de sangue” porque permitiriam o financiamento de “grupos irregulares”.

“As pressões diplomáticas, financeiras para financiadores corruptos e violadores de direitos humanos vão aumentar”, disse ele, embora não tenha detalhado as empresas ou países que poderiam ser prejudicados.

Ao aumentar a pressão internacional contra Maduro, Guaidó destacou o papel dos Estados Unidos e da administração de Donald Trump, com quem realizou uma reunião na Casa Branca durante sua viagem.

Quando perguntado se confiava em Trump, que recentemente disse à imprensa que o apoiava porque ele é o preferido pelos venezuelanos, Guaidó disse que sim. “Tivemos uma reunião muito boa. Eu acho que ele é um homem de palavra”.

Segundo o líder da oposição, entre as questões abordadas na reunião realizada em 5 de fevereiro, eles falaram sobre “como a crise venezuelana é resolvida em diferentes áreas”, a atenção à crise de refugiados e as alegações de que “Maduro proteger terroristas. ” Da mesma forma, foi discutido o crescimento do tráfico e produção de drogas na Venezuela.

Apesar do apoio que Guaidó obteve em sua viagem de Trump e outros líderes europeus, como Boris Johnson e Emmanuel Macron, o político de 36 anos que foi reconhecido como presidente interino da Venezuela por quase 60 países, admitiu que isso não é suficiente e disse que o aumento da pressão interna é essencial, o que tem sido afetada pela presença cada vez mais reduzida dos protestos.

Diante disso, na sexta-feira, ele anunciou uma nova escalada de manifestações durante uma concentração com trabalhadores da capital.

As mobilizações teriam o apoio dos sindicatos da saúde, educação e transporte, e contemplam uma marcha em 10 de março para o Palácio Legislativo, realizada desde o início do ano pelas forças de segurança que impediram a oposição. Entre nas instalações opera uma diretiva paralela agora liderada pelo deputado Luis Parra, que foi expulso do partido de oposição da Primeira Justiça depois de ser acusado de corrupção.

Mais de um ano depois de embarcar em uma cruzada para tirar Maduro do poder, Guaidó está otimista e determinado a continuar em sua causa. Ele sustenta que a variável de sucesso que o esquerdista tem é que ele permanece no palácio presidencial, mas está livre.

“Quem é mais fraco? Quem é mais forte? Estou aqui cara-a-cara com as pessoas”, acrescentou.

Além disso, sabe-se que um dos fatores que mantiveram Maduro no poder é o sólido relacionamento que ele conseguiu preservar com os militares, que ignoraram os apelos da oposição para apoiar sua queda. Nesse sentido, Guaidó disse que concentrou seu trabalho em “insistir nas comunicações (em) construir um espaço para uma transição que ofereça garantias a esse setor”. Ele também disse que mantém contatos em “todos os níveis”, mas não entrou em detalhes.

 
Matérias Relacionadas